Nas Bancas

Zulmira Ferreira aos 50 anos: "Adoro ser avó"

Sempre que está junto de Afonso e Catarina Gonçalves, e de Margarida e Manuel Ferreira, netos do marido, Jesualdo Ferreira, a consultora de investimentos confessa que a diversão é garantida.

Joana Carreira
25 de dezembro de 2010, 10:30

Há 25 anos que Zulmira Ferreira segue entusiasticamente o marido, o treinador de futebol Jesualdo Ferreira, até onde a carreira o leva. Habituada a delegar a sua vida para segundo plano em função do bem-estar da sua família, a consultora de investimentos garante que essa opção continua a ser a correta, até porque acredita que a longevidade de uma relação depende também de alguns sacrifícios. Orgulhosa do caminho que tem percorrido, sempre com o apoio do filho, Eduardo, de 30 anos, mas também das filhas do treinador, Raquel Gonçalves, de 36 anos, e Cláudia Ferreira, de 34, a consultora garante ser feliz.
Poucos dias depois de ter sabido que iria para a Grécia, onde o marido está já a treinar o Panathinaikos, Zulmira conversou com a CARAS e deixou-se fotografar com Afonso e Catarina Gonçalves, de nove e quatro anos, respetivamente, e Margarida e Manuel Ferreira, de oito e quatro, netos de Jesualdo.

- Na última entrevista que deu à CARAS, estava de partida para Málaga. Agora, está a caminho da Grécia...
Zulmira Ferreira - Tem sido tudo muito a correr. No espaço de três dias, altura em que tínhamos acabado de chegar a Lisboa, tudo mudou novamente. Nem chegámos a desfazer as malas. [risos] O Manuel [assim trata o marido] já foi, eu só vou depois da passagem de ano. Esta é uma fase de adaptação para ele, com jogos constantes, e não vou estar a preocupá-lo, para já, com a logística que implica fazermos vida lá. O melhor é ele estar sozinho e devidamente concentrado. Claro que tenho muitas saudades, mas ele vai estar cá no Natal e aí também teremos tempo para conversar sobre a melhor forma de estarmos em Atenas.

- Foi uma decisão tomada a dois?
- É sempre. O Manuel nunca toma nenhuma decisão sozinho e conversamos sempre muito. Desta vez, foi com muita calma que ele me abordou, para uma eventual saída do País, por ter sido algo em muito pouco tempo. Assim que o vi tão entusiasmado e até já dedicado ao novo projeto, dei-lhe a maior força. Aliás, fazemos reuniões familiares sempre que há uma decisão destas para tomar.

- Para si, o entusiasmo do Jesualdo é suficiente para, de certa forma, se delegar para segundo plano?
- Claro que sim. O que seria se eu não lhe desse força, ou não o apoiasse?! Tenho a certeza que ele não deixava de ir, mas ficaria com certeza de outra forma e nem sequer se conseguiria concentrar devidamente no seu trabalho. Para ele, embora não pareça, a família é muito importante e todas estas ausências familiares lhe custam imenso. Estar longe dos netos é doloroso, pois não os vê crescer e não está atento às suas mudanças como gostaria.

Zulmira Ferreira com os netos
Zulmira Ferreira com os netos
Nuno Miguel Sousa
- Esse seu apoio pode ser considerado como uma prova de amor constante...

-
Mas isso é que faz uma relação funcionar ou não. No nosso caso, felizmente, tem funcionado muito bem, exatamente por isso, porque há um equilíbrio entre nós, muito apoio e ajuda.


- Já passaram duas décadas... Têm sido anos com mais altos ou mais baixos?

-
A nossa relação é feita maioritariamente de altos e esses fazem parte dos segredos que não se podem revelar. [risos]


- Alguma vez pensou que se não apoiasse tão facilmente as decisões do seu marido, poderiam já estar numa fase mais tranquila e dedicados um ao outro?

-
Eu gostava muito. Era uma alegria muito grande que ele me dava se isso acontecesse, mas o Manuel só se sente bem a trabalhar e não faz parte dos horizontes dele ficar em casa. Como ele diz habitualmente, uma semana depois de estar em casa sem trabalhar já começa a sentir o cheiro da relva. [risos] E eu estou bem vendo a felicidade dele.


- E como é a sua relação com as filhas do Jesualdo?

-
Conheci-as em pequenas, cresceram comigo e somos muito cúmplices, confidentes e amigas. Aliás, estamos mais vezes as três e conversamos mais umas com as outras do que propriamente o pai com elas.


Zulmira Ferreira com os netos
Zulmira Ferreira com os netos
Nuno Miguel Sousa
- Elas sempre aceitaram a vossa relação?

-
Sempre e queriam mesmo que o pai refizesse a vida dele. Somos uma família muito bonita e tenho muito orgulho em todos.


- E a sua relação com os filhos delas?

-
Sou uma grande amiga e veem em mim uma outra avó, aliás, tratam-me por avó Zulmira.


- Não sendo seus netos biológicos, sente-os como se fossem seus e com certeza que adora ser avó...

-
Mesmo. Adoro ser avó e que me tratem como tal, aliás, quanto mais, melhor. [risos] Faço tudo o que os avós fazem, sou mais condescendente do que fui enquanto mãe e faço-lhes as vontades todas e mais algumas. [risos]


- Parece ser uma avó muito dedicada e orgulhosa...

-
É verdade, eles fazem as suas traquinices, mas são meninos muito bem educados, bem formados e independentes, o que acho fantástico... Mas também tenho muito orgulho nas minhas enteadas, eles são o reflexo do que elas são.


Zulmira Ferreira
Zulmira Ferreira
Nuno Miguel Sousa
- Como será o vosso Natal?

-
Como todos os anos: em família. Temos uma família numerosa, especialmente do lado do meu marido, e o Natal é sempre uma animação, com muito barulho, muita alegria...


- Será também o primeiro Natal sem o seu pai...

-
Estou-me a preparar para isso, até porque esta é uma altura que me deixa sempre muito deprimida e com certeza que este ano ainda vai ser mais difícil. Mas tenho a certeza que o meu pai vai estar presente...


- Tem sido complicado?

-
Muito, por mim e pela minha mãe, pois tenho de a apoiar muito.


- Agora vão ficar afastadas?

-
Em Espanha ela esteve comigo e agora quero ver se a levo para a Grécia, tenho a certeza de que vai gostar. Até ela já está habituada a ter as malas feitas. [risos]


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras