Nas Bancas

Alexandra Lencastre: Cumplicidade com as filhas, Catarina e Margarida

A atriz tem uma relação muito próxima com as filhas, de 12 e 14 anos, que têm sido fundamentais para ultrapassar as vicissitudes da sua vida.

Joana Carreira
4 de janeiro de 2011, 16:35

Habituada a viver histórias com final feliz através das personagens que interpreta, a vida de Alexandra Lencastre facilmente serviria de enredo para uma novela. Aos 45 anos, e depois de um último ano difícil de ultrapassar, sobretudo pelo relacionamento falhado com Paulo Ferreira, com quem planeava casar-se, a atriz continua a acreditar no seu 'final feliz'. A seu lado nos bons e nos maus momentos tem as filhas, Margarida, de 14 anos, e Catarina, de 12, fruto do seu casamento com Piet-Hein Bakker, que foram fundamentais nesta fase.
Foi sobre tudo isto que nos falou, numa conversa sem subterfúgios.

- É público que o ano que passou foi difícil para si...
Alexandra Lencastre - Muito, era o ano em que Deus me estava a dar a segunda grande oportunidade da minha vida de encontrar a minha cara metade, a pessoa ideal, o companheiro de sempre e para sempre, o meu amigo, na alegria e na tristeza, com os meus filhos e os dele e, todos juntos, seríamos uma família... e tudo isso se desmoronou numa coisa muito triste, repentina, abrupta para mim e para a minha família, começando nas miúdas. Foi uma grande surpresa, uma desilusão, e ainda está a ser difícil de gerir, embora o Emmy [o prémio internacional que ganhou a novela Meu Amor, da qual é uma das protagonistas] me tenha trazido um novo alento, uma compensação, pois foi tão duro trabalhar nestas circunstâncias, sem parar nem desistir de tudo... Só pensava: "As árvores morrem de pé, as árvores morrem de pé." Por isso, e para mim, este prémio foi também um símbolo de esperança no futuro e devolveu-me um bocadinho a capacidade de acreditar.

Alexandra Lencastre com as filhas
Alexandra Lencastre com as filhas
João Lima
- Como é que se consegue começar de novo?

-
Não sei... Vou buscar forças às minhas filhas, aos amigos, a Deus... E é isso.


- É, então, uma mulher otimista?

-
Não, nada, consegui foi, apesar de todas as vicissitudes, não perder a fé e ter sempre a noção de que há quem esteja pior do que nós e que aí deveremos ajudar e, dessa forma, também nos sentimos mais capazes. Depois, sempre pensei que todas as vezes que vamos ao tapete e achamos que não vamos conseguir mais, estamos só a recuperar forças.


- Como se lida com uma traição pública?

-
Quero cada vez menos falar sobre isso, mas aquilo que posso dizer é que se uma traição privada já é fortíssima, quanto mais uma pública, que é exponenciada a 15 a 20, a 100... É complicado.


Alexandra Lencastre com as filhas
Alexandra Lencastre com as filhas
João Lima
- Presumo que neste último ano o apoio das suas filhas tenha sido fundamental...

-
Verdade, elas apoiaram-me imenso. Sofreram muito, mas também recuperaram mais rapidamente do que eu e objetivaram logo a situação, pondo um ponto final em tudo. Diziam assim:
"Por isto, isto e isto, esta situação não interessa, não se olha para o passado e acabou."
Eu perguntava como conseguiam ser tão frias, e elas respondiam sempre que se apesar das coisas boas o resultado é negativo, então não vale a pena agarrarmo-nos a elas.


- São as três muito próximas...

-
Sim, e elas são muito preocupadas comigo e puxam-me para cima, incentivam-me bastante e são muito queridas... Mas também tento sempre evitar que elas percebam se estou triste ou não, mas nem sempre é possível.


Alexandra Lencastre com as filhas
Alexandra Lencastre com as filhas
João Lima
- E elas são muito diferentes uma da outra?

-
Muito. A Margarida diz que quer ser atriz, o que me faz viver um momento novo e de angústia, pois ainda não tinha começado a pensar nisso, nas opções que ela iria tomar. Sempre quis que aproveitassem ao máximo, fizessem o máximo de atividades extracurriculares e que tivessem imensas armas e experiências diferentes para que pudessem optar pelo que realmente gostam e querem. A Cuca (Catarina) fez uma data de coisas: balé, piano, violino, guitarra, ténis, mas acaba por não fazer nada, pois assim que se sente à vontade em determinada coisa sente-se farta e quer experimentar outra. [risos]


- A adolescência delas é algo que a preocupa?

-
Claro que sim. É uma época muito exacerbada em que tudo é vivido ao limite. Embora o Piet-Hein cumpra com as suas obrigações e esteja com elas de 15 em 15 dias, tem duas meninas pequeninas que exigem imenso e uma empresa recente, por isso, acaba por ter menos tempo para as mais velhas, o que de certa forma me obriga a ter de fazer o papel de pai e mãe. Claro que ele tem toda a confiança em mim, mas sobra-me sempre o papel da má da fita.


Alexandra Lencastre com as filhas
Alexandra Lencastre com as filhas
João Lima
- A preocupação que tem por a Margarida querer ser atriz tem que ver com o lado precário da profissão?

-
Exatamente. Eu sempre quis ser atriz desde criança, ela sempre fez peças de teatro em casa com a irmã, mas sempre soube que esta profissão é de uma enorme exigência e a questão da crítica e do lado público sempre a afligiram muito. Por isso, sempre pensei que seria uma boa razão para ela não investir nesta área. Acho que tem pouca capacidade de sacrifício e, para ser atriz, isso é fundamental. Por muito que tenha dúvidas e fique atormentada, vamos ver até que ponto ela se consegue fortalecer enquanto ser humano e ganhar consistência e solidez nos seus objetivos.


- A maternidade é realmente o seu principal papel?

-
Sem dúvida, mas é também o mais difícil e satisfatório. Quando decidi ser mãe, já não foi muito cedo e escolhi o pai ideal. Fomos de facto muito felizes enquanto estivemos juntos e acho que elas têm imensa sorte, pois foram programadas e muito amadas. Elas sabem que tenho coisas que me ocupam muito, como o meu trabalho, mas elas estão sempre em primeiro lugar. Muitas vezes sentem-se preteridas.


Alexandra Lencastre com as filhas
Alexandra Lencastre com as filhas
João Lima
- Como é que, sendo uma mãe tão dedicada e cuidadosa, explica às suas filhas algumas das coisas que são publicadas na imprensa sobre a sua vida?

-
É difícil, mas agora já lidam melhor com tudo isso. As primeiras recordações que têm em relação a isso são comigo e com o pai, em que conversávamos muito com elas e as tentávamos preparar para o que pudessem ver nas revistas. Sempre lhes expliquei para não levarem nada a peito, nem ligarem às perguntas inconvenientes que por vezes também lhes fazem na escola.


- Quais são os seus desejos para 2011?

-
Para já, só penso em trabalho e família, não quero pensar em mais nada, o que vier será um bónus.


- Esse bónus seria voltar a apaixonar-se?

-
[risos] Se acontecer, estou disponível, até porque sou uma eterna romântica e adoraria que Deus me encaminhasse alguém com quem percorresse os últimos dias da minha vida.


Alexandra Lencastre com as filhas
Alexandra Lencastre com as filhas
João Lima
- Como consegue continuar a ser romântica?

- O amor e o carinho valem tudo. Os meus avós e pais são o exemplo daquilo que gostaria de ter na minha vida, um casamento muito feliz.


- Continua, então, a querer casar-se...

-
Adorava, até porque nunca me casei pela Igreja e, sendo católica, tenho uma grande pena. Às vezes vou-me um bocadinho abaixo e não acredito que possa ser possível, mas depois penso que não posso pensar assim, pois dessa forma já é meio caminho andado para que realmente não aconteça. Também tenho imensos amigos que me têm 'insuflado' de boas energias e palavras generosas e que acreditam em mim, e isso também me dá força. Elas também acreditam, querem imenso que eu encontre alguém e adoravam ir ao meu casamento. Tentam até arranjar-me namorados e já sugeriram apresentar-me pais de colegas que são divorciados. [risos]


- Todas estas dificuldades tornaram-na uma mulher mais forte?
-
É um cliché, mas a verdade é que aprendemos com os erros e cada vez que nos enganamos aprendemos com isso e há sempre qualquer coisa que se reformula e regenera. É a tal coisa: "As árvores morrem de pé" e eu não vou cair.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras