Nas Bancas

Ricardo Trêpa e Cláudia Jacques reafirmam o seu amor em São Tomé

Casados há seis meses, o ator e a relações-públicas gozaram uma segunda lua-de-mel no arquipélago africano. 

Joana Carreira
22 de agosto de 2010, 10:32
Ricardo Trêpa
, de 37 anos, e
Cláudia Jacques
, de 45, foram algumas das figuras convidadas para a White Sand Party, festa que se realizou no ilhéu das Rolas, em São Tomé e Príncipe, e que a CARAS testemunhou. Os oito dias que passaram naquele arquipélago do golfo da Guiné acabaram por ser uma segunda lua-de-mel para a relações-públicas e o ator e empresário, que se casaram em fevereiro deste ano. Sempre bem-dispostos, partilharam momentos de verdadeira paixão e cumplicidade, como se vê por estas fotos. Imagens a juntar aos muitos instantâneos que Cláudia, apaixonada por fotografia, trouxe para Portugal. Para assim partilhar um pouco o espírito desta viagem com as filhas,
Mafalda
, de 15 anos, e
Carolina
, de dez, fruto de duas anteriores relações.


- São um casal apaixonado por viagens. São Tomé foi uma experiência interessante?
Cláudia Jacques -
Adoro viajar, é o que mais gosto de fazer na vida, é mesmo uma prioridade para mim, logo a seguir à família. E São Tomé foi mais uma excelente oportunidade para tirar centenas de fotografias, porque a paisagem é encantadora. E é importante conhecermos realidades diferentes das nossas. Este é um país muito embrionário, que tem um povo fantástico e um longo caminho para percorrer.


Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
João Lima
- Não lhe custa deixar as suas filhas em Portugal quando viaja?
-
Uma semana passa a correr... Claro que tenho muitas saudades, mas sei que elas estão bem. E acredito que lhes faz bem sentirem a minha falta. E eu delas. Também têm de ter tempo para passar férias com os pais, e esta é uma ótima altura para isso. E a Mafalda tem quinze anos, já começa a ficar mais independente...


- Uma idade de grandes mudanças... Isso preocupa-a?
-
Assusta-me, claro. É uma idade muito perigosa, em que os jovens têm uma necessidade enorme de se afirmarem e de serem bem aceites pelo grupo onde estão inseridos. E, por vezes, isso pode levá-los a experimentar coisas ou a meterem-se em situações que não são de todo positivas, mas sobre as quais também ainda não têm perceção. Aquilo que digo sempre à Mafalda é que não dê ouvidos aos outros, que ouça sempre o seu coração e que siga os valores que tenho tentado transmitir-lhe. Asneiras é natural que as faça, tem de as fazer e estar preparada para as consequências. Tento protegê-la no que posso e encaminhá-la, mas não posso evitar tudo e estar sempre presente...


Ricardo Trêpa e Cláudia Jacques
Ricardo Trêpa e Cláudia Jacques
João Lima
- O Ricardo tem uma boa relação com as filhas da Cláudia?
Ricardo Trêpa -
Tenho, claro. Aliás, hoje em dia passo muito tempo com a mais velha, a Mafalda, que vive connosco. É muito parecida com a mãe, o que facilita bastante, pois já sei alguns truques para lidar com ela. [risos] É uma miúda fantástica, com muito bom coração e com valores com os quais me identifico, o que facilita ainda mais a nossa relação.


- Casaram-se há seis meses, mas começaram a namorar há alguns anos. Já chegou a altura de terem um filho em comum?
-
Tudo a seu tempo...

Cláudia -
Casámo-nos há tão pouco tempo!


- O casamento mudou muita coisa na vossa vida?
-
Mudou. Não tudo, mas alguma coisa. A essência da relação passou a ser outra. Enquanto éramos apenas namorados, não havia um compromisso tão intenso e tão a longo prazo. E isso implica outras formas de estar na relação e, no fundo, de projetarmos a nossa vida a dois... sempre.


- Fazem muitos planos?
Ricardo -
Quando tinha 20 anos, vivia mais o dia-a-dia, agora tento equilibrar as coisas, sou mais ponderado e responsável.


Ricardo Trêpa e Cláudia Jacques
Ricardo Trêpa e Cláudia Jacques
João Lima
- Sempre foram pessoas bem-dispostas, que gostam de se divertir, de sair à noite... O casamento veio trazer maior tranquilidade nesse aspeto?
Cláudia -
Saio mais à noite por questões de trabalho do que por diversão. Também me divirto, mas quando não tenho que sair por motivos profissionais, tento descansar e desfrutar desse tempo para mim e para a família.

Ricardo -
Já saí muito à noite e, apesar de continuar a gostar de ir beber um copo, prefiro não o fazer e acordar cedo para ir surfar. Gosto de me sentir mais saudável e cada vez mais ativo.


- A vossa cumplicidade é óbvia, mas a vossa relação assenta noutros valores também...
Cláudia -
Sim, depende do bem-estar de cada um e da confiança mútua. Quando confiamos na outra pessoa, conseguimos sempre o equilíbrio desejado e necessário para mantermos uma boa relação.

Ricardo -
Temos um código muito próprio e uma forma muito especial de lidarmos um com o outro, desde sempre. Penso que a chave do sucesso da nossa relação seja isso. O que me traz uma felicidade muito grande e uma vontade enorme de estar com a Cláudia.


- Em termos profissionais, tem algumas novidades...
-
Sim. O meu primo
Gonçalo Trêpa
convidou-me para entrar no negócio da restauração com o Mastige Bar, um espaço na praia do Castelo, na Costa de Caparica, e que tem corrido muito bem. E em setembro vou dar início a um novo projeto em Lisboa.


- Qualquer dia trocam mesmo o Porto por Lisboa...
-
Esse é o caminho a seguir. Eu já estou praticamente a viver em Lisboa, a Cláudia vem sempre que pode e passa vários dias por semana comigo. Vamos ver como vai ser no futuro...


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras