Nas Bancas

Dalila Carmo: "É a altura ideal para parar, ter filhos, escolher uma cidade para viver"

A atriz passou uma manhã às compras na Rua Castilho para ajudar a Ajuda de Berço.

Joana Carreira
3 de janeiro de 2011, 10:33
Dalila Carmo
não assume que seja louca por compras mas reconhece que é consumista, ainda que o marido,
Vasco Machado
, a ache
"desequilibradíssima"
, como nos contou, divertida. Por isso, não foi difícil convencer a atriz a passar uma manhã às compras na Rua Castilho para ajudar a Ajuda de Berço, já que uma percentagem das vendas feitas naquele fim de semana, nomeadamente de chapéus de chuva, reverteu a favor desta associação.


- É daquelas mulheres viciadas em compras?

Dalila Carmo -
Sou um bocadinho consumista. Gosto muito de roupa. Não sou louca por compras... os homens acham sempre que sim, o meu marido acha que eu sou desequilibradíssima, mas eu acho que não sou assim tanto. Depende. Faço umas extravagâncias de vez em quando... E hoje é juntar o útil ao agradável. Tudo o que uma pessoa puder fazer para ajudar... Temos todos a ganhar com essa atitude altruísta.


Dalila Carmo
Dalila Carmo
Paulo Jorge Figueiredo
- Imagino desde que passou a ir tantas vezes a Madrid, onde vive o seu marido...

- Pois é, em Madrid há lojas tão giras que é um problema. Há peças realmente bonitas e eu gosto de ver coisas bonitas, às vezes não tenho de comprar... mas até acho que sou bastante moderada.


- Há quanto tempo anda neste vaivém entre Lisboa e Madrid?

- Há três anos. É a altura ideal para parar, ter filhos, escolher uma cidade para viver. Eu gosto muito de Lisboa, também adoro Madrid... acho que o mais sábio da vida é vivermos um dia de cada vez em certas coisas, vamos orientando, estabelecendo prioridades e objetivos a curto e médio prazo e não criar muitas expectativas, deixar as coisas rolarem.


- Então quer ter filhos para já...

- Já pensámos nisso. Se decidir ter filhos, terei mesmo que optar por uma das cidades. Quero deixar a minha vida pessoal crescer. Neste momento, a minha carreira não é prioridade. Ou as coisas se renovam urgentemente e nós conseguimos dar um salto qualitativo ou a minha tendência vai ser cada vez mais trabalhar espaçadamente e investir o meu tempo de outra maneira, o que tem vindo a acontecer. Acho que estou desiludida, as coisas estagnaram um bocadinho...


Dalila Carmo
Dalila Carmo
Paulo Jorge Figueiredo
- Vai trabalhar menos, é isso?

- Eu gosto de dosear. Não tenho aquela sofreguidão de acumular trabalhos e de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Gosto de fazer uma coisa de cada vez, gosto de desfrutar da minha vida, não consigo estar seis dias por semana a trabalhar durante meses a fio, porque me faltam outras coisas. O trabalho vive da vida e a vida do trabalho e é necessário haver essa respiração, senão, ficamos vazios, as coisas acabam por não ter compensações. E neste momento tenho andado com a ginástica entre Lisboa e Madrid. Portanto, acabei por prejudicar um bocadinho a minha vida profissional, mas neste momento quero construir outras coisas na minha vida.


- O facto de não ter irmãos, de vir de uma família pequena, fá-la desejar ter uma família grande?

- Uma família grande nem pensar. Gostava imenso de ter a capacidade de ter muitos filhos... não sou desorganizada, mas para mim seria o caos. Passo a vida a perguntar às minhas colegas como é que elas conseguem, como é que fazem para ir buscar as crianças depois do trabalho ou estar a gravar com os filhos doentes em casa. Isso para mim é um grande stresse. Eu antecipo uma série de responsabilidades e problemas. É uma opção de vida que exige uma dedicação infinita. A nossa profissão é tão egoísta, os nossos horários, a nossa necessidade de concentração, de silêncio, de espaço... eu, ainda por cima, tenho uma necessidade grande de me resguardar. E como tenho um espaço interior desarrumado - é óbvio que depois há questões práticas e à medida que as coisas nos vão acontecendo na vida, vamos arranjando essa arrumação -, não sei se alguma vez serei uma mãe prática, tenho dúvidas, gostava de sentir que não ia passar o meu stresse para ninguém. E não consigo. Tenho uma personalidade bastante stressada e tenho medo disso.


Dalila Carmo
Dalila Carmo
Paulo Jorge Figueiredo
- Tem um casamento atípico, com o Vasco a viver em Madrid e a Dalila entre cá e lá. É a distância que faz com que resulte?

- Não, não gosto nada da distância, já estou farta dela. Preferia estar com o Vasco num só sítio. Acho que as circunstâncias existem porque a vida assim o exigiu. Cada um tem o seu trabalho longe um do outro, mas já não me faz muito sentido estar a viver longe. Para as coisas crescerem tem de haver uma continuidade e eu vivo uma vida a tracejado, portanto, essa descontinuidade, se tiver alguma consequência, acho que é negativa e não positiva.


- No fundo, tem a família toda espalhada. A sua mãe também vive no Porto... Isso não acaba por vos afastar um pouco?

- Não. No mínimo, falo cinco vezes por dia com a minha mãe ao telefone desde que estou em Lisboa e já cá estou desde 1993. Sinto-a sempre muito perto, estamos sempre perto uma da outra. A minha mãe sabe sempre os meus dias e eu sei sempre os dias dela, partilhamos sempre tudo. Temos uma relação muito cúmplice. E com a minha avó também, o meu padrasto... a minha família é muito pequena e temos uma relação muito bonita. Sempre fomos muito unidos. Tenho uma paixão assolapada pelas duas mulheres da minha família, que são a minha mãe e a minha avó. E desde sempre somos a continuação umas das outras.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras