Nas Bancas

Alexandra e Serafim Ribeirinho Soares: "Hoje temos uma casa cheia de alegria"

Em exclusivo para a CARAS, o casal conta como foram os dois primeiros meses da filha e antecipa o Natal.

Joana Carreira
15 de dezembro de 2010, 20:31

Este ano, o Natal de Alexandra e Serafim Ribeirinho Soares vai ser especial. Com o nascimento da filha, Alexandra, há dois meses, a rotina do casal sofreu algumas alterações, mas nada que lhes retire o sorriso do rosto. Visivelmente feliz, a relações-públicas ganhou um brilho especial e tem-se revelado exímia no papel de mãe. Quem o diz é o marido, que a sente mais realizada e plena com a maternidade. Seguros da opção que fizeram após dez anos de casamento, Alexandra e Serafim têm, agora, "uma vida muito mais preenchida e a casa cheia de alegria". Apoiados pelos amigos e pelos filhos mais velhos do cirurgião plástico, João, de 24 anos, e Luís, de 16, formam uma família feliz e que usufrui de cada momento com a máxima intensidade.

- A Alexandra nasceu há dois meses. O que mudou na vossa vida desde então?
Alexandra - Por muito que tentemos manter tudo como estava, há coisas que mudaram, obrigatoriamente. Apesar de termos ajuda para cuidar da nossa filha, fazemos questão de estar presentes e acompanhar o crescimento dela. E a verdade é que não conseguimos estar longe dela. Antes da Alexandra nascer pensávamos que íamos continuar a sair aos fins de semana, mas não conseguimos. Se saímos, a Alexandra vai connosco. Se ela não for connosco, sinto que me falta uma parte de mim.

Alexandra e Serafim Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Alexandra e Serafim Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Joaquim Norte de Sousa
-
Adiou a maternidade até aos 40 anos. Como se sente no papel de mãe?

-
Estou a adorar ser mãe! Nunca pensei que fosse tão bom. As pessoas diziam-me que o que sentimos por um filho cresce todos os dias e eu não entendia, mas agora tudo faz sentido. Cada dia que passa olho para ela de maneira diferente, e a ligação é cada vez mais forte. Só me apetece dar-lhe beijinhos e abraçá-la. A minha filha é muito dócil e linda. É uma fase muito bonita, porque sinto-a muito nossa. As coisas mais bonitas que aconteceram na minha vida foi ter-me casado com o Serafim e ter tido a nossa filha.


- Como vê a sua mulher no papel de mãe? A Alexandra está com um brilho diferente...

Serafim -
A Alexandra é uma ótima mãe, atenta e muito cuidadosa. Tem todas as qualidades e mais algumas. Ela sempre gostou muito de crianças e ter uma só dela é o máximo. Nota-se que está muito mais feliz. Uma mulher completa-se com a maternidade e a ela só lhe faltava esta parte para estar plena.


Serafim e Alexandra Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Serafim e Alexandra Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Joaquim Norte de Sousa
- Já se questionaram por que razão esperaram dez anos para terem um filho?

Alexandra -
Esperamos o tempo ideal. Gozámos muito estes anos e divertimo-nos imenso. Mas gostamos muito um do outro e percebemos que nos poderíamos arrepender de não termos tido um filho juntos, poderíamos ficar com essa pena. Felizmente, não foi tarde de mais e conseguimos. E hoje temos a vida muito mais preenchida e a casa cheia de alegria.


- Fisicamente, com quem se parece a Alexandra?

Serafim
- Há quem diga que é parecida comigo, mas tenho fotos da Alexandra em bebé que se assemelham muito à nossa filha neste momento. Temos de a deixar crescer mais um bocadinho para perceber, mas espero que saia à mãe!


-
Ser pai de uma menina é diferente? Sente-se mais protetor?

- A vida e os conceitos de vida modificam-se com o passar dos anos. E quando a Alexandra fizer 18 anos, as nossas preocupações vão ser, com certeza, outras. O choque de gerações é normal. Tal como eu e o meu pai chocámos, ele não compreendia os cabelos compridos, com os meus filhos foi a mesma coisa. A maneira como se vestiam, com as calças descaídas, era uma coisa que me fazia confusão. Tudo muda, e daqui a uns anos, quando a Alexandra começar a ter idade para sair, de certeza que haverá qualquer coisa que nos vai parecer estranho. O futuro é incerto e a evolução exige uma adaptação constante.


Serafim e Alexandra Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Serafim e Alexandra Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Joaquim Norte de Sousa
-
Estão de acordo em relação à educação que querem dar à vossa filha?

-
É nessa parte que podemos interferir. Temos de transmitir os nossos valores, que são o mais importante na educação de uma criança. Depois, temos de a ensinar a viver em sociedade. Ela, tal como o João e o Luís, poderá contar sempre connosco.

Alexandra
- Nós acompanhamos muito bem o raciocínio um do outro e temos os mesmos ideais e gostos. Eu e o Serafim completamo-nos e com a nossa filha não vai ser diferente. Entendemo-nos sempre em todos os aspetos e não há por que mudar agora.

Serafim -
Apesar de eu ser mais liberal na educação das crianças que a Alexandra. Eu deixo os meus filhos praticarem desportos radicais e ela nunca deixaria. Se a nossa filha sair à mãe, não vai querer nada com desportos radicais. [risos]


-
Como é a relação dos seus filhos com a irmã?

-
Muito boa, somos uma família unida. Eles adoram a Alexandra. Jantam todas as semanas lá em casa para poder estar com ela. Estou certo que eles é que vão ser os protetores da irmã e o elo de ligação entre a nossa geração e a dela.

Alexandra -
O João e o Luís são uns queridos e estão muito ligados à irmã. Gostam imenso dela e são maravilhosos.


Alexandra Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Alexandra Ribeirinho Soares com a filha, Alexandra
Joaquim Norte de Sousa
- Preparam-se para celebrar o primeiro Natal da Alexandra. Como vai ser este ano?

-
Pelo terceiro ano consecutivo vamos passar o Natal ao Brasil. E a Alexandra vai connosco. Depois o João e o Luís vão lá ter.


-
E como é passar o Natal com calor?

- É maravilhoso! E este ano ainda vai ser mais especial, porque temos a Alexandra connosco.

Serafim
-E o facto de estarmos lá nesta época não quer dizer que não liguemos à tradição. A verdade é que estamos numa fase diferente das nossas vidas. É muito agradável, depois de uns meses com frio, passar os últimos dias do ano com mais de 30°C. E é Natal na mesma, porque estamos juntos, e isso é o mais importante.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras