Nas Bancas

David Ferreira: "Quando for grande hei-de descobrir se a música é profissão ou vício"

Rita Ferro conversou com David Ferreira a propósito da edição de luxo comemorativa dos 40 anos do álbum de Amália 'Com que Voz', que este coordenou. Inclui um CD de bónus e um livro.

Joana Carreira
5 de janeiro de 2011, 11:47

Chama-se David João de Carvalho Mourão Ferreira, tem 56 anos, frequentou História na Faculdade de Letras de Lisboa, é filho homónimo de um dos nossos poetas maiores e tem quatro filhos do seu casamento com a jornalista e apresentadora de TV Margarida Mercês de Mello: Teresa, 26 anos; Margarida, 25; David, 21; e Tomás, 18. Foi, durante mais de 30 anos, a cara da Valentim de Carvalho, editora discográfica fundada pelo seu tio-avô, e depois da EMI-Valentim de Carvalho, líder de mercado durante anos a fio.
Hoje, tem a sua própria editora de música - Investidas Editoriais -, em que já publicou trabalhos de grande exigência e refinamento de António Pinho Vargas e da banda de culto Corações de Atum.
Na senda deste novo rumo que tomou, há três anos, acaba de coordenar, com Frederico Santiago, a edição de luxo comemorativa dos 40 anos do álbum de Amália Com que Voz - para muitos o melhor disco da fadista ou mesmo de toda a Música Popular Portuguesa.
David Ferreira conversou com Rita Ferro no Hotel Avenida Palace, aos Restauradores, onde, em off, falou de muitas outras coisas: as horas perdidas como mau jogador de ténis, as suas paixões para além da música - a leitura, a pintura, o cinema -, o medo de escrever por causa das inevitáveis comparações com o pai, a lástima por viver num país sem política cultural que sobreviva à voragem dos ciclos eleitorais, a condição de eleitor 'infiel' mas empenhado, a defesa intransigente da propriedade intelectual, o culto pelos que, entre a família e os amigos, partiram demasiado cedo - o pai, os avós paternos, o padrinho, Carlos Paião, Variações, Solnado e a própria Amália, entre outros.
Por limitações de espaço, a entrevista girou sobretudo em torno do lançamento deste duplo CD histórico.

Rita Ferro e David Ferreira
Rita Ferro e David Ferreira
Mário Galiano
Rita Ferro - David: fala-nos desta 'jóia da coroa' acabada de lançar...

David Ferreira -
É talvez o disco mais importante da história da música portuguesa. Na discografia da Amália este é o "ainda melhor". E, como às vezes sucede com os monumentos, estava a precisar de restauro.


- Foste o director editorial do projecto. Quem o edita?

- O trabalho foi coordenado pelo Frederico Santiago e por mim, e, durante meses, tivemos o
João Brito
a fazer muita pesquisa importante. A edição é da I-Play, que teve paciência para esperar enquanto continuávamos a achar que ainda podíamos melhorar alguma coisa.


- Que acrescenta à versão original, de 1970?

- Remasterizámos o álbum original, e isto é importante. Hoje é possível reproduzir a riqueza das gravações antigas - o som agora conseguido é melhor e mais fiel do que o da primeira edição em CD. Depois, incluímos um 2.º disco com gravações inéditas - óptimas! -, metade descobertas pelo Frederico. Finalmente, fizemos um livrinho de 88 páginas com as peripécias da gravação e as suas personagens principais: músicos, editor, técnico de som, os poetas cantados e quem os musicou...


- São tudo músicas do Alain Oulman. Era um homem raro: compositor, pianista, editor perseguido... Por que raio foi preso pela PIDE?

- Aparentemente, ajudou um grupo que conspirava contra o
Salazar
; pode até ter-se limitado a albergar alguém, não sei os pormenores. O Alain era um homem excepcional: quando, em 95, a RTP estreou o documentário do
Bruno de Almeida
sobre a Amália, o meu pai ligou-me a dizer que tinha chorado de saudades ao rever o Alain, num ensaio filmado pelo
Fonseca e Costa
. O Alain tinha morrido cinco anos antes...


- ... e tinha musicado muita coisa do teu pai?

- Aí umas oito letras, incluindo o
Abandono
,
Maria Lisboa
,
Madrugada de Alfama
... Todas de forma inesquecível. Era um tipo encantador, de uma extraordinária sensibilidade. A Amália e os poetas que ele musicou nunca foram poupados nos elogios que lhe fizeram. Refiro-me aos vivos... mas podíamos falar da sua ousadia em musicar o
Camões
...


- Pois, Amália foi a primeira a cantá-lo. Faço ideia as reacções...

- Um escândalo... às vezes não percebemos a importância que teve a Amália a meter uma corrente de ar por aí adentro!


David Ferreira
David Ferreira
Mário Galiano
- E o encontro de Amália com o Oulman? Mágico?

- O Alain surge pela primeira vez no LP do
Busto
, em 62, compondo a maioria das músicas. Consegue o milagre: sem perder de vista a tradição do fado, cria algo completamente novo - no início até os próprios guitarristas se queixavam de ter de gravar (diziam eles)
"as óperas"
!


- E as gravações? Como correram há 40 anos?

- Dois dias só, um milagre! O homem do som,
Hugo Ribeiro
, conta no
booklet
a importância de se ter apenas dois músicos, em vez de quatro. E
Joel Pina
, um grande músico que acabou por não participar na gravação, explica que esta solução ia sendo preparada por
Fontes Rocha
, o guitarrista e arranjador genial do álbum. O resto foi cumplicidade entre eles. E, se calhar, foi Deus...


- Admira-te. Este disco é uma selecção da própria Amália?

- Sim, deve-se à sua inteligência e intuição. Ou talvez a sua intuição fosse uma forma superior de inteligência. Sempre soube escolher bem, e esse dom, que encontramos no melhor
Sinatra
, é um traço distintivo dos intérpretes excepcionais.


- Que poetas portugueses constam do reportório?

-
Pedro Homem de Mello
,
Alexandre O'Neill
e o meu pai, todos eles repetentes em discos da Amália. Pela primeira vez, o
Ary
e o
Alegre
. A brasileira, porque mais do que a nacionalidade contou aqui a língua portuguesa,
Cecília Meireles
. E talvez o Camões:
Com que Voz
, que dá o nome ao disco, é um poema quinhentista cuja autoria continua hoje a ser discutida.


- E o encontro Amália-David?

- O meu pai foi criado a desconfiar do fado. Até que em Paris, aos 20 anos, deu consigo a cantarolar um fado e sabia a letra toda... Amália, tinha-a visto no teatro, sentia-se próximo dela sem a conhecer. O passo decisivo foi quando o cunhado, o meu tio
Rui Valentim de Carvalho
, os apresentou.


- Já agora: qual era a relação do teu pai com a música?

- Gostava muito - e lemos isso tanto na poesia como na ficção. Dos barrocos italianos em especial. Mas não tinha jeito para cantar: nesse ponto os nossos genes são uma lástima...


- E a tua relação com a música?

- A minha? Quando eu for grande hei-de descobrir se isto é profissão ou vício...


- Voltando ao disco: inclui um CD de bónus, com '4 raridades' e '15 gravações inéditas'. Queres antecipar-nos emoções?

- Os inéditos revelam-nos uma Amália inquieta, desafiando sempre o que os outros achariam - e com razão! - um trabalho pronto a ser publicado. Ainda hoje a
Lili
, que foi secretária da Amália, me ligou a dizer que ficou comovida depois de ouvir este disco. Felizmente, a Amália teve um editor entusiasta, todos os dias eram bons para gravar. [risos]


David Ferreira
David Ferreira
Mário Galiano
- Reparei que o livro que acompanha os CD também tem textos reveladores de aspectos menos conhecidos do grande público...

- A pesquisa dos arquivos foi um processo de descoberta que o Frederico descreve. A Margarida (Mercês de Mello) reproduz com muito humor as histórias do Ribeiro, que gravou a Amália durante décadas.
Sara Pereira
, directora do Museu do Fado, traça um retrato muito completo do Alain.
Salwa Castelo Branco
, presidente do Instituto de Etnomusicologia, analisa com detalhe a arte do Fontes. Eu fiquei com a introdução e as personagens menos conhecidas. E o
Vítor Pavão dos Santos
, biógrafo de Amália, assina dois textos comoventes, um sobre os poetas e outro resumindo o que este disco representa.


- E agora tu, David: de que forma saboreias esta tua editora e este teu novo trabalho tão mais ponderado e requintado?

- Ter mais tempo é bom, claro. Agora dedico-me à
slow food
... Por outro lado, nem tudo era mau numa grande editora: se o Poder (com letra grande) vicia, poder (o verbo) é bom - e às vezes os pequenos não podem.


- E a política, David? Que tens tu a dizer disto tudo?

- Ah, Rita, logo agora que estávamos tão felizes a falar da Amália...! Olha, fico frustrado ao ouvir tanto discurso clubista quando o mundo desaba à nossa volta. Não é preciso muita reflexão para ver que precisamos de Mercado mas também de Estado - um ou outro à solta dá asneira. É preciso, ao mesmo tempo, produzir riqueza e distribuí-la. Claro que isto provoca tensões contrárias, mas só aparentemente inconciliáveis. Temos de exigir mais de nós próprios, como se fôssemos os construtores das antigas catedrais: tiveram de harmonizar as necessidades de solidez e de luz - no fim inventaram o gótico. Nada mau, pois não?


Nota: por vontade da autora, este texto não segue as regras do novo acordo ortográfico

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras