Nas Bancas

António Pinto Basto garante: "Os meus filhos são o que mais me preenche"

Foi junto dos filhos mais novos, Carlota e António, pois os mais velhos não puderam estar presentes, que o fadista confessou que, apesar de separado, jamais deixa de acreditar no amor.

Andreia Guerreiro
24 de dezembro de 2010, 16:34

Ternura e cumplicidade são as palavras que melhor definem a relação de António Pinto Basto com os filhos, Egas, de 22 anos, Gustavo, de 20, Amélia, de 18, fruto do seu casamento com Amélia Esparteiro, e Carlota, de quatro anos, e António, de três, filhos de Mariana Oliveira, de quem se separou há mais de dois anos.

Nesta entrevista, em que os filhos mais velhos não puderam estar presentes e que teve por pretexto o Natal, o fadista conta que a idade o tem tornado um pai mais permissivo e presente e que os filhos são fundamentais para o seu bem-estar. António garantiu ainda que, apesar de separado, continua a acreditar no amor.


António e Carlota
António e Carlota
João Lima
- Está separado desde setembro de 2008. Foi uma decisão pacífica?
António Pinto Basto -
Foi arrastada, mas pacífica.

- E a sua relação com a Carlota e o António saiu 'beliscada'?
-
Não melhorou nem piorou, a única coisa que mudou é que estamos menos tempo juntos do que aquilo que gostaríamos.


- Mas percebe-se que é um pai dedicado e atencioso...
-
Sim... Gosto imenso de estar com eles e vibram imenso quando estamos juntos. Claro que seria melhor se estivéssemos juntos mais assiduamente, mas não pode ser. O combinado é estar com eles de 15 em 15 dias, mas claro que há liberdade para que não cumpramos isso à risca. O facto de estar a viver em Alcochete também acaba, de certa forma, por prejudicar, pois se vivesse em Lisboa tornar-se-ia mais fácil.


António e Carlota
António e Carlota
João Lima
- Mas hoje em dia acaba por ter mais disponibilidade para eles do que teve para os seus filhos mais velhos?
-
Claro que sim, até porque nessa altura estava mais envolvido na minha profissão. Porém, com os outros, como morávamos juntos, estava mais tempo com eles. Acaba por ficar equilibrado. [risos] O que muda é que quando estou com os meus filhos mais novos, estou totalmente dedicado a eles, até porque, com a idade que têm, não há como fazer qualquer outra coisa.


- E como é estar sozinho com eles?
-
Quando estou com os dois nem sempre é fácil, quando estou só com um é mais simples e menos stressante. Só na altura em que dormem a sesta é que tenho tempo para fazer alguma coisa. [risos]


- Quais as maiores diferenças entre o pai que foi com os seus filhos mais velhos e o que é atualmente?
-
Tenho mais paciência e menos noção de posse. Muitas vezes os pais mais novos acham que são donos dos filhos e com estes já tenho essa síndrome ultrapassada. Julgo que já não sou tão severo e brusco como fui provavelmente com os mais velhos.


António e Carlota
António e Carlota
João Lima
- Considera, então, que agora é um pai mais permissivo...
-
Sem dúvida alguma.


- O facto de estar separado das mães dos seus filhos entristece-o enquanto pai?
-
Claro que sim. Nunca me tinha passado pela cabeça sequer, há dez anos, que me iria divorciar e depois, quando me juntei com a Mariana, também não pensei que fosse acabar, mas a vida prega-nos destas partidas e temos de saber lidar com elas.


- Consegue ter uma relação cordial com ambas?
- Muito normal, tenho feito por isso. A Amélia contribui bastante para que mantenhamos as melhores relações, o que é muito melhor para os nossos filhos, e a Mariana também.


- Ser pai é o que realmente o preenche?
-
Sim. Desde o Egas, o mais velho, passou a ser o que mais me preenche e me dá razão de viver e até de me manter mais entusiasmado com tudo o que me rodeia.


António e Carlota
António e Carlota
João Lima
- E os seus filhos mais velhos não 'ocupam', de certa forma, o papel de pais dos mais novos?
-
Muitas vezes, quando estão com eles, dão instruções e educam-nos do seu ponto de vista. Vou deixando, porque acho graça. Ainda para mais, os mais velhos estudaram no Colégio Militar, tiveram uma instrução rígida e já tentam passar alguns dos valores que aprenderam aos mais novos.


- O que tem estipulado em relação aos seus filhos no Natal?
-
Habitualmente, passam a consoada com as respetivas mães e o dia 25 comigo. É bom, porque consigo reunir a família toda no mesmo dia, incluindo as minhas irmãs, sobrinhos e sobrinhos-netos.


- É uma época de que gosta?
-
Sim... Claro que as crianças ajudam, e faço questão de decorar a casa a rigor e até procuro fazê-lo sempre com eles nos primeiros dias de dezembro.


- E cozinha?
-
Claro que sim, nos últimos anos tenho aprendido a fazê-lo. Tive de me desenrascar, hoje em dia até funciona quase como
hobby.
[risos] Julgo que até as tarefas que partilho em casa com os meus filhos, quando eles estão presentes, é uma materialização do amor.


António Pinto Basto com os filhos mais novos
António Pinto Basto com os filhos mais novos
João Lima
- O António esteve a maior parte da sua vida acompanhado. Agora que vive sozinho, não tem medo da solidão?
-
Já tive mais. Neste último ano habituei-me a estar sozinho, a descobrir as virtudes da solidão e já me sinto mais adaptado.


- E que virtudes são essas?
-
É um pouco não ter de dar satisfações a ninguém. Mas o contrário também é muito bom... Basicamente, uma pessoa tem de se adaptar ao que tem de ser. A questão é a pessoa não sentir necessidade de andar doentiamente à procura de uma companhia. Se aparecer, ótimo, é uma mais-valia, se não, tudo bem.


- E agora, está sozinho ou acompanhado?
-
Aquilo que posso dizer é que não tenho nenhuma relação dita de compromisso e jamais estou de porta fechada para o amor. Até porque acho que as pessoas que se casam cinco, seis e sete vezes são as que mais acreditam no casamento e no amor.


António Pinto Basto com os filhos mais novos
António Pinto Basto com os filhos mais novos
João Lima
- A vantagem de estar sozinho não é também isso, ter a possibilidade de ter alguém sem um compromisso?
-
Já fui mais aventureiro, até em alturas que não o deveria ter sido. [risos]


- Como pai atento que diz ser, com certeza a opinião dos seus filhos será primordial para uma próxima relação mais séria?
-
Claro, quem quer que seja, terá de saber que os meus filhos estarão sempre em primeiro lugar. Julgo que nestas situações o difícil é lidar com o facto de quem entra na nossa vida achar que vai ocupar de imediato o primeiro lugar.


- Mas uma opinião negativa deles poderia impedi-lo de dar continuidade a uma relação?
-
Nunca pensei nisso, pois nunca aconteceu. Nas poucas experiências que tive, não o notei. Não terá sido por aí que ainda não aconteceu a minha união de facto. [risos]


António Pinto Basto com os filhos mais novos
António Pinto Basto com os filhos mais novos
João Lima
- É um homem apaixonado?

-
Sinto que já fui mais 'pinga-amor' do que sou atualmente. Os meus amigos até costumavam dizer que me apaixonava com muita facilidade. [risos] Ainda sou muito romântico e deixo-me ligar muito pelas emoções e não por aquilo que convém, pois se assim não fosse já teria, com certeza, descoberto alguém com quem estaria bem, a ter uma vida equilibrada e convencional.


- Essa sensibilidade emocional terá que ver com o facto de ser fadista?
-
Provavelmente, pois quando canto lido muito com os sentimentos.


- Acabou de lançar o álbum Prata da Casa, em que todos os temas são assinados por um Pinto Basto. Deve ser muito bom mostrar o trabalho da sua família...
-
O meu filho Gustavo é autor de duas músicas e de uma letra, outras são do meu avô, de um tio e de uma tia. A ideia era compilar todos esses temas, daí o nome. O Gustavo está muito ligado à música, o Egas também gosta de cantar e no António já se nota um certo ritmo.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras