Nas Bancas

Cláudia Piloto fala da família que construiu: "Somos mais felizes do que nunca"

Carlota, de um ano, é a primeira filha em comum de Cláudia Piloto e de Francisco Vaz Guedes, que já tinham cada um deles duas filhas.

Andreia Guerreiro
24 de novembro de 2010, 12:25
Cláudia Piloto
, de 35 anos, está a viver uma das melhores fases da sua vida. Depois de, há cerca de dois anos e meio, ter sofrido um aborto espontâneo e de não poder dedicar-se tanto ao seu espaço, Claudia Piloto Concept, a criativa e empresária conseguiu engravidar de novo passados quatro meses.
Carlota
nasceu há um ano e hoje a empresária dedica-se de corpo e alma aos seus novos projetos.

Apesar de ter passado por momentos particularmente difíceis, Cláudia nunca esteve sozinha e contou sempre com o apoio do marido,
Francisco Vaz Guedes
, e das filhas mais velhas,
Carolina
, de 11 anos, e
Francisca
, de dez, fruto de uma anterior relação. A CARAS esteve no Claudia Piloto Concept, no Estoril, onde a criativa falou sobre a fase menos boa que viveu, a família e as suas novas apostas a nível profissional.


- A sua vida mudou muito com o nascimento da Carlota?
Cláudia Piloto -
O nascimento da Carlota ou, melhor, o que se passou anteriormente, não foi muito normal. Quando a Carlota nasceu, fiquei superfeliz, porque já estava grávida há imenso tempo... São sensações que não dão para explicar. Quando ela nasceu, foi tudo muito bom.


- A Carlota é o primeiro filho que a Cláudia e o Francisco têm em comum. Sentia que faltava dar este passo na vossa relação?
- Não faltava nada. Eu gostava muito de ter um filho do meu marido, mas não era por sentir falta de alguma coisa, até porque as minhas filhas é como se fossem dele também, porque vivem todos os dias connosco. Obviamente é diferente, mas não há nenhuma distinção entre elas. Eu já era muito feliz com as minhas filhas.


Claúdia Piloto
Claúdia Piloto
Luís Coelho
- Antes de engravidar da Carlota, a Cláudia sofreu um aborto espontâneo quando estava grávida de seis meses. Acredito que essa experiência a tenha marcado muito...
- Costumo dizer que ela esteve dois anos para nascer e que o resultado está à vista, porque a Carlota é uma bebé muito especial, simpática, bem-disposta... O que passei antes dela foi muito difícil. Só quem passa pela perda de um filho é que percebe o que sentimos. Foi uma altura da minha vida muito complicada e triste em que não tinha grande motivação para nada. E essa fase só terminou com o nascimento da Carlota. Hoje, que me sinto tão bem e completa, vejo que naquela altura não estava nada bem. Não chega a ser uma depressão pós-parto, porque o bebé nem sequer chegou a nascer, o que é muito pior.


- E como é para o seu marido viver numa casa com três mulheres, tendo em conta que ele próprio também já tinha duas filhas?
- Eu acho que ele adora, porque assim tem o seu próprio harém. E eu adoro mulheres. É muito mais fácil termos só mulheres. Se tivéssemos rapazes e raparigas, acredito que seria mais difícil, porque as brincadeiras e os gostos são diferentes.


- Deve ser um desafio ter de educar três filhas, ser casada e ainda ter o seu espaço e novos projetos para gerir...
- É um desafio. Mal abri este espaço, estive seis meses de cama a lutar pelo bebé que não nasceu e garanto que foi uma luta levada a sério. Não me culpei pela perda do bebé, porque fiz tudo o que podia por ele. Para mim, a gravidez era uma coisa natural, não era nenhuma doença, mas acabou por ser... Abri este projeto, que para mim era um bebé, e não estava a cuidar dele, porque não saía da cama. Só neste momento é que me sinto de corpo, alma e coração a dar o meu melhor. Hoje em dia, acabo por não estar o tempo que queria com as minhas filhas, mas elas também têm de perceber que a mãe tem de trabalhar. E como me sinto completa e feliz, sei que lhes dou o melhor de mim.


Claúdia Piloto com a filha Carlota
Claúdia Piloto com a filha Carlota
Luís Coelho
- O que é que hoje faz de si uma mulher mais 'completa e feliz'?
- As inseguranças deixaram de existir. Até aos 30 anos há muitos medos, sobretudo para as pessoas que gostam de arriscar. E o que sempre quis foi ser eu própria e fazer aquilo de que gosto. E encontrarmo-nos a nós próprios dá algum trabalho. Nasci com uma veia de artista, daí o meu trabalho criativo. Pinto, decoro, cozinho e agora comecei a trabalhar no
Wedding Concept
, projeto no qual desenho o vestido da noiva e dos filhos, se já os houver. Tratamos de toda a conceção do casamento. Sempre quis fazer consultoria de imagem a nível global e estou muito mais completa agora, porque me sinto muito bem na pele da mulher que sou.


- E já é a mulher que sempre quis ser?
- Sou uma mulher com muita força e sinto-me bastante confiante. Essa confiança foi conquistada a pulso, porque tinha algumas inseguranças e neste momento já não as tenho. Sou uma mulher segura, fiel, que aceita as coisas e as pessoas como elas são. Antes, não aceitava os outros como eles eram. A maldade, o pretensiosismo são coisas que me custa muito aceitar. Os outros são aquilo que querem ser. Aprendi a olhar mais para mim e deixar de lado o resto.


Claúdia Piloto
Claúdia Piloto
Luís Coelho
- Agora que começou a trabalhar na área dos casamentos, sente que para fazer bem esse trabalho é necessário ter um casamento feliz?
- Sinto mesmo isso. Sem criticar ninguém, acho que as pessoas perdem muito tempo a olhar para a vida dos outros e não olham para as delas. Tenho um casamento muito feliz exatamente porque não perco tempo a olhar para a vida dos outros. Acho que eu e o Francisco sempre fomos felizes, porque gostamos muito um do outro, da nossa família e temos integridade, que é fundamental. Mas também lutámos pela nossa felicidade! Ultrapassámos muitas coisas que não foram boas e hoje em dia estamos mais felizes do que nunca. A nossa união é muito mais forte do que só o amor e a paixão. Se não houver uma grande cumplicidade, harmonia e, acima de tudo, fidelidade, a felicidade não é possível. E para fazer casamentos temos de ter um que seja feliz!


- Também está muito mais magra...
- Sempre fui magra, mas quando fiquei à espera do meu outro bebé, estive seis meses de cama, comi quatro vezes mais do que o normal e ainda fiz retenção de líquidos... Nas gravidezes das minhas filhas engordei 30 quilos de cada uma e é muito complicado voltarmos ao normal. E só agora é que estou a recuperar a boa forma física. O segredo é ginástica, vou ao ginásio todos os dias, faço drenagens linfáticas duas vezes por semana, aparelhos, porque tenho aqui a parte de spa, e tenho uma alimentação supersaudável.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras