Nas Bancas

Domingos Amaral

Domingos Amaral

D.R.

A escolha de.... Domingos Amaral

Aos 43 anos, o jornalista, filho de Diogo Freitas do Amaral, já tem seis romances publicados. Pai de Carolina, Duarte e Leonor, é junto dos filhos e de Sofia Jardim que se sente completo.

Andreia Guerreiro
21 de novembro de 2010, 20:27

Filho do político e jurista Diogo Freitas do Amaral, Domingos Amaral licenciou-se em Economia e fez um mestrado em Relações Internacionais na Universidade de Columbia, em Nova Iorque, mas a paixão pelo jornalismo acabou por falar mais alto. Depois de ter trabalhado no extinto semanário O Independente, foi diretor da Maxmen e é atualmente diretor da GQ. Tem seis romances publicados, o último dos quais Quando Lisboa Tremeu, passado na época do terramoto de 1755. Tem dois filhos, Carolina e Duarte, fruto do seu primeiro casamento, e Leonor, de ano e meio, filha de Sofia Jardim, com quem mantém uma relação há quase três anos.

O LIVRO
'Quando Lisboa Tremeu'
É o meu livro preferido. [risos] Acabei há pouco tempo de o ler pela sétima vez. É uma história passada durante o terramoto de Lisboa, em 1755, com a cidade num caos total. As personagens são um pirata zangado, uma freira deprimida, um rapaz orgulhoso que tem um cão, e um homem chamado Sebastião José de Carvalho e Melo, que depois ficou conhecido como marquês de Pombal. Cinco estrelas.

O MUSEU
Museum of Modern Art
Não sou muito de museus, embora nas principais cidades, como Londres, Nova Iorque, Paris, Roma ou Madrid, os tenha tentado visitar a todos. Andar às voltas num museu é um bocado cansativo. De todos, o que prefiro é o Moma, Museum of Modern Art, de Nova Iorque. Vi lá uma exposição do Matisse inesquecível.

O CONCERTO
Bruce Springsteen
O mais espetacular e inesquecível que vi foi há muitos anos, talvez 1989 ou 1990, em Madrid. Em palco, Bruce Springsteen, para mais de quatro horas de música non-stop, onde ele cantou toda a sua obra. Jamais esquecerei o Vicente Cálderon a cantar o Born in the USA.

O RESTAURANTE
Tia Alice
É o meu restaurante preferido, em Ourém, perto de Fátima. É tudo magnífico, em especial as sopas e as chanfanas. O ambiente é muito tranquilo e os empregados são discretos e simpáticos.

A VIAGEM
Veneza
Veneza, onde fui recentemente, com o meu amor, a Sofia. É uma cidade linda, com um glamour decadente, inimitável. As cidades italianas, como Siena, Roma, Florença, são todas muito bonitas, e são as mais bonitas do mundo, mas Veneza consegue ser a mais bela de todas.

*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras