Nas Bancas

Maria José Costa Félix: "A morte prepara-se em vida"

Maria José Costa Félix sofreu recentemente a perda devastadora do genro, Pedro d'Orey, que lhe deu inspiração para um novo título: 'Morrer e Renascer'.

Joana Carreira
2 de dezembro de 2010, 16:03
Maria José Costa Félix
é jornalista, autora de diversos títulos - alguns publicados no Brasil - e uma das astrólogas mais solicitadas do País. Licenciada em Filologia Germânica e com frequência do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), participou em dois governos; num, como secretária do secretário de Estado, noutro, como adjunta do primeiro-ministro. Trabalhou ainda num grupo de investigação num hospital psiquiátrico no Rio de Janeiro. É colaboradora regular da imprensa e tem protagonizado uma série de programas de TV.

Mãe de cinco filhos e avó de 13 netos, já se viu confrontada com situações clínicas de grande gravidade, tendo sofrido recentemente a perda devastadora de um genro, o que lhe inspirou um novo título:
Morrer e Renascer
. Foi, pois, sobre a morte - essa fatalidade que, para tantos, está longe de representar um fim - e a forma como cada um a encara, que
Rita Ferro
quis indagá-la, destrinçando os diferentes tipos de golpe: morte fulminante por doença ou sinistro, brutal para a família, mas que sonega à vítima qualquer hipótese de balanço ou preparação, poupando-a, por outro lado, a um sofrimento arrastado; a tortura das doenças prolongadas, degenerativas e incapacitantes, face às quais se levantam questões sensíveis associadas à eutanásia e à morte assistida; e, finalmente, a partida precoce, aprazada por uma doença fatal, que submete a vítima a um
countdown
cruel que, aos de fora, parece impossível de aguentar, mas que, surpreendentemente,
Pedro d'Orey
, genro da autora, sublimou de forma exemplar. Lúcida, sincera e desarmantemente simples, Maria José Costa Félix recebeu Rita Ferro na sua casa, em Lisboa, para, redentoramente, opor a eternidade à ideia de finitude.


Maria José Costa Félix
Maria José Costa Félix
António Bernardo
- Sendo a morte a maior certeza da vida e das primeiras noções que absorvemos na infância, por que nos revolta sempre?
Maria José C. Félix -
Porque nada há de mais difícil do que aceitar que somos limitados e que tudo nesta vida é efémero. Porque nos agarramos ao que consideramos nosso, lutando para não o perder, convencidos de que podemos controlar o que quer que seja. Porque, perante a impotência, queremos sempre perceber o porquê do que nos acontece, mas nem sempre com humildade: endeusamo-nos e, em vez de abrirmos e expandirmos o coração, fechamo-lo.


- Não será a fé em Deus, mas o estofo pessoal de cada um, que determina uma melhor aceitação da morte - concorda? Pergunto, porque já vi ateus e crentes reagirem bem ou mal, indiferenciadamente...

- O estofo pessoal de cada um contribui sem dúvida para uma boa aceitação da morte. No entanto, acho que, sem uma atitude interior de abertura a algo superior, a um poder maior do que o nosso, a uma fé em Deus - que passa por um acreditar em nós mesmos para além do nosso ego e implica um não-endeusamento pessoal -, podemos conformar-nos com ela, mas surgir-nos-á sempre como um absurdo.


- Sendo o cancro uma roleta-russa, de que modo poderemos amortecer o choque de um diagnóstico como o que teve o seu genro?

- A atitude de entrega total que ele teve foi precisamente o que lhe deu o poder imenso, a força incrível que revelou e lhe permitiu continuar a fazer a vida normal, bem-disposto e sem revolta, até ao último minuto da sua vida terrena. E isso constituiu para todos nós um exemplo de que, face a um diagnóstico de doença grave, todos podemos encará-lo como um convite a prestarmos mais atenção ao que existe de essencial na nossa vida, relativizando tudo o resto. Como um alerta para faltas que só então consciencializamos ou conflitos menores que não mereçam desgaste.


Rita Ferro e Maria José Costa Félix
Rita Ferro e Maria José Costa Félix
António Bernardo
- Sei que é simultaneamente cristã e astróloga, sem conflitos. Morre-se porque 'é vontade de Deus' ou por desígnio dos astros?

- Deus nunca nos chama para a morte, mas sim para a vida - para a verdadeira vida, que não é esta aqui neste mundo, mas para a que começa precisamente quando dela nos libertamos, ou seja, por ocasião da nossa morte física. E os astros não nos obrigam seja ao que for. Apenas nos esclarecem sobre os recursos que temos e que podemos gerir melhor. Ajudam-nos a tomar consciência de que somos seres livres a quem é proposta uma viagem no tempo. Eu acredito numa ordem superior que nos comanda. Que há um desígnio mais alto que nos fez vir a este mundo num determinado momento da história da Humanidade - cada um com uma missão específica. Para mim é Deus. Mas há quem lhe dê outros nomes. E a astrologia nada tem que ver com futurologia nem adivinhações! A sua função é revelar-nos a forma como o espírito divino se manifesta através de nós. Nada de diferente do que aquilo que a
Bíblia
nos diz através da conhecida parábola dos talentos. E posso dizer que é mesmo aquilo que mais me tem ajudado. A mim e, por meu intermédio, a milhares de pessoas: tomar consciência de quem sou, como melhor posso aproveitar as minhas potencialidades e o que ando a fazer neste mundo.


- Não partilha, portanto, da visão determinista do destino ou na de alguns 'colegas' seus que defendem que 'está tudo escrito nos astros'?

- Não partilho de todo! Claro que o posicionamento dos astros revela determinadas tendências - que uns podem ter e outros não. Mas é também o que acontece geneticamente: ter pais inteligentes pode facilitar-nos a vida em determinados campos... Nascer no Ocidente não é o mesmo do que nascer no Oriente... Vir ao mundo no séc. XX é diferente do que no séc. XII. Ou seja: todos temos condicionamentos de várias ordens. Não somos é obrigatoriamente uma coisa e não outra. Somos seres livres, podemos optar, ou seríamos marionetas... Daí que nunca se possa dizer que um horóscopo é 'bom' ou 'mau'. Repito: os astros não nos dizem o que somos, mas aquilo que podemos ser. E, como sabe, assim como há pessoas que nascem de pais muito dotados intelectualmente e que não vão a lugar nenhum, outros há que, filhos de pais menos evoluídos, chegam longe. Da mesma forma, também há pessoas cujos horóscopos revelam muitas capacidades e não as aproveitam devidamente, e outras a quem sucede o contrário.


Maria José Costa Félix
Maria José Costa Félix
António Bernardo
- Há uma atitude que me espanta sempre e se observa em todos os perfis: culpar-se Deus pela morte de um filho ou de alguém próximo - "Porquê a mim?" - e romper-se com a Igreja logo a seguir à perda. A que obedecerá uma atitude primária destas, tantas vezes em pessoas evoluídas?

- Ser-se instruído e inteligente não nos impede de ter atitudes primárias como essa. Evoluir não é encher a cabeça com pensamentos brilhantes, saber e fazer muitas coisas importantes, mas sim abrir o coração ao amor, assumir o que sentimos, as nossas fragilidades e inseguranças, os nossos medos. Culpar alguém - a nós, inclusivamente - afasta-nos do amor, da vida, de Deus, que nos ama incondicionalmente e sempre espera por nós, façamos nós o que fizermos. Não nos obriga, porém, a ser perfeitos nem mesmo melhores do que aquilo que em cada momento somos. Simplesmente nos convida a aceitar com humildade aquilo que, de momento, conseguimos ser.


- O seu título Morrer e Renascer pode ter duas leituras: a de que a morte faculta aos 'condenados', ou aos que já experienciaram grandes sustos de saúde, uma hipótese de redenção que os restantes mortais não têm, ou a de que, depois da morte, nos espera uma segunda vida. Acredita em ambas?

- Acredito que para todos nós a morte se prepara em vida e que a verdadeira vida só depois da morte se vive. A meta final desta nossa vida é a morte. Por isso, quanto melhor vivermos as diversas mortes que ao longo da vida nos aparecerem pela frente, mais em paz viveremos essa meta final. Face a qualquer perda, somos convidados a acreditar que podemos sempre descobrir a vida que fica em nós, para lá daquilo que desapareceu.


Maria José Costa Félix
Maria José Costa Félix
António Bernardo
- Não terá sido o caso do seu genro, mas reparo que os que sabem que vão morrer aparentam pactuar com um certo discurso ideofugitivo ou pretensamente animador dos outros: "Não vais nada morrer, daqui a uns anos ainda te vais rir disto!" Acha que, por parte do doente terminal, é uma defesa, auto-sugestão ou ainda esperança?

- Acho que é uma mistura disso tudo. Mesmo quando ao nível mental o negamos, há sempre em nós um desejo de imortalidade... Fazemos, por isso, de conta que está nas nossas mãos esticar os fios intrincados através dos quais a nossa história de vida é escrita, substituindo-os continuamente por outros mais resistentes... Por muito que, ao longo da vida, nos preparemos para o momento da nossa morte, no fundo continua a haver um medo desse confronto com o desconhecido.


- E esses que, de fora, colaboram nessa batota? A verdade, perante uma pessoa que sabemos que partirá antes de nós, causa-nos um mal-estar insuportável. É como se a naturalidade se tornasse impossível...

- Nem sempre é uma batota... Para quem tem ainda um corpo, tem de ser estranha a sensação de que alguém que tantas vezes ali esteve connosco nunca mais ali estará... E tem forçosamente de começar por haver em nós uma brecha que a nível emocional nos desequilibra... A pouco e pouco, porém, podemos deixar de nos entregar ao desespero ou à revolta. Aprender a viver é aprender a amar. O que implica aceitar que existe a perda, a morte, mas também acreditar que há algo para lá do que perdemos. Ou seja, que não há perdas absolutas. Uma morte traz sempre em si a esperança de uma nova vida. Qualquer fim é sempre o princípio de algo novo. Eu não tenho dúvidas de que a fé move montanhas!


- Para terminar: enquanto a ouvia, pensava que a Maria José fala do amor quase como se fosse uma coisa facultativa. A aprendizagem pode durar uma vida inteira e a reciprocidade não chegar a acontecer. Na vida bruta que levamos, amar é um heroísmo. Quem não conheceu o amor pode não saber transmiti-lo, e por aí adiante...

- Sem dúvida. Mas eu refiro-me ao Amor com maiúscula. Àquele que é muito mais do que uma emoção. Nesse sentido, aprender a amar é como subir uma escada com curvas que nos vai conduzindo a um encontro connosco mesmos e, simultaneamente, à percepção de uma força que, embora pareça vir de fora, nos vem de dentro - sendo por isso indestrutível. Nesse sentido, Amor não é apenas Tu e Eu. É algo que está para lá das emoções. Onde já não há luta nem a necessidade de fusão total com alguém. Algo que está para lá da paixão, do sonho, do desejo. Nesse sentido, amar é simplesmente abrir a alma.


*Nota: Por vontade da autora, este texto não segue as regras do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras