Nas Bancas

Alberto João Jardim: "Tudo o que fiz na vida foi com paixão"

O presidente do Governo Regional da Madeira recebeu a CARAS na sua casa de férias, em Porto Santo, e falou-nos dos seus hábitos de verão. 

Joana Carreira
7 de setembro de 2010, 10:24

Acorda cedo, joga uma partida de ténis, faz uma longa caminhada na praia e termina a manhã reunido com um grupo de amigos no Bar do Henrique. É assim que Alberto João Jardim passa as suas manhãs durante os 15 dias de férias que passa todos os anos em Porto Santo. Aos 67 anos, o presidente do Governo Regional da Madeira tem noção de que a sua resistência física não é a mesma. Por isso, após o almoço, gosta de dormir uma pequena sesta para, logo de seguida, passar pelo escritório e 'despachar' os assuntos mais urgentes.Ao fim da tarde regressa a casa e ao convívio da família. Casado há 42 anos com Ângela Jardim, de 70 anos, os dois têm três filhos: Cláudia, de 40 anos, Pedro, de 37, e Andreia, de 35. Foi ao lado do neto mais novo, Pedro Afonso, de cinco anos - filho de Andreia -, que se deixou fotografar para a CARAS. A neta mais velha, Carlota, de 12 anos, ainda se encontrava no Funchal com os pais, Cláudia Jardim e David Gomes. Esta rotina viria, por certo, a ser perturbada dias depois, quando a queda de uma palmeira na ilha fez uma vítima mortal e dois feridos graves.

- É um ritual passar férias em Porto Santo?
Alberto João Jardim - Não é um ritual, é um sítio onde me sinto bem, onde consigo conjugar o não fazer nada com o fazer alguma coisa, porque à tarde consigo trabalhar um bocado no meu gabinete. Por outro lado, como ando o ano inteiro de um lado para o outro, não viajar nas férias dá-me a sensação de sossego. Não é uma obrigação, é uma opção, um prazer.

Alberto João Jardim
Alberto João Jardim
Mike Sergeant
- E consegue reunir aqui toda a família?
- Primeiro estamos só eu e a minha mulher. O resto da família vem e vai, sem compromissos, não há datas estipuladas.


- Todos os dias faz a sua caminhada ao longo da praia...
- Sim, para um lado ou para o outro. Normalmente termino no Bar do Henrique, que já ficou célebre no continente por muitas, altas e poderosas coisas que se disse lá. O bar é tão célebre que uma vez o Dr.
Álvaro Cunhal
disse em Lisboa que estava um golpe de Estado em preparação no Porto Santo, e tudo não passava de loucuras e farras que se disseram no Henrique e que a imprensa em Lisboa transmitia como se fossem declarações a sério.


- É nesse bar que se encontra todos os dias com um grupo de amigos...
- É a nossa universidade de verão que se reúne, e é a única que tem a segurança social em dia, paga os seus impostos e não recebe subsídios do Estado.


- A caminhada na areia, fá-la para se obrigar a fazer exercício físico?
- É uma forma de relaxar. Vamos conversando, às vezes há jornalistas conhecidos que se juntam e aproveitam para fazer o seu trabalhinho, mas sabem que é só naquele momento, depois, tudo o que se diz ali é em
off
. Já passei alguns maus bocados por ter havido jornalistas de fora da Madeira que não perceberam nem respeitaram as regras do jogo, e essas brincadeiras de praia transformaram-se em sarilhos!


- Portanto, agora tem mais cuidado quando fala nessas ocasiões?
- Não, procuro que quem não conheço não vá. [A mulher faz uma expressão de aprovação...]


- E ouve a opinião da sua mulher?
- Eu oiço a opinião de todo o povo.


- Mas a da sua mulher deve ter mais peso?
- Obviamente, porque é casada comigo.


- Em tempos deixou entender que não se iria recandidatar...
- Antes de continuar a sua pergunta, deixe que lhe diga que é muito cedo para lhe dar essa 'cacha'. Teria muito prazer em fazê-lo, mas ainda não tomei qualquer decisão. Estou a pensar na minha vida.


- Diz-se que vai tomar essa decisão durante estas férias...
- Eu só tenho congresso do partido em março ou abril.


- Mas poderia fazer agora uma conferência familiar. Para tomar uma decisão dessas terá de falar com a família?
- Só que a família não está toda, logo, não há
quorum
.


Alberto João Jardim com a mulher
Alberto João Jardim com a mulher
Mike Sergeant
- Mas seria importante falar primeiro com a família?
- Ninguém vai fazer uma conferência formal e solene, vai-se trocar impressões.


- Porque é importante a opinião e o apoio deles?
- Convém ouvir todas as pessoas.


- Tenciona um dia escrever uma autobiografia?
- Se tiver tempo.


- Houve uma biografia sua, não autorizada, que saiu há pouco tempo...
- Sim, e que é uma série de mentiradas, que vai ser denunciada publicamente porque estou a tomar as notas e depois vou dizer onde estão as mentiras. Aquilo não é uma biografia, é uma reportagem feita junto de dois tipos de módulos: um módulo foi de gente que não me grama e o outro foi passar em revista a imprensa destes últimos 30 anos. A autora fez uma reportagem e depois chamou-lhe uma biografia não autorizada. De facto é não autorizada, é um chorrilho de aldrabices, e é lamentável que neste país se possa falar da vida das pessoas sem autorização delas.


- Daí fazer sentido começar a preparar a sua biografia, escrita na primeira pessoa?
- É preciso que eu tenha tempo. As biografias na primeira pessoa são sempre complexas. No meu caso, tudo o que fiz na vida foi com paixão, de maneira que a biografia também terá que ser feita com paixão e, quando assim é, as coisas perdem objetividade.


- Não tem sequer tópicos para a começar a organizar?
- A metodologia é sentar-me no arquivo do jornal da região e passar os olhos no que sucedeu nos últimos 32 anos, porque tomando nota dos factos acabo por me lembrar muito bem do que se passou em cada circunstância. A questão agora é fazer o tal trabalho de pesquisa e depois desenvolver ponto por ponto, isto leva anos.


- Os seus netos começam a perceber a importância do avô nesta ilha?
- Penso que o Pedro ainda não percebe, mas a Carlota começa a perceber. Ela é muito reservada e, portanto, às vezes é difícil perceber o que vai na cabeça dela.


- Quando está junto deles fala de política?
- Com os netos é só brincadeira. Já tive que criar três filhos - a minha mulher, fundamentalmente, é que os criou -, agora os outros que criem os seus filhos.


- Que brincadeiras gosta de partilhar com eles?
- O que me dá na cabeça. Ensino-os a serem malcriados, não muito pesadamente.


Alberto João Jardim
Alberto João Jardim
Pedro Melim
- Gosta de mimar os netos ou tem pouco tempo para mimos?
- Uma coisa é a afetividade, outra coisa são baboseiras. Isso não é comigo.


- Mas é um avô afetuoso?
- Sim, mas nada de excessos nem baboseiras.


- E partidas de ténis? Gosta de jogar quando aqui está?
- Só consigo jogar aqui no verão. Faz-me bem. Já não jogo muito tempo porque na minha idade já custa, mas isto não há dúvida que desenferruja. É preciso é não exagerar, não forçar, ter noção da idade que temos.


- Começa a ter em atenção a sua idade?
- Começo a gerir a idade quando estou a jogar. Por exemplo, quando jogo com o filho ou os genros, sei que já não vou ao cantinho do campo buscar a bola, mas tenho de pô-los a correr o mais possível para os cansar.


- Parece estar ligeiramente mais magro...
- Acho que não. Eu também penso que estou, mas a minha mulher diz que não, que é para me desmoralizar, para afetar o meu ego.


- Quer dizer que não se costuma pesar?
- Nunca, quero é sentir-me bem.


- E em relação ao álcool? É conhecido por gostar de beber uns copos...
- Neste país exagera-se tudo. Gosto de me divertir, sou como sou, nunca escondi às pessoas a minha maneira de ser, agora, não gosto de excessos. Aguento muito a bebida, podia estar uma noite inteira a beber, mas assim que me dá uma pancadinha de sono, não insisto, não forço a natureza. Tenho uma filosofia que é: faz o que a natureza te deixa fazer. A partir do momento em que sinto que tenho bebida a mais ou que estou cansado, aplico a mesma regra do ténis: há que gerir o corpo. O corpo manda. O corpo pede cama, vou para a cama, pede alimento... por aí fora, e tome as suas conclusões.


- Faz também questão de fazer uma sesta após o almoço?
- Em férias, uma horinha de sono, até porque forcei mais a máquina: joguei ténis, nadei e fiz a caminhada na praia todas as manhãs, portanto, também se justifica. Lá está o corpo a pedir.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras