Nas Bancas

Mafalda Arnauth: "Sinto-me cada vez melhor na minha pele"

No momento em que apresenta um novo disco, a fadista, de 36 anos, surge também com uma nova imagem.

Andreia Guerreiro
16 de novembro de 2010, 12:49

Mafalda Arnauth encontra-se em plena fase de promoção do seu último trabalho, intitulado Fadas, um disco cuja intenção, diz, "é celebrar as almas fadistas e a magia que trouxeram à minha vida". Visivelmente mais magra, a fadista, que festejou recentemente o seu 36.º aniversário, revelou à CARAS sentir-se cada vez melhor na sua pele enquanto mulher e assegura sentir-se muito confortável com o seu estado de solteira.

- Na última entrevista que nos deu, há dois anos, referiu manter um relacionamento que, entretanto, parece ter chegado ao fim...
Mafalda Arnauth - Sim, faz parte do passado. O meu estado atual, de solteira, já dura há algum tempo... Sou solteira, não inveterada, mas muito confortável neste lugar. [risos]

Mafalda Arnauth
Mafalda Arnauth
Natacha Brigham
-
É difícil chegar até si?

- A questão não se coloca a esse nível. A pessoa que tiver que chegar até mim, chega, e, naturalmente, o espaço é seu. Não acho que estas coisas tenham regras ou padrões. Definitivamente, é uma coisa com a qual, com o passar dos anos, me tranquilizei imenso. Não preciso do padrão do casamento tradicional, de cumprir o meu relógio biológico... Aliás, faz-me imensa confusão quando se fala em filhos e em Timex ao mesmo tempo. As artes e esta vida que adotei é como um apostolado ou uma militância. Não nos calha uma vida com contornos tão especiais e particulares para se viver de ânimo leve. Por isso, esta dedicação completa à minha carreira, de há dois ou três anos para cá, é completamente absorvente. Portanto, acho que, se calhar, tenho privilegiado menos o meu lado pessoal, porque também me sinto imensamente rica e preenchida. Não sinto que tenha que fazer coisas nem por carências nem por necessidades. Assim tenho a certeza que o que quer que esteja reservado para mim será à minha medida.


Mafalda Arnauth
Mafalda Arnauth
Natacha Brigham
- Descobri que gosta muito de cozinhar...

- Gosto imenso, quando tenho tempo. Gosto de cozinhar, cada vez mais coisas saudáveis e que não durem uma semana na memória pelos efeitos que causam, porque temos coisas maravilhosas que podemos comer e que nos sabem muito bem na hora, mas depois têm efeitos drásticos. Podemos perfeitamente comer muito bem sem causar estragos.


- Houve, portanto, uma reeducação alimentar na sua vida?

- Sim. Essa reeducação vem acontecendo de há quatro anos para cá, embora continue a gostar de comer e saborear, portanto, como costumo dizer, ou estou em dieta ou estou a estragá-la! [risos] Também estou a chegar àquela fase em que me apetece equilibrar estas duas partes, pois acho um disparate estar sempre em pecado ou sempre em restrição. Ultimamente tenho contado com o apoio de uma nutricionista da Policlínica de Cantanhede - espaço do qual fui convidada para ser imagem - que me dá umas dicas úteis e que, no final, acabam por fazer a diferença. Depois, tenho a sorte de fazer uns tratamentos estéticos que ajudam muitíssimo.


Mafalda Arnauth
Mafalda Arnauth
Natacha Brigham
- Perdeu sete quilos nos últimos três meses. É uma boa desculpa para renovar o guarda-roupa?

-
É bom a todos os níveis. Esta produção fotográfica para a CARAS, por exemplo, torna-se muito mais fácil. Sou preocupada com a imagem e, embora evite massacrar-me com essas questões, a verdade é que estando mais magra, acabo por facilitar o processo a quem tem de escolher roupas para nos vestir.


- Continua a eleger um estilista para a vestir para os concertos?

- Neste disco regresso às versões, vou buscar heranças. Está ligado à portugalidade, portanto, inspira-se em vários quadrantes do País. Ou seja, sinto que este disco me permite ir criando o meu próprio guarda-roupa, usando os recursos que tenho à minha disposição. Poder usar uma peça de cada estilista é o meu sonho.


- Sente-se mais confortável no papel de mulher descontraída ou sensual?

- Acho que a minha sensualidade estará sempre subjacente, se bem que eu não tenha muita consciência dela. Não me revejo de maneira nenhuma no papel de fadista
sexy
. Acho que a minha postura em palco é a antítese de uma
Mata Hari
, tal é a descontração. A verdade é que me sinto cada vez melhor na minha pele, enquanto mulher e na minha feminilidade. E uma das coisas que gosto de dizer às mulheres é para se cuidarem. Por vezes, a mulher portuguesa passa por uma fase em que se deixa absorver pelo trabalho, pela família, pelos casamentos de longa data, e acaba por abdicar de si própria. Recomendo vigilância e cuidados a 100%, pela sensação interior que isso traz.



*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras