Nas Bancas

Manuela Couto fala do nascimento da filha: "Nunca pedi nada tão bom"

Joaquim e Manuela Couto receberam-nos em sua casa para conhecermos Maria Rita, um bebé muito desejado.

Joana Carreira
4 de janeiro de 2011, 17:14

Um mês e meio depois do nascimento de Maria Rita, a família de Joaquim e Manuela Couto está mais feliz e completa. Dez anos depois de terem tido o primeiro filho em comum, Salvador, e da posterior perda de dois filhos bebés, o médico e político, de 59 anos, e a empresária, de 39, tinham posto de parte o sonho de voltarem a ser pais, mas, no início de 2010, foram surpreendidos com a notícia de que Manuela estava de novo grávida. A CARAS foi conhecer Maria Rita e conversou com Joaquim e Manuela Couto sobre o que mudou com o nascimento da filha e de como os irmãos - Salvador e os dois filhos mais velhos de Joaquim, Luís, de 32 anos, e Silvana, de 29 -encararam a chegada do novo elemento da família como uma boa nova.Em harmonia e paz, sentem-se abençoados e agradecem todos os dias o bem que agora receberam.

Manuela e Joaquim Couto
Manuela e Joaquim Couto
Joaquim Norte de Sousa
- Com a Maria Rita, o vosso dia-a-dia deve ter mudado muito. Como têm sido estes primeiros dias?

Joaquim Couto -
De grande surpresa. Ao contrário dos bebés que já tivemos cá em casa, a Maria Rita deixa-nos dormir toda a noite, come com facilidade e raramente chora...

Manuela Couto
-
Para mim têm sido dias maravilhosos! A Maria Rita é deliciosa, nunca pedi nada tão bom. O que sinto com ela é diferente do que já senti até hoje. Amo o Salvador, mas os sentimentos são diferentes. Sinto-me muito preenchida. Faltava-me isto... ela não vem substituir ninguém, tem o lugar dela, mas tinha de vir...


-
Visto não ter sido uma gravidez planeada, e depois de tudo o que já passaram, encaram esta filha como uma bênção?

Joaquim -
A Maria Rita veio preencher um vazio afetivo que sentíamos. Obviamente que não nos esquecemos do que vivemos, mas seguimos em frente. Creio que já racionalizámos, apesar de recordarmos tudo. Mas a negatividade e o pessimismo que isso poderia implicar estão ultrapassados. De outro modo, seria insuportável.


Joaquim e Manuela Couto com os filhos, Salvador e Maria Rita
Joaquim e Manuela Couto com os filhos, Salvador e Maria Rita
Joaquim Norte de Sousa
- A Manuela está com um brilho especial nos olhos. Como é que o Joaquim acha que ela está a lidar com tudo?

- Ela anda encantada. Vê-se que está feliz e realizada. Provavelmente, foi quem mais sentiu, pela positiva, este nascimento. A Manuela rejuvenesceu e isso nota-se no dia-a-dia. Encara a vida com outro otimismo e sentido de humor. Foi excelente para todos.

Manuela -
Sinto-me mais nova. Ser mãe aos 28, aos 31, aos 36 e, agora, aos 39 anos, é totalmente diferente. E depois, profissionalmente, estou numa situação mais confortável, o Salvador já é crescido e o Joaquim está mais disponível para ajudar.


-
E para o Joaquim, como é voltar a ser pai aos 59 anos?

Joaquim -
Já vi nascer seis filhos... Mas é verdade que estou numa fase diferente da vida. Às vezes, quando digo que tenho mais um bebé em casa, perguntam-se se é meu neto, mas isso não me incomoda. Eu ando bem e sinto-me jovem. Tenho um temperamento algo extravagante. Não me encaixo nos padrões da minha idade nem me rodeio de pessoas mais velhas. E ser pai aos 59 anos faz-me bem ao ego. Sei que tenho de estar aqui mais uns 20 anos para os ver crescer... É bastante estimulante, não vejo nada de negativo.


Maria Rita e Salvador, filhos de Manuela e Joaquim Couto
Maria Rita e Salvador, filhos de Manuela e Joaquim Couto
Joaquim Norte de Sousa
- E o Salvador, como recebeu a irmã?

- Ele adora a Maria Rita e gosta de partilhar com a mãe tarefas como mudar fraldas, dar banho e passear. Já tem responsabilidade de irmão mais velho e assume o papel de protetor, colaborando em todas as rotinas que dizem respeito à irmã. Isto é bom, porque facilita a integração e assimilação do facto que é ter uma irmã dez anos mais nova.


-
Os seus filhos mais velhos, o Luís e a Silvana, já conhecem a irmã?

- Sim, e também encararam como uma boa nova o nascimento da irmã. Estão felizes e contentes com a vinda dela.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras