Nas Bancas

Sofia Escobar vai ser protagonista de 'Fantasma da Ópera' em Londres

Aos 25 anos, a cantora está concentrada no trabalho, mas no futuro deseja constituir uma família.

Joana Carreira
15 de setembro de 2010, 14:34

O imponente Paço dos Duques, em Guimarães, abriu-se para Sofia Escobar, a menina da terra que há quatro anos se mudou para Londres, para estudar na conceituada Guildhall School of Music and Drama, e por lá ficou. Depois de uma turné mundial no papel da Maria de West Side Story - interpretação que lhe valeu a nomeação para o prémio de Melhor Atriz de Teatro Musical em Inglaterra -, Sofia foi escolhida para ser a protagonista da nova temporada de O Fantasma da Ópera, que estreia este mês no londrino Her Majesty's Theatre. Aos 25 anos, os mesmos que este musical tem em cena na capital inglesa, a jovem de Guimarães vive num mundo sem fronteiras e, apesar de ser sonhadora, tem os pés bem assentes no chão. Não se ilude e sabe o que tem de fazer para se destacar entre os melhores. A ligação à família e a Portugal é grande, mas a atriz e cantora está concentrada no trabalho. A CARAS conversou com Sofia Escobar sobre as suas ambições, o sonho de constituir família e o seu dia-a-dia em Londres.

- Dois anos depois de se ter estreado nos musicais londrinos, acaba de saber que vai ser a protagonista de O Fantasma da Ópera. Como recebeu a notícia?
Sofia Escobar - Foi um processo muito doloroso. Fiz várias audições e a fase final foi horrível. Estávamos quatro potenciais protagonistas e qualquer uma de nós poderia ser a escolhida. Esperar pela decisão do produtor Cameron Mackintosh e do compositor Andrew Lloyd Webber foi a pior parte... Mas quando soube que tinha sido escolhida e ia fazer seis espetáculos por semana, comecei aos saltos! Incrível!

Sofia Escobar
Sofia Escobar
Joaquim Norte Sousa
-
Quando deixou Guimarães e foi estudar para Londres, alguma vez pensou que iria ser a protagonista de um clássico que está em cena há 25 anos?
- Não. [risos] Mas sempre sonhei com este papel! Tinha as partituras d'
O Fantasma da Ópera
e sempre foi algo que me fascinou. Fui para Londres estudar, apostar na minha formação, mas sempre tive os pés na terra. Acho é que as coisas não acontecem por acaso. Como o facto de estar a dias de pisar o palco como protagonista de uma das minhas histórias preferidas de sempre... É um ambiente bastante familiar. Um papel de sonho!


-
É um passo enorme na sua carreira e de muita responsabilidade. Está nervosa?
- Acima de tudo, espero conseguir cumprir o meu papel. Nervosa? Nesta fase estou muito entusiasmada, mas já sei que no dia da estreia vou estar uma pilha de nervos. Mas vou ter o apoio dos meus pais, que é sempre importante.


Sofia Escobar
Sofia Escobar
Joaquim Norte Sousa
-
Os seus pais apoiam-na sempre... Afinal, deixaram-na ir para Londres sozinha com apenas 21 anos...
- Não só me deixaram ir como o tornaram possível. Sinto que isto foi um trabalho de equipa, que nunca estive sozinha. Sou lutadora e quando meto uma coisa na cabeça não me conseguem demover. Felizmente, os meus pais confiaram em mim e perceberam, como eu, que era difícil viver de uma carreira de palco em Portugal.


-
Vive há quatro anos em Londres. Já se sente em casa?
- Mais ou menos. Estou muito ligada a Portugal. Quando fui para Londres, em 2006, era tudo novidade e foi muito empolgante. Vivi a concretização do meu sonho de adolescente. No segundo ano, já notei que fazia frio e que a comida não era grande coisa. Nessa altura, as saudades de casa começaram a ser cada vez mais fortes. Tenho as minhas raízes em Portugal, e quanto mais tempo estou fora, mais sinto o apelo de voltar.


Sofia Escobar
Sofia Escobar
Joaquim Norte Sousa
-
Com seis espetáculos por semana, vai sobrar-lhe pouco tempo livre. Como fica o seu coração? Desde que se mudou para Londres, já teve tempo para se apaixonar?
- Há uns tempos comprei um colar com um coração e uma chave, simbolizando que o meu coração estava fechado, à espera de alguém que mereça a chave. Tem de ser alguém especial, que perceba o meu mundo. E não é fácil, tenho viajado muito nos últimos tempos, não sobra grande tempo para paixões. Sinto a responsabilidade do meu trabalho e sei que não posso falhar. Não posso sair à noite, tenho de ter cuidados com a voz, porque o nível de exigência é muito alto... Mas estou feliz, não dramatizo. Acho que as coisas acontecem quando têm de acontecer, e esse dia há-de chegar.


-
Nos musicais conjuga a música e a interpretação. O que surgiu primeiro na sua vida?
- Também me questiono sobre isso muitas vezes. Sempre gostei muito de cantar, mas foi o teatro que entrou primeiro na minha vida. Aos 13 anos, entrei para o Círculo de Artes e Recreio de Guimarães e fiquei apaixonada.


-
Já pensou no que seria se não tivesse arriscado ir para Londres em 2006? Qual seria a sua profissão hoje?
- Provavelmente trabalharia com crianças, dando aulas de canto ou de inglês.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras