Nas Bancas

Carla Bruni

Carla Bruni

Reuters

Carla Bruni recorda a morte do irmão

No Dia Mundial da Sida, que se assinala a 1 de dezembro, a primeira-dama francesa relembrou o irmão, que morreu em 2006 vítima desta doença.

Andreia Guerreiro
3 de dezembro de 2010, 11:43

Desde que assumiu o papel de primeira-dama de França, Carla Bruni tem feito da luta contra a Sida uma das suas maiores ocupações. Além de ser cantora e atriz, Bruni é também embaixadora do Fundo Mundial contra a Sida e na passada quarta-feira, 1 de dezembro, data em que se assinala o Dia Mundial da enfermidade, voltou a defender esta causa, recordando o irmão, Virginio, que morreu em 2006, vítima desta doença. "Tudo o que nos toca acaba por mudar a nossa vida, mas não é só a morte do meu irmão que explica o meu envolvimento", começou por esclarecer a mulher de Nicolas Sarkozy. "O meu irmão, apesar de ter morrido, teve a sorte de ser tratado em França, de ser maravilhosamente tratado, e de como qualquer pessoa doente neste país, ter acesso a todos medicamentos e a todo o apoio que precisava. Ele acabou por morrer, mas já tinha chegado ao fim da sua caminhada com esta doença. Há muita gente que não tem acesso a tudo o que merece e é talvez isso o que mais me sensibiliza, mas que também me faz ver as coisas de outra forma. Não é porque o meu irmão infelizmente não resistiu à doença, que é preciso deixar de lutar e de querer proporcionar a todos os seres humanos tudo a que ele teve direito", concluiu Carla Bruni.

*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras