Nas Bancas

Catarina Furtado discursa para uma assembleia de jovens e líderes mundiais

A Embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População fez uma intervenção onde falou sobre Jovens, Paz e Desenvolvimento, por ocasião do Dia Internacional da Paz.

Joana Carreira
20 de setembro de 2010, 10:24

Catarina Furtado, a Embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População, encontra-se em Nova Iorque a participar nas iniciativas da Cimeira do Milénio. A apresentadora foi convidada pelo Secretário-geral das Nações Unidas, Ban-Ki-Moon, para estar presente na sede das Nações Unidas e fazer uma intervenção por ocasião das celebrações do Dia Internacional da Paz.

Catarina discursou para uma assembleia de 500 jovens e líderes mundiais sobre "Jovens, Paz e Desenvolvimento no contexto do ODM". A embaixadora ficará em Nova Iorque até dia 23 de setembro, onde terá um almoço com o Secretário-geral e reunirá com vários responsáveis das Nações Unidas. A visita de Catarina Furtado culmina com a Gala de Encerramento da Cimeira.

Goedele Liekens, Catarina Furtado, o Secretário-Geral Ban Ki-moon com a mulher, Yoo Soon-taek, Yuna Kim e Midori Goto
Goedele Liekens, Catarina Furtado, o Secretário-Geral Ban Ki-moon com a mulher, Yoo Soon-taek, Yuna Kim e Midori Goto
Nações Unidas


Abaixo, leia o discurso de Catarina Furtado na íntegra:


"Estamos em contagem decrescente... a dois terços do tempo que separa a assinatura dos compromissos que substanciam os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio feita no ano 2000 e o prazo dado para o seu cumprimento, o ano 2015.

Tenho, no terreno, os mesmos anos de idade que os ODM e por isso entendo bem porque é preciso estabelecer ou impor prazos para que as coisas chocantes tenham um fim, ou uma redução à vista.

Gostava muito de vos poder contar tudo, o que tenho visto, ouvido e sentido ao longo destes dez anos a trabalhar enquanto Embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População. Mas não consigo porque há realidades que calam as palavras. Preciso no entanto que entendam o quão importantes são, cada um de vocês, nesta Aldeia Global em que vivemos, uns mais privilegiados que outros, mas todos fundamentais para ajudar a contrariar o bater desigual e injusto do Mundo.

Ao visitar, por diversas vezes Moçambique, Guiné-Bissau , Timor Leste, Indonésia, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde tenho conhecido tantos e tão especiais jovens, com a vossa idade que não têm mesmo nada, muitos, apenas sentem fome e uma vontade indescritível de não deixar morrer as suas pessoas, e os seus países. Não sei de onde lhes chega a força mas dou por mim a pensar que tem de chegar obrigatoriamente de nós. Nós podemos ajudar a que compromissos se assinem e se ponham em prática.

Podemos falar tão alto que a voz se transforme num ultimato para que a humanidade proteja aqueles que são sempre os mais discriminados: as mulheres, crianças e jovens dos países em desenvolvimento, sobretudo os que vivem em situação de conflito ou pós-conflito como na Guiné-Bissau, onde tenho acompanhado o trabalho do UNFPA e da Cooperação Portuguesa sobre o ODM 5: Melhorar a saúde materna, reduzindo a mortalidade materna e neonatal em 75% e promover o acesso a cuidados de saúde reprodutiva.

O que tenho visto não faz sentido nenhum: raparigas da vossa idade já casadas há muito tempo com homens de mais de 60 anos só porque sim; meninas da vossa idade já com duas gravidezes, umas forçadas, outras porque nunca ninguém lhes explicou nada... são raparigas, não têm esse direito, o direito a saber, a estar informadas, a decidir ; meninas, raparigas, mães que perdem automaticamente a oportunidade de irem à escola assim que engravidam e dão de caras com um portão de grades a fechar-se à frente do seu futuro; crianças, meninas e raparigas violentadas para sempre depois de serem sujeitas a uma mutilação genital feminina só porque a tradição assim o impõe, sendo que a tradição e os valores culturais podem salvar vidas se forem bem orientados; mulheres que se habituaram, numa dor silenciosa, a contar o número de filhos mortos e por isso continuam a engravidar em condições miseráveis sem acesso à contraceção ou ao planeamento familiar cuja existência desconhecem; mulheres mães a quem nunca ninguém fez uma consulta de saúde sexual e reprodutiva e que por isso, contaminadas pelo vírus da Sida, tantas vezes trazido pelos maridos, transmitem aos seus bebés, quando poderia ser tão facilmente evitável através dos testes e de medicamentos; meninas e mulheres que morrem a dar à luz todos dias quando, num país como o meu e como o vosso, isso é hoje impensável e faria abertura de telejornal para além de um inquérito parlamentar.

São aos milhares e eu vi muitas fecharem os olhos ao pé de mim ou porque não havia uma ambulância, ou porque não havia eletricidade ou porque chegaram tarde ao hospital já que a maior parte das vezes é o marido ou a família quem decide.

Vi, e não esqueço a menina de 12 anos, com corpo de oito, que às costas trazia o irmão de meses e enquanto o embalava tentando calar o seu choro, escondia as lágrimas pesadas por ver ao fundo, numa espécie de enfermaria, numa espécie de cama com colchões rotos e muito sujos, a irmã mais nova de cinco anos a morrer, devagarinho, nos braços de um pai impotente e de uma mãe descontrolada de uma dor insuportável. A menina morreu com paludismo porque chegou tarde ao hospital. Evitável.

Vi e não esqueço também a Mia, uma jovem Indonésia de Banda Ache que me levou ao buraco onde antes era uma casa de família . A sua, com os seus. Hoje começa tudo de novo, casando com um outro jovem a quem também o tsunami roubou tudo e todos. Agarrados à vida que têm as fotografias que resistiram, arregaçam a força da juventude e reconstroem uma casa, um país.

Shavi é um moçambicano com sorriso rasgado, dezoito anos que parecem trinta, tanta é a sabedoria das ruas, que me disse para confiar que ele e os seus amigos da ONG feita de e para os jovens iriam salvar o seu país do implacável vírus da Sida. Só precisava de uns computadores e de umas impressoras para se ligar ao mundo e o resto era com eles. Foi há 10 anos. Voltei a falar com o Shavi que não salvou o seu país mas que tem feito um trabalho insubstituível de prevenção, informação, e motivação dos jovens. Um orgulho.

E lá no Norte de Moçambique a enfermeira Laura trava uma batalha diária com as suas limitações físicas, ( a guerra roubou-lhe um pé) com uma muleta improvisada, há anos que as pedras das ruas de Tete não são para ela um problema. As milhares de crianças e jovens órfãs da sida que lhe aparecem à porta, que encontra à beira do rio, ou encostadas a lixeiras é que lhe tiram o sono mas não a capacidade de as salvar com o pouco que tem. Há poucos meses confidenciou-me, inchada de vaidade, que já conta pelos dedos das duas mãos os bebés ratados pelos bichos e que hoje se transformaram em jovens doutores. São os tais jovens que se empoleiram pela vida acima por saberem bem o valor que ela tem.

Nestes outros países de que vos falo, mulheres, homens, rapazes, raparigas e bebés morrem porque lá o tempo e a urgência é outro...faltam tantas coisas simples e essenciais que aqui nem sequer damos por elas. E nos países em que existem conflitos armados, falta o diálogo para logo depois passar a faltar tudo. Cresce um mundo absolutamente cruel principalmente para os mais jovens. Elas são violadas, mutiladas, ficam seropositivas, com fistula obstétrica, banidas da escola e das famílias. E todos vêm os que amam fechar os olhos à sua frente. Ficam sem chão, sem tecto, ficam sem ar.

É urgente dar urgência ao discurso dos jovens de hoje. Dos jovens que sofrem muito e dos que não querem ver os outros sofrer mais. A comunicação intergeracional é inteligente, logo eficaz. O vosso potencial de Desenvolvimento, Saúde e Paz não tem limites e pode inverter o ciclo da desigualdade e do conflito. Acreditar é preciso! E vocês são muitos, são a maioria! Nunca o mundo teve uma tão grande geração de jovens...aproveitem a oportunidade, façam hoje a mudança porque não se podem adiar mais os Direitos Humanos.

Quando eu era adolescente sempre ouvi o meu pai jornalista, contar-me histórias humanas que vinham agarradas aos pedaços de artesanato que ele me trazia destes países. Quando me contava que eram crianças trabalhadoras, crianças que sobreviviam fingindo serem crescidos, oprimindo vontades e sonhos, eu pensava " e se fosse eu a ter nascido neste país?".

Este é dos exercícios mais difíceis de se fazerem. Custa muito colocar-mo-nos nos lugares dos que nada têm. Normalmente não nos damos ao trabalho, se calhar até ao dia em que esbarramos com a dor dos outros e ficamos contaminados pela urgência de fazer qualquer coisa que ajude a mudar a realidade desumana, uma realidade que lhes preenche os dias. Eu sinto-me contaminada por este vírus bom que me empurra para estes países; que me faz em Portugal ir a tantas escolas e universidades falar com jovens como vocês para os contagiar; que me obriga a falar em voz muito alta para que a imprensa e o público que assiste ao meu trabalho de apresentadora e atriz fique tocado com as mensagens importantes; que puxa pela minha imaginação de forma a que invente campanhas de donativos e campanhas informativas e deadvocacy mobilizando a sociedade civil, mas também os governos e os parlamentos; que me oferece uma força extra que me permite ter capacidade para estudar os relatórios, reunir com governantes com parlamentares e muito simplesmente dizer o que vejo e o que penso daquilo que vejo.

A indignação pode fazer a mudança e de certeza que vocês, alguma vez na vida já se sentiramindignados...usem essa indignação, sejam construtores da mudança de hoje que terá efeito amanhã.

A primeira vez que me lembro de sentir esse desconforto que traz alguma raiva dentro foi quando tinha 12 anos e o meu pai tinha ido fazer uma reportagem para a Nicarágua onde acabou por sofrer um atentado bombista. Ficou com o braço todo queimado. Ao seu lado morreram outros jornalistas. Fiquei sem ele durante longos e difíceis dias e estava zangada porque ninguém me explicava a razão de, no Mundo, se andarem a mandar bombas para cima um dos outros desvalorizando a vida. Falei com a minha professora de português e escrevi cartas ao meu pai para tentar colmatar a minha indignação. Percebi logo aí que existem valores, conceitos, crenças ou causas que fazem tanto sentido para uns e tão pouco para outros.

E para mim até hoje passou a fazer sentido, na medida das minhas possibilidades, promover a paz, ter uma intervenção útil enquanto profissional, mulher e mãe que ajude a pôr fim à guerra, à violência, à discriminação mas também apaziguar a dor sonora e a dor silenciosa e clamar pelos Direitos Fundamentais.

Assim, naquela altura enquanto adolescente não foi preciso dizerem-me que era poderosa. Foi preciso sentir que era de facto poderosa. Mas eu estava num país que me dava oportunidades de estudar, ter saúde e exercer os meus direitos. Comecei a trabalhar com outros jovens em associações de estudantes e a olhar para lá do nosso gigante umbigo. Imediatamente senti o retorno da entrega: uma maior segurança para encarar o mundo porque me obrigou a conhecê-lo melhor; uma maior capacidade para aceitar os outros e um espírito inquieto de sentido de cidadania. Até hoje.

Hoje com mais responsabilidades, claro, porque sou voz de um gigante número de pessoas que trabalha incansavelmente, porque cada pessoa conta. O Fundo das Nações Unidas para a População tem-me permitido estudar dossiers que chocam pelos números gritantes com muitos algarismos: as crianças e jovens que morrem a cada segundo que passa com fome, as mulheres que morrem a cada minuto que passa com complicações derivadas da gravidez ou parto...as vidas e as economias que a prevenção poderia salvar.

Quando vou para os terrenos fazer documentários filmados sobre a realidade destes países tudo se torna mais claro e mais duro. As estatísticas são afinal casos humanos com nome, idade e sexo. E logo faz toda a diferença. Passam a fazer parte da minha vida. Passo a ter a saudável obrigação de denunciar por um lado e de angariar não só mais financiamentos mas sobretudo mais parceiros cúmplices nesta caminhada. São estas redes ilimitadas que podem ser essenciais. E confiem em mim, as vossas podem ser invencíveis e não falo de internet e redes sociais!

A vossa dedicação, a vossa capacidade de entrega e de indignação pode mesmo fazer a diferença. Como eu vi fazer nestes locais onde nunca quero deixar de voltar, através da iniciativa e do envolvimento de rapazes e raparigas que não irei nunca esquecer.

O que nos comove, tanto pode ser uma dor forte como uma grande conquista: conquistem e reclamem o vosso direito a um mundo mais justo, solidário, responsável e com promessas cumpridas".


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras