Nas Bancas

Joana Lemos afirma: "Estou superotimista com esta mudança"

No início do ano letivo, a empresária e os filhos juntar-se-ão a Manuel Reymão Nogueira, em Londres. 

Joana Carreira
16 de agosto de 2010, 10:25

Durante dois anos, Joana Lemos viveu longe do marido, Manuel Reymão Nogueira, que esteve a trabalhar na Polónia, no desenvolvimento de um projeto de uma unidade bancária portuguesa. Agora, Manuel está em Londres desde abril, a trabalhar no âmbito desse mesmo projeto, e porque para a empresária não faz sentido continuar longe do marido, decidiu juntar-se a ele, já no início do próximo mês, com os filhos de ambos, Tomás, de 11 anos, e Martim, de nove.
Antes da partida, Joana esteve no Algarve de férias e conversou com a CARAS sobre esta decisão que irá alterar a dinâmica de toda a família.

- Preparada para mudar de vida?
Joana Lemos - Completamente. Estou cheia de vontade de ir e superotimista com esta mudança. É um privilégio ter a oportunidade de acompanhar o meu marido para um país tão fantástico como é Inglaterra e para uma cidade que para mim é o centro da Europa, numa altura em que sinto o meu país parado. Julgo que vai ser muito bom para mim, mas em especial para os meus filhos.

- Já não fazia sentido continuar longe do Manuel...
- Este é um projeto que pode ser por tempo indeterminado, não podíamos continuar todos separados. Esta fase tem sido muito boa, a escolha do colégio, da casa, pois foi sempre tudo feito em família. Depois, também viremos a Lisboa frequentemente, para estarmos com o resto da família e com os amigos.

Joana Lemos com os filhos, Martim e Tomás
Joana Lemos com os filhos, Martim e Tomás
Mike Sergeant
- O Tomás e o Martim aceitaram bem esta mudança?
-
Eles andaram sempre no colégio inglês e muitos dos seus amigos também vão agora para fora. Julgo que esta experiência vai dar-lhes alicerces para a vida. É bom haver rotina na vida das crianças, mas também é fundamental que percebam que tudo pode mudar e que devem estar preparadas.


- E a Joana vai voltar a estudar, mais de dez anos depois...
-
É verdade. Vou tirar um mestrado em Jornalismo e estou muito entusiasmada. Vamos os três para a escola na mesma altura [risos].


- Os dois anos em que o Manuel esteve fora reforçaram a vossa relação?
-
Quando as pessoas têm admiração e amor uma pela outra, tudo se ultrapassa e o casamento faz sentido, o que é o nosso caso. Sempre disse que uma coisa é ultrapassar uma fase menos boa, que todos os casamentos com a longevidade do meu passam, e aí sim, as coisas saem reforçadas, agora dizer que a separação física reforça ou enfraquece é relativo.


- Mas houve alturas em que as coisas correram menos bem?
-
Claro que sim, mas depois, na base de tudo, havia o amor. Era incapaz de viver infeliz ou num casamento de fachada. Eu e o Manel crescemos juntos e já passámos por muita coisa boa, excelente, má e péssima, mas se na base dos nossos carácteres temos algumas divergências, temos outras rigorosamente iguais. E fazemos das nossas diferenças as nossas semelhanças.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras