Nas Bancas

Simonetta Luz Afonso: "Tenho feito sempre o que gosto!"

A presidente da Assembleia Municipal de Lisboa passeou pela cidade com Rita Ferro.

Andreia Guerreiro
16 de novembro de 2010, 17:17

Chama-se Simonetta Bianchi Ayres de Carvalho Luz Afonso, é museóloga especializada em conservação e restauro e gestora cultural. Casada, tem 64 anos, uma filha advogada, Ana, e uma neta, Vera. Foi conservadora dos museus do Palácio Nacional da Pena e do Palácio de Queluz, comissária da Europália Portugal 91, comissária e administradora das Exposições de Lisboa Capital Europeia da Cultura, em 94, e comissária de Portugal para a Expo' 98 e para Hanôver 2000. Presidiu ainda ao Instituto Português de Museus, ao ICCROM (Centro Internacional de Estudos para a Conservação e Restauração de Bens Culturais) e ao Instituto Camões.

Há um ano, concorreu a presidente da Assembleia Municipal - a convite de António Costa, como independente - e a sua vida mudou. Da reverência dos museus e do prestígio das grandes exposições europeias e universais, passou a aprovar e a desaprovar propostas no parlamento da câmara, cabendo-lhe a última palavra nas moções dos munícipes representados pelos vários partidos e autarquias competentes. Não se deixou intimidar e, agora, temos à frente dos destinos de Lisboa uma força da natureza de entusiasmo redentor e determinação coriácea. Solar e folgazona, dizem-na a alegria de todo o evento ou comitiva. O segredo pode residir numa espontaneidade torrencial que nenhum formalismo encobre. Depois de há muito ouvir falar nesta figura singular e desassombrada, Rita Ferro quis conhecê-la pessoalmente para formar o seu próprio juízo e apresentá-la mais intimamente aos cidadãos que a elegeram. Conversaram na rua, entre o MUDE (Museu do Design e da Moda) e a Biblioteca Municipal de São Lázaro - lugares de orgulho para a autarca - e tornaram-se imediatamente cúmplices na secreta feminina, numa tarde de chuva copiosa ultrapassada por momentos de humor vivificantes.

Rita Ferro e Simonetta Luz Afonso
Rita Ferro e Simonetta Luz Afonso
João Lima
- Começo pelo seu traço mais distintivo: uma personalidade vulcânica! De onde lhe vem esse fogo? Não pode ser só português...

- Está-se a referir à minha alegria de viver e à minha capacidade de ver o copo meio cheio? Olhando para trás e reportando-me à minha infância, lembro-me sempre que perante as dificuldades a minha mãe me dizia para não ficar paralisada, pois quando se fecha uma porta, abre-se sempre uma janela! A minha mãe era italiana, de Florença, e tive também a sorte de ter vivido com a minha avó materna, pelo que a minha educação foi luso-italiana. Sendo o meu pai português, sempre vivi entre estes dois mundos fascinantes da Europa do Sul.


Simonetta Luz Afonso
Simonetta Luz Afonso
João Lima
- Todos me dizem que é empolgante trabalhar consigo e que a Simonetta é uma 'máquina de trabalho' capaz, como poucos, de rasgo e improviso. Perante um perfil destes, avassalador, pergunto-me: será fácil trabalhar consigo?

- Gosto imenso de trabalhar e ao longo da minha vida tenho feito sempre o que gosto! Nunca fiz nada pela rama e portanto se há que fazer, faz-se! Arregaçam-se as mangas, pensa-se, inova-se, decide-se e avança-se! Tenho um gosto enorme por formar equipas, porém sei exactamente aquilo de que cada um é capaz e até onde pode ir, e... respeito! O que não suporto é a preguiça, o 'faz-de-conta' e os estratagemas burocráticos para fazer perder tempo. Não sei se lhe respondi, mas posso dizer-lhe que fiz grandes amigos até hoje entre as pessoas que trabalharam comigo... mas também alguns inimigos de estimação! [risos]


- Aproveitando esse seu proverbial sentido de humor: transitar dos museus para a política não é um pouco como passar do convento ao cabaré?

- Enquanto estive na vida activa entendi que não devia misturar actividade política com actividade profissional. Um alto dirigente dos quadros da administração pública que executa políticas não deve fazer política.


- Mas agora representa a segunda força política do município. Como ponderou esse instante decisivo?

- Aposentada, por que não servir a
Res Publica
de outro modo, sujeitando-me ao escrutínio democrático? Foi uma experiência muitíssimo interessante e que representa uma responsabilidade acrescida: os eleitores confiam em nós!


Rita Ferro e Simonetta Luz Afonso
Rita Ferro e Simonetta Luz Afonso
João Lima
- Conte-nos como funciona a Assembleia Municipal...

- A AM é o órgão fiscalizador e ao mesmo tempo facilitador da actividade do município onde os munícipes estão representados pelos deputados municipais e pelos presidentes de juntas de freguesia, uma espécie de parlamento da cidade. Porém, os próprios munícipes podem participar a título pessoal nas sessões ordinárias, apresentar as suas reclamações ou sugestões, ou escrever-nos, cooperando e podendo assim intervir directamente na resolução dos problemas da cidade.


- E contribuem?

- Infelizmente acho que o fazem pouco, que o fazem muito pensando no 'seu problema' e não tanto no colectivo. Essa constatação levou a AM a promover uma actividade junto das escolas do ensino básico da cidade, intitulada Assembleia Municipal das Crianças de Lisboa, que tem por objectivo precisamente contribuir para a educação para a cidadania, dando às crianças o domínio das ferramentas e o conhecimento dos direitos e deveres que lhe permitirão participar na governação da cidade, agora à sua escala, preparando a sua intervenção como adultos.


- Mas as sessões não são demasiado fastidiosas?

- Talvez, mas são obviamente necessárias num processo democrático! E a nossa actividade não se resume a votar propostas! Há um trabalho invisível de estudo dos dossiês, de visita aos lugares ou do conhecimento das situações e da audição do presidente da câmara, dos vereadores ou das juntas de freguesia e de especialistas, que é aquilo que sustenta verdadeiramente as decisões tomadas pelo colectivo a que presido e que dão força e tornam o trabalho interessante. Tem sido também para mim muito gratificante, eu que pensei que conhecia bem Lisboa, a minha cidade, descobrir outras lisboas que gostaria de desafiar os lisboetas a conhecer também.


Simonetta Luz Afonso
Simonetta Luz Afonso
João Lima
- Que propostas lhe deu mais gozo aprovar?

- Elejo três, gloriosas: a Can-didatura do Fado a Património Imaterial da Humanidade, votada por unanimidade com aclamação, o que prova ser um traço de união entre os cidadãos; o Regulamento para a Atribuição dos Ateliers Municipais a Artistas Plásticos, que permitirá apoiar os criadores, incluindo jovens, e constituirá um poderoso incentivo à criatividade artística; e a Carta dos Equipamentos Desportivos da Cidade, que possibilitará dotar a cidade de equipamentos desportivos, recuperando-os e tornando o desporto acessível a todos, tendo em conta a sua distribuição por bairros e freguesias e a proximidade com os cidadãos.


- Prevê-se algum benefício para a cidade que possa anunciar-nos em primeira mão?

- Penso que o debate mais interessante e que trará maiores benefícios à cidade girará em torno da Reforma Administrativa da Cidade - a última data de 1959! - que vai agora começar e em que espero que os cidadãos se envolvam de alma e coração, até porque, ajudados pelas novas tecnologias, poderão fazê-lo sem sair de casa! Que cidade queremos para o século XXI? O que deve mudar e manter-se na cidade? Como envolver mais as freguesias para praticarem uma governação de proximidade com os seus fregueses, melhorando a qualidade da resposta, diminuindo custos administrativos, e deixando a câmara com mais tempo e inspiração para o planeamento estratégico e aliviando-a da resolução do imediato.


- Os lisboetas já aproveitam bem a oferta lúdica e cultural da cidade?

- Claro, mas é preciso nunca desarmar a Educação! Se os cidadãos forem habituados desde pequenos a frequentar espectáculos, a visitar museus, monumentos, a olhar para a sua cidade, a apreciar a Natureza, a ler, enfim, se receberem uma educação para a cidadania, verão os mupis, os cartazes, as agendas culturais com que se cruzam todos os dias e reservarão uma parte do seu tempo livre a estas actividades. Penso que nesse aspecto educativo Lisboa está no bom caminho e as escolas públicas que estão sob tutela da câmara fazem um bom trabalho. Trata-se, no entanto, de um investimento permanente, de uma tarefa que nunca está acabada! Quero porém dizer-lhe que noto com prazer muita gente nova que frequenta regularmente as múltiplas actividades culturais que a cidade oferece.


- Sente que, de algum modo, já foi contaminada pela adrenalina do poder?

- Rita: a única coisa que me move é o fazer, fazer o melhor que posso e sei, pelo meu País, pela minha cidade, fazer andar as coisas, pôr as pessoas em contacto, criar redes, criar oportunidades para que outros façam. É essa a minha causa!


- Termino com uma pena imensa de a deixar, pedindo-lhe que se despeça com um slogan que galvanize os cidadãos!

- "Lisboa é uma das melhores cidades do mundo para se viver, venha vivê-la!"


Nota:
por vontade da autora, este texto não segue as regras do novo acordo ortográfico


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras