Nas Bancas

João Espírito Santo e Mariana Seabra apresentam a filha, Leonor, de um ano

João e Mariana queriam fazer a festa do seu casamento no Palácio do Freixo, mas as obras de recuperação ainda estavam a decorrer. Agora, a convite da CARAS, passaram ali um fim de semana.

Andreia Guerreiro
25 de dezembro de 2010, 13:25

Quando se conheceram, tinham ambos 18 anos, no primeiro ano da faculdade, a empatia não foi imediata. Na verdade, até ao penúltimo ano do curso de Medicina Dentária, João Espírito Santo e Mariana Seabra frequentaram as aulas sem grande contacto. Até que, com o charme e a personalidade extrovertida que todos lhe reconhecem, João conseguiu aproximar-se de Mariana e, aos poucos, criaram uma amizade que acabou por dar lugar ao namoro e, cinco anos depois, em 2008, resultou em casamento. Pode não ser a história de amor mais óbvia, mas é fundamentada e tem alicerces fortes. Com personalidades diferentes, dizem que se complementam, pois o que um tem de emocional, o outro tem de racional. Hoje, com 30 anos, têm uma filha de um ano, Leonor, e uma carreira como poucos na sua idade. Juntos, criaram e gerem o Medical Art Center, na Foz, dão aulas na Universidade Católica em Viseu e, no caso de João, especialista em Implantologia, ainda é chefe de serviço no Hospital de Guimarães. João participou ainda no programa do Porto Canal Quem te Viu e Quem te Vê, ao lado do cirurgião Serafim Ribeirinho Soares, renovando os dentes dos participantes.

Cheios de planos, profissionais e pessoais, Mariana Seabra e João Espírito Santo sentem-se realizados no dia-a-dia e felizes com as opções que fizeram. Apesar da carreira ter um papel preponderante na sua vida, é na família que ambos se concentram e projetam o futuro. Ansiosos por dar a Leonor mais dois irmãos, conseguem, com a ajuda dos pais e avós, cumprir com as obrigações profissionais, que são cada vez maiores.


Mariana Seabra com a filha, Leonor
Mariana Seabra com a filha, Leonor
Joaquim Norte de Sousa
-
Estão casados há dois anos e têm uma filha em comum. Numa altura em que se estão a impor profissionalmente e as exigências são grandes, conseguem ter tempo para a família?

João -
Quando nos casámos, em 2008, planeámos ter logo um filho, o que aconteceu um ano depois. Eu e a Mariana temos um projeto de vida comum em que a família é a base. Profissionalmente, queremos ser os melhores e ter sucesso, mas isso não se pode repercutir na nossa vida familiar. Estamos conscientes de que abdicamos de algumas coisas para nos dedicarmos à família, mas foi uma opção. Juntos, optámos por partilhar e criar em conjunto, e já temos um "bem" comum, a Leonor.


- Além disso, também partilham a profissão e a clínica. É fácil trabalharem juntos?

- Adoro trabalhar com a Mariana, mas raramente nos cruzamos, porque temos outras atividades. Nos dias em que ela está na clínica, eu tenho de dar aulas ou estou de serviço em Guimarães, e quando estou eu na clínica, ela vai para Viseu dar aulas. Mas é ótimo termos a mesma profissão, porque a linguagem é a mesma. Confesso que sou
workaholic
e quando começo a falar de trabalho em casa a Mariana impõe limites!


João Espírito Santo e Mariana Seabra com a filha, Leonor
João Espírito Santo e Mariana Seabra com a filha, Leonor
Joaquim Norte de Sousa
- Com tantas responsabilidades, contam com a ajuda da família para tomar conta da Leonor? Como é o dia-a-dia?

- Desde que nos casámos que estabelecemos algumas regras. O que se levanta mais cedo deixa o pequeno-almoço ao outro na cama. Fazemos questão de manter as nossas rotinas e não deixamos que o trabalho interfira com a harmonia familiar. Quando temos de sair mais cedo de casa ou chegamos mais tarde, contamos com a ajuda preciosa dos avós. E ainda temos uma tia-avó, a tia
, e as bisavós,
Laura
e
Estela
, que educam a Leonor à maneira antiga. No outro dia a nossa filha começou a cantar
A Galinha Põe o Ovo
... foram elas que lhe ensinaram.


João Espírito Santo e Mariana Seabra
João Espírito Santo e Mariana Seabra
Joaquim Norte de Sousa
-
Com quem é parecida a Leonor?

Mariana
- Sai ao pai. É extrovertida, simpática e bem-disposta.


-
E como é o João como pai?

João -
Um pai babado! Gosto muito destes dois papéis: ser pai e marido. A Leonor é a única pessoa que me desestabiliza completamente. Mas não me importo.


-
Estão casados há dois anos, mas quando se conheceram nada faria supor que seria este o vosso destino. Quando é que, de meros colegas de faculdade, se tornaram amigos e depois namorados?

- A verdade é que, quando nos conhecemos na faculdade - e ainda hoje me lembro da roupa que a Mariana usava -, não nos identificámos. Cada um tinha o seu grupo de amigos, e foi só no penúltimo ano do curso em que nos aproximámos e nasceu a amizade. No final do curso começámos a namorar, e foi especial, porque não foi imediato. Entretanto fui para Santiago de Compostela fazer a especialidade e a Mariana ficou no Porto a fazer o mestrado em Odontopediatria. Cada um tinha o seu caminho, mas um objetivo comum. A Mariana foi crucial em muitos momentos da minha vida e é o meu porto de abrigo. É uma pessoa reservada, astuta e determinada. É a minha companheira para a vida e ajuda-me a ser melhor.


João Espírito Santo e Mariana Seabra
João Espírito Santo e Mariana Seabra
Joaquim Norte de Sousa
- E o João, como é?

Mariana -
Ele adora trabalhar e estar com os amigos. É extrovertido, alegre e comunicativo. Preserva muito a família e é bastante criativo.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras