Nas Bancas

Bárbara e Kiki, filhas de António Feio: "Não queremos que esqueçam o nosso pai"

"O meu pai começou a preocupar-se muito mais connosco e tornou-se mais presente para muitas pessoas." (Bárbara)

Andreia Guerreiro
18 de dezembro de 2010, 11:31

Bárbara, de 34 anos, e Kiki Gonzalez Feio, como Catarina é conhecida, de 31, preparam-se para viver um Natal diferente. Pela primeira vez, as filhas mais velhas de António Feio vão passar esta quadra festiva sem o pai, que morreu a 29 de julho, mas já com a presença de Dinis, filho de Bárbara, que nasceu a 13 de maio.
Durante estes quatro meses, a designer de moda e a cantora têm tentado conciliar da melhor maneira possível a necessidade de viverem o seu luto na privacidade da família com aquela que acreditam ser a vontade do pai: perpetuar a sua memória, não deixando cair no esquecimento o legado pessoal e profissional que deixou ao público português.

António Feio com as fihas
António Feio com as fihas
CARAS
Numa conversa franca, Bárbara e Kiki falaram com a CARAS de perda e de saudade, mas também de esperança e de memórias que permanecem muito para além da morte.


- O Natal está a chegar. Sempre viveram esta época com entusiasmo?
Bárbara Gonzalez Feio
- Dou muita importância a esta época. Nos últimos anos comecei a perder mais aquela magia dos presentes e passei a ligar muito mais ao lado familiar e do convívio. Andamos cada vez mais ocupados e é um pretexto ótimo para estarmos com a família, que, no nosso caso, é grande, especialmente do lado do meu pai, que é, como ele gostava de dizer, uma espécie de família cigana. E este ano vai ter um sabor especial, porque há o pequenino! E, por isso, as coisas vão ter outra emoção.


- Para além de ser o primeiro Natal do Dinis, também é o primeiro que vão passar sem o vosso pai...

Kiki Gonzalez Feio
- O pai vai fazer, naturalmente, muita falta. Claro que, nas celebrações que fizermos em casa da minha mãe e de outros familiares, o Dinis vai ser o grande protagonista e vai compensar um bocadinho as coisas menos boas. Não é que substitua ninguém, porque as pessoas são insubstituíveis, mas, pelo menos, vai compensar em termos de atenção.


Bárbara e Kiki, filhas de António Feio
Bárbara e Kiki, filhas de António Feio
Nuno Miguel Sousa
- O vosso pai teve pouco tempo para conviver com o Dinis...

Bárbara
- Foi uma experiência que durou pouco tempo, mas foi muito intensa. Foram apenas dois meses e meio, mas foram aproveitados ao minuto, até pela urgência que tínhamos. Ele tinha muito o sonho de ser avô, que eu só soube, aliás, quando já estava grávida. O meu pai ficou muito mais voltado para a família e para os verdadeiros afetos e o neto foi um ótimo pólo para canalizar aquelas boas coisas que no meio da doença ele também sentia. Isso foi muito positivo. Se as pessoas imaginassem a relação intensa que eles tinham... Foi uma coisa muito querida e ternurenta.


- Acham que tudo o que o vosso pai passou nestes últimos tempos o mudaram muito?

- A doença ajudou-o a fazer uma retrospetiva da vida e, à medida que o tempo ia passando, ponderou tudo o que tinha feito de positivo, de negativo e quis, à maneira dele, emendar algumas coisas e aproveitar bem situações e pessoas como não tinha feito no passado. E isso tornou-o um homem diferente. O que eu acho é que o meu pai começou a preocupar-se muito mais connosco e tornou-se mais presente para muitas pessoas. Tornou-se mais sensível. A doença começou a mexer com algumas emoções que lhe tiravam aquela capa dura que ele teve estes anos todos.


Kiki e Bárbara, filhas de António Feio
Kiki e Bárbara, filhas de António Feio
Nuno Miguel Sousa
- A crescente debilidade da saúde do vosso pai ajudou-vos a prepararem-se para o desfecho?

Kiki
- Bem, tenho de responder de duas maneiras. Por um lado, nada nos prepara efetivamente para a gestão dos sentimentos, da saudade e da solidão. Por outro, sinto que a maioria dos portugueses teve um choque maior com o acontecimento naqueles dias do que nós. No último mês da doença, fomos bastante reservados e nas últimas semanas já estávamos à espera do que acabou por acontecer. Só queríamos que fosse o mais pacífico possível, e foi.

Bárbara
- É verdade. O meu pai sabia, desde o início, da situação gravíssima dele. Sabia ele e sabíamos nós. O que eu acho fantástico é ver a maneira como ele encarou a doença, mesmo não estando otimista em relação ao caso dele. Ele nunca entregou os pontos até ao último dia, mas é incrível como num caso em que temos quase a certeza de que não vamos vencer, o ser humano ainda arranja coragem para deixar o seu exemplo e ajudar outras pessoas. Ele queria que as pessoas aproveitassem uma situação adversa para construírem qualquer coisa positiva.


- Como é que os vossos irmãos mais novos, a Sara, de 26 anos, e o Filipe, de 18, estão a lidar com esta nova fase das vossas vidas?


Kiki
- Penso que a gestão de tudo isto tem sido bem conseguida. Não creio que nenhum de nós esteja desamparado, sem apoio ou que esteja a ser mais complicado para um do que para os outros. Mas, devido às nossas idades, há coisas que afetam mais o Filipe, outras a Sara e outras a mim e à Bárbara. A Sara e o Filipe são muito mais resguardados e mais dificilmente vão conversar sobre isto com a imprensa, e nós respeitamos isso. Em relação à saudade, a experiência é bastante semelhante. Nós os quatro vivemos muito o nosso pai. Aproveitámos bem o tempo que passámos com ele.


Kiki e Bárbara, filhas de António Feio
Kiki e Bárbara, filhas de António Feio
Nuno Miguel Sousa
- Não deve ser fácil equilibrar a necessidade de viverem o vosso luto em privado com a obrigação que sentem em perpetuar a memória do vosso pai...

Bárbara
- Temos de perceber o que é mais importante para nós. Vejo o perpetuar da memória do meu pai como uma missão e fico mais feliz e de consciência tranquila a fazer aquilo que acho que ele queria que tivéssemos feito. É mais importante perpetuar o nome do nosso pai do que guardarmos as emoções só para nós. Não tenho problema nenhum em falar do meu pai e penso nele em grande parte do meu dia, com saudade, mas também com um lado positivo e com um objetivo por cumprir.


- O seu pai morreu no seu dia de anos... Transtornou-a ou acabou por ver aí algo simbólico?

- Já me passaram várias coisas pela cabeça... Não sei se é por ter um pensamento mais otimista, em que tento sempre ver o lado bonito da vida, mas penso que o meu pai quis esperar pelas onze e tal da noite do dia dos meus anos para finalmente serenar. E há muitos anos esse mesmo dia foi muito especial para ele, porque foi pai pela primeira vez. Se calhar, o dia 29 de julho estava destinado a acontecimentos muito importantes na vida dele. Não vi isso como uma coisa negativa... O meu pai quer ser festejado e, por isso, vamos fazer grandes festas no meu dia de anos, para celebrar o meu aniversário e o dia em que ele serenou. Tento ver as coisas assim.


- Sentem que agora têm um legado para continuar?

Kiki
- Sim. Eu agradeço a Deus o facto de não ser atriz, porque iria ser uma responsabilidade ainda maior, iria ser sempre comparada ao meu pai e dificilmente seria melhor do que ele! Graças a Deus que não vai haver comparações desse tipo, porque eu e a Bárbara estamos no meio artístico, mas de maneira diferente. Há uma responsabilidade para honrarmos o nome do pai e todas as coisas que ele conquistou para nós.

Bárbara
- Tudo o que estiver ao nosso alcance para preservar o nome do meu pai, fá-lo-emos. É pensar: se o meu pai aqui estivesse, o que é que ele gostaria de fazer? Sobretudo em relação a todos os objetos e coisas que ele deixou, que tenho a certeza que ele gostava que partilhássemos com o seu público. Mas tudo isto tem de ser feito no seu tempo e respeitando também o nosso luto. Não queremos que esqueçam o nosso pai. O importante é tentarmos que o seu nome continue presente e que o seu exemplo e mensagem sejam eternos. Ele vai continuar sempre vivo no meu coração.


Kiki e Bárbara, filhas de António Feio
Kiki e Bárbara, filhas de António Feio
Nuno Miguel Sousa
- Durante o período da doença do vosso pai, viveram muito para ele. Agora que começam a apostar mais em vocês, quais são os projetos que querem desenvolver?
Kiki
- Neste momento, eu estou a trabalhar para um álbum de originais, em nome pessoal. Convidei alguns nomes importantes da música portuguesa, já fiz algumas maquetas... É importante termos um disco para mostrarmos quem somos enquanto artistas. Depois, quero ir para os concertos.

Bárbara
- Eu tenho a minha marca de pronto a vestir de edições limitadas, a Bmounti. Vi que fazia falta roupa que não fosse massificada, mas que não tivesse preços exorbitantes. O que acabou por acontecer foi que, poucos meses depois da marca começar, o meu pai ficou doente e eu canalizei a minha energia para ele... E voltaria a fazer tudo. Agora que infelizmente ele já não está cá, voltei a pegar nos meus projetos mais a sério, figurinos para teatro, televisão,
styling
para bandas e estamos a iniciar a consultoria de imagem. Acho que tenho algum jeito para me dedicar às pessoas, e tento dar um bocado de mim nas áreas em que vou sabendo alguma coisa.


- Tem sido fácil porem em prática as palavras do vosso pai, de não deixarem nada por viver ou dizer?

- O melhor que podemos fazer é ver a vida de forma positiva. E nós aproveitámos tudo até à última nesta situação, que tinha dia e hora marcados... No meu dia-a-dia não sei se consigo fazer sempre isso, mas esforço-me e espero não desapontar o meu pai.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras