Nas Bancas

Eduardo da Bernarda fala da relação feliz com Marta Jiménez: "Tem sido muito agradável convivermos e ver o seu lado festivo"

Juntos desde o início de 2010, os empresários confessam que uma paixão-relâmpago deu origem a uma relação plena.

Joana Carreira
20 de janeiro de 2011, 10:25
Eduardo da Bernarda
, de 54 anos, e
Marta Jiméne
z
, de 35, conhecem-se há vários anos. Contudo, foi só no início do ano passado, quando Marta já estava separada do seu ex-marido há algum tempo e o empresário tinha terminado recentemente o seu casamento com a estilista
Fátima Lopes
, que se apaixonaram. Dizem que foi
"um flash"
, ou seja, uma paixão imediata.

Apesar de apostarem nas suas carreiras, o empresário e a diretora do M Studio Marta Jiménez Personal Fitness, Beauty and Balance, em Cascais, têm na família as suas grandes prioridades. Eduardo é pai de
Miguel
, de 24 anos, de
Tiago
, de 20, de
Mariana
, de 19, fruto do seu casamento com
Camy
, que morreu muito recentemente, e de
André
, de nove anos, que nasceu de outra relação. Por sua vez, Marta é mãe de
Alberto
, de oito anos, e de
Alessandro
, de sete, fruto do seu casamento com
Alberto Rocco
. Mas o facto de agora ter uma família bastante numerosa não impede o casal de ter tempo para alimentar o romantismo na relação. E é por isso que Eduardo não esconde que se sente um homem realizado e
"feliz"
ao lado da empresária espanhola, como partilhou com a CARAS numa tarde passada no Hotel Cascais Miragem.


Marta Jiménez e Eduardo da Bernarda
Marta Jiménez e Eduardo da Bernarda
Luís Coelho
- Namoram há relativamente pouco tempo, mas já se conhecem há vários anos. Como é que se apaixonaram?

Eduardo da Bernarda
- De facto já nos conhecemos há algum tempo e ao longo dos últimos anos encontrámo-nos duas ou três vezes. No princípio de 2010, reencontrámo-nos, por acaso, e nessa altura começámos a sair.


- E a partir desse momento foi paixão imediata ou foi uma conquista mais demorada?

Marta Jiménez
- Acho que foi paixão imediata. Estávamos os dois na mesma situação, sozinhos, mas nenhum dos dois procurava nada. Ele estava a separar-se, eu já estava separada... Foi tudo muito natural.

Eduardo
- Foi uma situação de
flash
, à primeira vista. Começámos a sair e as coisas entre nós correram logo muito bem.


- Alguma imprensa avançou que o seu casamento, Marta, acabou por causa de uma terceira pessoa. É verdade?

Marta
- Não. Quando nos apaixonámos, eu já estava separada há algum tempo... Eu e o meu ex-marido já fazíamos vidas separadas, mas tentámos fazer uma transição o mais suave possível, porque temos dois filhos ainda pequenos, cujo bem-estar é muito importante.


- Se a Marta já estava separada 'há algum tempo' quando se apaixonou por si, o Eduardo tinha acabado muito recentemente um casamento. O apaixonar-se novamente de forma tão rápida ajudou-o a lidar com o fim de mais uma relação?

Eduardo
- Eu não lido muito bem com a solidão. A sensação de estar sozinho não me é muito agradável. Não quero falar do passado, mas a situação da minha separação é mais ou menos pública. E a Marta apareceu numa altura em que eu começava a projetar o futuro. A Marta é uma pessoa muito simpática, agradável, positiva e tem sido uma relação que me tem preenchido bastante.


- Em relação ao passado e, concretamente, ao seu casamento com Fátima Lopes, está tudo resolvido ou ficaram mágoas?

- Não vamos falar do passado... Não tenho mágoas. Não olho para trás a pensar como foi ou como poderia ter sido. Preocupo-me mais em olhar para a frente. Não levanto a mim mesmo essas questões relacionadas com o passado. Em vez disso, gosto de projetar o futuro.


- O Eduardo e a Marta são pessoas muito diferentes uma da outra?

- Somos pessoas diferentes, mas também temos muitas coisas em comum, como o gosto pelo desporto e por um estilo de vida saudável. Temos pontos em comum e algumas diferenças, como a nacionalidade, mas isso não introduz qualquer entrave para nós. Tem sido muito agradável conviver com a Marta e ver o seu lado festivo. Ela trouxe alegria à minha vida.


Marta Jiménez
Marta Jiménez
Luís Coelho
- Sente que esta relação o tornou um homem diferente?

- Sinto que faz tudo parte de um percurso de vida. Há fases que começam, outras que acabam... É um período que estou a viver com satisfação, alegria... A Marta trouxe-me coisas boas. 2010 foi um ano em que me aconteceram coisas que não foram propriamente positivas e a Marta foi a coisa mais agradável que o ano passado me trouxe.

Marta
- Eu e o Eduardo complementamo-nos. Para mim também não foi um ano fácil, porque tive de tomar a decisão de ficar em Portugal ou de partir, e o Eduardo ajudou-me imenso. Ele é meu companheiro, a minha família, e é uma pessoa muito paciente e estável. É um ponto de referência na minha vida.


- Os quase 20 anos que têm de diferença notam-se na vossa relação?

Eduardo
- Não sinto que a diferença de idades seja preocupante.

Marta
- Eu também não. Sinto-me muito bem com o Eduardo.


- Como é que foi a adaptação dos vossos filhos a esta nova realidade familiar?

Eduardo
- Embora os filhos do meu primeiro casamento já sejam adultos, tenho o André, que tem mais ou menos a idade dos filhos da Marta. E eles os três conheceram-se e adoraram-se. São grandes amigos. Eu tinha uma relação com o André fisicamente mais distante, e agora, quando está comigo, diverte-se muito mais, porque tem mais miúdos com quem brincar.

Marta
- Os meus filhos dividem o tempo entre mim e o pai. Assim, posso estar com eles, mas também fico com tempo para estar com o Eduardo e para namorarmos. Eles gostam muito do Eduardo e a sua adaptação a esta nova realidade correu muito bem.


Marta Jiménez e Eduardo da Bernarda
Marta Jiménez e Eduardo da Bernarda
Luís Coelho
- O casamento faz parte dos vossos planos?

Eduardo
- Não é a altura para ponderar essas coisas. Neste momento, já fazemos uma vida juntos, só não temos um papel assinado, mas os cenários estão todos em aberto... Não excluímos a hipótese de nos casarmos.

Marta
- Pensamos no presente. Estamos juntos e bem, e se tudo correr bem, continuaremos assim.


- E sentem o mesmo em relação aos filhos?

- Acho que para ter filhos, gostava de me casar. Pelo menos é assim que penso. Mas eu não tenho problemas em ter mais filhos. Sou é uma pessoa um bocadinho tradicional.

Eduardo
- Não pomos a hipótese de ter filhos nesta altura...


- O Eduardo sempre foi conhecido como um homem de negócios, mas pelo que partilhou percebe-se que também é um homem de família...

- Sim. Aliás, neste momento, os meus projetos são viver com tranquilidade e ver a minha família bem. A minha vida profissional mantém-se, mas agora não é a minha principal preocupação.


- A sua principal preocupação é a família?

- A família agora precisa muito de mim. Os meus filhos mais velhos precisam mais de mim agora do que alguma vez precisaram, porque a mãe deles morreu muito recentemente. Tenho de ser um pai presente. E, por isso, os projetos profissionais estão noutro patamar de prioridades.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras