Nas Bancas

Nuno Graciano e Nuno Eiró: Sentido de humor ao serviço da música 'pimba'

Os dois apresentadores de televisão embarcaram num projeto que passou de uma brincadeira a uma coisa séria.

Joana Carreira
10 de agosto de 2010, 17:36

Têm a imagem e a música ideais para animar o cartaz de qualquer festa de verão. Estão preparados para subir a palcos improvisados, palanques, praças e pracetas. A música e boa disposição dos Nunos & Nunettes será sempre a mesma e quando acompanhada por salpicão caseiro, pão e bom vinho, de preferência espumoso, que sempre condiz mais com os brilhos e com a classe dos verdadeiros artistas, melhor ainda.
Agora a sério: tudo começou por ser uma brincadeira, fruto de uma característica que é comum a Nuno Graciano e Nuno Eiró, o sentido de humor. A brincadeira já valeu a edição de um disco produzido à séria, Pimba Chic, em que os dois estiveram debaixo do 'olho clínico' de Emanuel, o mágico da música 'pimba'. As famílias, essas, são as maiores fãs e até já cantam de cor os temas do grupo.

- O duo nasceu mesmo de uma brincadeira?
Nuno Graciano - Isto foi uma brincadeira que se transformou numa coisa séria. Tudo começou quando eu e o Nuno estávamos a fazer o Flagrante Delírio para a SIC e fomos fazer um apanhado às Caldas da Rainha com uma cantora da chamada música pimba e percebemos que ela vivia bem. Então perguntei ao Eiró: 'O que é que nós andamos aqui a fazer, a brincar às televisões e aos apresentadores? Temos é de cantar." Ele achou que eu estava maluco. Não foi assim Eiró?
Nuno Eiró - Na realidade, ainda hoje acho!
N.G. - Vai daí, tudo isto começou a ganhar uma dimensão que não esperávamos. Fomos falando com vários produtores musicais e começámos a achar que isto podia ter pernas para andar. Primeiro, porque nos dávamos muito bem, e damos, depois, porque nos divertimos muito os dois. Sabíamos que a televisão acaba por nos separar das pessoas, e arranjámos um 'móbil do crime' com que entretivéssemos as pessoas e através do qual pudéssemos estar junto delas, mas que nos permitisse ser fanfarrões vida fora. Falámos com o Emanuel e ele achou imensa graça ao projeto, mas 'tramou-nos' ao obrigar-nos a ter aulas de canto durante um ano. Para ser ele a produzir, tinha de ser uma coisa bem feita. E lá fomos!

Nuno Graciano e Nuno Eiró com as Nunettes
Nuno Graciano e Nuno Eiró com as Nunettes
Mike Sergeant
- Alguma vez tinham pensado ser cantores?
-
Nunca na vida!

N.E
. - Então, e eu? Nada!

N.G
. - Acabámos por conseguir ter algumas bases e fomos treinando. Depois, foram aparecendo as músicas e começámos a pôr as letras. Temos algumas músicas já conhecidas, mas com letras originais.


- Feitas por quem?
N.E. -
A nossa aposta foi exatamente ir buscar os autores das músicas originais e pedir-lhes que dessem outra roupagem adaptada à figura dos Nunos & Nunettes.

-
Acho que toda a gente acreditou mais depressa neste projeto do que nós, por isso é que fomos protelando. Se não fosse o Emanuel a chamar-nos à terra, a coisa ainda não tinha chegado a bom porto. Nós somos muito estroinas, temos as ideias, mas depois...


- Já ganham dinheiro?
-
Já podemos dizer que somos cantores profissionais. Nós não ganhamos dinheiro, temos uma forma mais chique de dizer: nós auferimos dinheiro!


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras