Nas Bancas

Maria e Salvador Sottomayor falam da família feliz que construíram

O casal aguarda o nascimento de Francisco, que vai fazer companhia a Vasco, António e Duarte.

Joana Carreira
25 de dezembro de 2010, 16:29

Maria e Salvador Sottomayor sempre quiseram ter uma família numerosa e agora, que estão à espera do quarto filho, esse desejo torna-se realidade. Pais de Duarte, de oito anos, de António, de seis, de Vasco, de quatro, e brevemente de Francisco, que vai nascer entre o final deste mês e o início de janeiro, o comandante da TAP e a advogada conseguem ser educadores muito presentes, o que têm conciliado na perfeição com os seus papéis profissionais.
O casal e os filhos passaram um fim de semana na Pousada de Évora, Convento dos Loios, onde partilharam com a CARAS como é que se estão a preparar enquanto família para a chegada de mais um rapaz.

- Falta pouquíssimo tempo para conhecerem finalmente o vosso quarto filho. Como tem corrido esta gravidez?
Maria Sottomayor - Tem corrido lindamente. O que está a ser mais engraçado nesta gravidez é ver que os irmãos estão a vivê-la imenso, muito mais do que a do Vasco, porque, nessa altura, eles eram muito pequenos. E todos os dias me perguntam: "Mas quando é que ele nasce?" Eles estão a viver tudo como se fosse o primeiro irmão.
Salvador Sottomayor - E eles sempre quiseram mais um irmão. Nem concebiam a hipótese de ter uma irmã, porque ia estragar todo o esquema lá de casa. Queriam era mais um parceiro.

Maria e Salvador Sottomayor com os filhos
Maria e Salvador Sottomayor com os filhos
Nuno Miguel Sousa
- E também já há um nome para o bebé...

Maria
- Sim, vai chamar-se Francisco e foram os nossos filhos a desempatarem. Os dias estavam a passar e ainda não tínhamos nome para o bebé, porque falou-se em várias possibilidades. E às tantas, eles disseram:
"Vai ser Francisco."
Não há primos direitos com esse nome, gostámos e achámos ternurento o facto de eles terem participado na escolha do nome do irmão.


- O Salvador não tem pena de não ser pai de uma menina?

Salvador
- Não sei... Pode-ríamos ter tido meninas, mas agora não concebo viver sem estes rapazes. Claro que se viesse uma rapariga, eu iria gostar à mesma, mas não sinto falta nenhuma de ser pai de uma menina. E de certeza que, daqui a uns tempos, vamos ter a casa cheia delas.


- Uma casa com três crian-ças deve ser sempre uma animação...

Maria
- É mesmo uma animação, porque eles, desde o momento em que acordam até se irem deitar, não estão quietos um segundo. Estão sempre a correr de um lado para o outro ou a fazer birras... Mas é engraçado ver a relação que têm entre eles. Como têm idades próximas, e como são rapazes, gostam do mesmo tipo de brincadeiras. E o mais aconselhável quando eles estão em casa o dia inteiro é levá-los para a rua para correrem e brincarem à vontade e gastarem toda a sua energia.


Maria e Salvador Sottomayor
Maria e Salvador Sottomayor
Nuno Miguel Sousa
- Sempre quiseram ter uma família numerosa?

Salvador
- Sim. Eu sou o mais velho de sete irmãos e, comparando com o exemplo dos meus pais, ainda estou longe dessa meta. Mas em número de rapazes já os consegui ultrapassar, porque os meus pais só tiveram três. Sempre tive a casa cheia de gente...


- Mas também deve ser mais
complicado gerir uma família numerosa do que um núcleo familiar mais pequeno...

Maria
- O facto de termos mais do que um filho, depois mais do que dois e agora mais do que três, não aumenta o tempo que temos disponível para eles. A forma de gostar de cada um deles é ilimitada e penso que conseguimos transmitir-lhes isso. E uma família com vários irmãos tem outra vantagem: para além de aprenderem com os pais, aprendem uns com os outros. E são mais solidários, sabem que têm de dividir as coisas. Quando temos uma família numerosa, aprendemos a separar o que é essencial daquilo que é acessório. Eles sabem que vão ouvir 'não' em relação a muitas coisas que pedem, mas também percebem que não é por isso que os pais gostam menos deles. Claro que, ao termos mais filhos, é mais difícil controlá-los...

Salvador
- E nós também vamos aprendendo com eles. Quantos mais irmãos eles têm, mais independentes se tornam dos pais. Assim, divertem-se uns com os outros e até fica mais fácil para nós, porque os mais velhos já nos ajudam com os mais pequenos.


- Agora que estão à espera do quarto filho, sentem que são pais muito diferentes daqueles que esperaram o primeiro ou o segundo?

- Sim, sem dúvida. Lembro-me que durante a primeira gravidez estávamos preocupados com tudo! Agora, já achamos tudo natural. Já não nos preocupamos da mesma maneira.

Maria
- E também aprendemos a simplificar. Por exemplo, nas férias, quando tínhamos apenas um filho, íamos muito mais carregados, porque achávamos que tudo ia fazer falta. Levávamos mesmo a casa às costas. Agora, levamos o essencial e lidamos com as coisas de uma maneira muito mais natural.

Salvador
- Com o primeiro filho, passávamos a vida no hospital, porque tudo o que fosse acima de 37,5 graus de febre era motivo de urgência. [risos] Como em tudo na vida, a experiência ajuda-nos a facilitar.


Os filhos de Maria e Salvador Sottomayor
Os filhos de Maria e Salvador Sottomayor
Nuno Miguel Sousa
- A Maria é o exemplo per-feito de como é que se pode conciliar uma carreira exigente com uma família numerosa. Contudo, acredito que arranjar esse equilíbrio entre a vida familiar e profissional não deva ser fácil...

Maria
- Não é muito fácil... O principal é aproveitar ao máximo o tempo que se tem com os filhos. E não seria pelo facto de ter mais tempo livre para estar com eles que seria uma melhor mãe. Eu sei que tenho uma vida exigente, ando sempre a correr de um lado para o outro, mas até agora tenho conseguido equilibrar tudo. Durante a semana tenho um trabalho muito absorvente e não consigo chegar muito cedo... Tenho essa rotina, com pouco tempo durante a semana, mas depois tenho o fim de semana só para eles. Com o Salvador passa-se o oposto, porque não tem um trabalho com horários certos ou rotinas. E assim tem a possibilidade de fazer durante a semana aquilo que muitos pais não conseguem, que é levá-los ao cinema, jogar à bola...


- Até nisso a Maria e o Salvador se complementam...

- Sim, somos uma equipa.

Salvador
- Fomos nós que os quisemos e por isso temos de os 'aturar', o que fazemos com muito gosto. Hoje todos nos perguntam:
"Mas por que é que vão ter mais um filho?"
Acho que é uma forma de egoísmo não se querer ter filhos. Eles são a nossa imortalidade. E podermos partilhar as coisas com eles é tão bom, que todo o trabalho que temos acaba por ser compensado.

Maria
- E são uma fonte de juventude.

Salvador
- E Portugal precisa de crianças. Nós já contribuímos com a nossa parte...


- E há espaço para continuarem a ser um casal?

- Há, porque nos organizamos muito bem. A minha profissão obriga-me a fazer
checklists
e temos tudo dividido. Preciso de ter tempo para o trabalho, para a minha mulher, para os meus filhos... Tenho o meu planeamento.

Maria
- É ótimo viver entre crianças, mas também temos necessidades de adultos, como ir ao cinema, ao teatro, viajar... Claro que não é fácil, mas, mais uma vez, o segredo é flexibilidade e simplicidade. Temos de fazer uma lista de prioridades e gerir o dia-a-dia sem grandes complicações. Os filhos são a parte mais essencial da nossa vida, mas também não podemos perder a nossa identidade enquanto adultos.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras