Nas Bancas

Raquel Prates: "Sou refém do meu bem-estar"

A empresária fez questão de ser fotografada ao lado da Táta, uma cadela abandonada que foi recolhida pela apresentadora e agora é uma das imagens da campanha Missão Adopção Pedigree.

Joana Carreira
2 de setembro de 2010, 12:35

Sem saudades da televisão, mas sim das pessoas com quem trabalhou, Raquel Prates dedica-se atualmente de corpo e alma à revista Luxos Time, da qual é diretora, e à galeria de arte Artelection. Casada há quatro anos com João Murillo, a apresentadora, de 34 anos, confessa que ainda não sentiu o seu 'relógio biológico' dar horas, mas garante que uma gravidez será um momento de grande felicidade para si e para o marido.
Fotografada na casa de família no Algarve, onde gozou alguns dias de descanso, Raquel assume ser muito cuidadosa com o seu bem-estar e aparência, mas recusa a ideia de ser refém da sua própria imagem. Nem da imagem, nem de ideias preconcebidas relacionadas com o processo judicial que envolveu o marido. Sobre este tema, Raquel deixa uma certeza: "É com o que fazemos que nos preocupamos e não com o que fazem ou tentam fazer connosco."

- Este é o seu refúgio algarvio. É aqui que se prepara para mais um ano de trabalho?
Raquel Prates - As férias são essenciais para o bem-estar de cada um de nós. Servem para recuperar forças e perspetivar a nossa noção de tempo e espaço. Este é um local onde recupero as minhas forças e de alguma forma me preparo, não para o ano de trabalho, mas para todos os dias que vêm a seguir. É preciso dar, cada vez mais, uma outra atenção aos dias e não aos anos.

Raquel Prates
Raquel Prates
Nuno Miguel Sousa
- Estes são dias de descanso dedicados exclusivamente à família ou aproveita para fazer muitas daquelas coisas que a falta de tempo a impede de concretizar?
-
São dias consagrados às emoções e durante os quais se pode deixar um pouco de lado a racionalidade que o dia-a-dia nos impõe. Dias de sol, de praia, de mar e, claro, rodeada das pessoas mais importantes para mim.


- Tem saudades da televisão?
-
Não é da televisão que tenho saudades, tenho saudades de tudo aquilo que marcou a minha vida de uma forma positiva. Nunca fui dependente da televisão e sempre tive consciência do efémero que é esse mundo. É um mundo muito alicerçado no conceito de ilusão e entretenimento, que são dois conceitos abstratos que estão em permanente mutação, e nem sempre essas mudanças são positivas. Mas como gostei muito de tudo o que fiz, da forma como o fiz e das pessoas com quem o fiz, tenho que reconhecer as saudades que tenho de tudo isso.


- Recentemente disse numa entrevista que é uma mulher reservada, tímida... Isso quer dizer que a mulher que vemos nesta produção fotográfica é outra Raquel Prates?
-
Depreendo pela pergunta que considera que esta produção não foi reservada, nem tímida [risos]. Ser reservada e tímida não significa que não saiba lidar com uma exposição que sinto desde muito cedo, o que acontece é que sou sempre a mesma Raquel, que se relaciona com os desafios de forma diferente, por uma questão de personalidade e de aprendizagem.


- Tem muito cuidado com a sua aparência e é considerada uma das mulheres mais elegantes de Portugal. Sente-se refém da sua própria imagem?
-
Tenho cuidado comigo e é natural que isso se reflita na minha aparência. Não sou refém da minha imagem, mas sou refém do meu bem-estar. É profundamente lisonjeadora a forma como me consideram, mas não é um fim em si, julgo tratar-se de uma consequência agradável da preocupação que tenho, diariamente, com o meu bem-estar.


- Tendo em conta a atividade do seu marido, que é artista plástico, deduzo que existam discussões quase filosóficas sobre estética...
-
Conversas, sempre muitas conversas. O João é muito atento, estudioso e tem uma capacidade de fundamentação invulgar. Nós adoramos conversar, e como ambos temos um conceito de perfeição semelhante, que é na sua essência bastante imperfeito [risos], essa situação dá origem a muitas horas boas de conversa.


Raquel Prates
Raquel Prates
Nuno Miguel Sousa
- Gosta de ouvir a opinião dele antes de sair de casa?
-
Gosto e faço questão, porque gostamos ambos de partilhar tudo e de o fazer de uma forma generosa e sincera. É algo que aconteceu desde o primeiro dia e que simplesmente nunca deixou de acontecer.


- Completaram, em Junho, quatro anos de casamento. Que balanço faz desta união? O João continua a surpreendê-la?
-
Quem conhece o João sabe que é impossível ele não surpreender. É a natureza dele. O João está sempre a celebrar e a tentar encontrar o lado positivo das coisas e o mais engraçado é que encontra mesmo e tem a capacidade de nos envolver nesse processo. É por isso que fazemos balanços diários e, olhando para trás, são tantos dias, dos bons!


- Pelo meio viveram ou estão ainda a viver uma grande prova de fogo [com o processo judicial em que João Murillo foi acusado de ter agredido a ex-namorada]. É possível tirar alguma conclusão ou lição desta situação?
-
Esse é um não-assunto. Como sabem, nunca me pronunciei sobre ele e vou continuar a manter a minha posição. Há coisas na vida em que as atitudes subtraem as palavras. Mas posso dizer uma outra coisa: eu e o João sabemos que a forma como as entidades individuais e coletivas se querem relacionar connosco não são percetíveis nem na sua motivação, nem nos seus objetivos, por isso, canalizamos a nossa atenção para as nossas reações e não para os estímulos que vêm de fora. Por outras palavras, é com o que fazemos que nos preocupamos e não com o que fazem ou tentam fazer connosco~.


Raquel Prates
Raquel Prates
Nuno Miguel Sousa
- A Raquel tem 34 anos. Não sente despertar o relógio biológico? Para quando um filho?
-
Procuramos não pensar assim, não fazer projeções nem idealizações. Tenho um relógio biológico sem hora marcada no despertador, quanto este tocar, vamos ficar, os dois, ainda mais felizes.


- E as famílias? Têm pressionado para que isso aconteça?
-
Há uma área de conforto que só diz respeito à família que eu e o João inaugurámos. Sabemos que a restante família irá gostar tanto como nós, mas não nos pressionam.


- Fez questão de ser fotografada com a sua cadela, que recolheu depois de ter sido abandonada. Que mensagem gostaria de deixar a esse propósito?
-
A Diana, que depois passou a Batata e agora é só Táta, é um ser maravilhoso, que enche a nossa vida de alegria. É um de nós, faz parte da nossa casa, entende tudo, e é atenciosa e cuidadosa no superlativo destes carinhos. Eu e o João sabemos que nunca nos abandonará. Porque será que as pessoas abandonam seres frágeis e que nos amam incondicionalmente? Cada vez que alguém abandona um animal é responsável pela morte de um ser que depositava nessa pessoa todas as suas esperanças, mais que isso, todo o seu amor.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras