Nas Bancas

Rosarinho Cruz: "Sou fã de mim"

A pintora e designer de joias vive uma fase muito tranquila aos 50 anos.

Joana Carreira
28 de julho de 2010, 12:28

A meses de completar 50 anos, Rosarinho Cruz conversou com a CARAS sobre o seu percurso pessoal e profissional e, com a paixão que a caracteriza, fez o balanço da sua vida. Apaixonada, divertida e amiga, a designer de joias e pintora nasceu rodeada de arte e é nesse mundo que se realiza. Fala dos pais com admiração e agradece-lhes a infância que teve, entre os livros e a pintura, ultrapassado o trauma da separação precoce de ambos.Divorciada há três anos do seu segundo marido, com quem teve dois filhos, Marta e Manuel, de 27 e 11 anos, respetivamente, Rosarinho não esconde a mágoa pelo fim desta relação, que durou 24 anos e terminou da pior forma, com uma traição. Pelo contrário, é com amizade que recorda o seu primeiro amor, do qual nasceu João, hoje com 30 anos. Dos filhos, diz que são os seus "grandes amores, as joias mais bonitas que criei". E enquanto os mais velhos já são independentes, é a Manuel que a criadora dedica hoje o seu dia-a-dia.

- Em Novembro faz 50 anos, que balanço faz da sua vida?
Rosarinho Cruz - Não sou dada a balanços, mas quando olho para trás o saldo é positivo. A nível pessoal, tenho os meus dois filhos mais velhos criados e independentes e o mais novo cá em casa, que me faz companhia e é a minha razão de viver. Profissionalmente, sinto-me realizada, estou bem comigo, gosto do que sou e reconheço os meus defeitos...E estou muito feliz por fazer 50 anos!

Rosarinho Cruz
Rosarinho Cruz
Joaquim Norte Sousa
- Não tem, portanto, medo de envelhecer?
- Nunca! Quando olho para o espelho sinto-me ótima. Mentalmente, estou ativa e numa fase bastante criativa. E emocionalmente vivo momentos tranquilos. Sou uma pessoa humana, sensível, amiga do meu amigo, e sinto-me bem assim.


- Que papel é que os seus filhos têm na sua vida?
- O João é o meu tesouro. Nasceu do meu primeiro casamento, com
José Luís Baptista
. Foi uma paixão louca. Começámos a namorar com 13 anos e casámo-nos aos 19. Mas éramos mais amigos que outra coisa qualquer, por isso separámo-nos três anos depois. Ainda hoje continuamos bons amigos e damo-nos muito bem. Passou pouco tempo até conhecer
o Pedro Sousa Pires
e, sem pensar muito, casámo-nos. A Marta, a minha princesa, nasceu meses mais tarde. E o Manuel quando eu tinha 37 anos. Estive casada 24 anos e só há três me consegui libertar.


- Como é que a Marta e o Manuel lidaram com a separação dos pais?
- A Marta tinha acabado o curso de Psicologia e mandou-se para Moçambique para integrar uma ONG. Acho que foi a forma que encontrou para fugir de tudo o que se estava a passar cá em casa. Já o Manuel foi mais complicado. Tinha nove anos e ainda hoje sinto que o seu comportamento foi alterado pelo que sofreu. É um miúdo revoltado e sofrido. Eu sou filha de pais separados e sempre fui feliz, porque, por mim, os meus pais davam-se bem. Neste caso, isso não acontece. O meu ex-marido é mal formado e não é bom pai. Não me ajuda na educação do Manuel nem em nada. Vive no estrangeiro e lida com o filho por telefone. Não comunica comigo, e isso é fundamental. Ele não precisava de fazer conversa comigo, bastaria falarmos sobre o Manuel, porque ele é um bem comum.


Rosarinho Cruz
Rosarinho Cruz
Joaquim Norte Sousa
- O seu casamento terminou da pior maneira, mas como foram os anos em que estiveram juntos?
- Foram sempre maus. Eu é que sou uma lutadora e lutei pela minha família, apesar de ter sido sempre infeliz e maltratada. Deixo o alerta a todas as mulheres: quando sentirem que não são respeitadas, desistam, porque quando há falta de respeito não vale a pena ir em frente. E eu fui muito desrespeitada durante 24 anos. E tolerei tudo pela família. Foi o grande erro da minha vida. Lutei por um casamento falhado desde o primeiro momento. Estive 24 anos sozinha, apesar dele estar sempre em casa.


- O que a fez pôr um termo a tanto sofrimento?
- A traição. Fui perdoando e protelando enquanto achava que ele era fiel. Mas a infidelidade eu não perdoo, porque a fidelidade é dos princípios que mais prezo. Sofri muito no início, não por o ter perdido, mas por ter percebido que a minha luta tinha chegado ao fim. Durante 24 anos, tentei convencê-lo de que tínhamos tudo para ser felizes, tínhamos uma família, mas não consegui. Hoje sinto-me liberta. Consigo respirar fundo. Acabaram-se os ataques de ansiedade.


Rosarinho Cruz
Rosarinho Cruz
Joaquim Norte Sousa
-
Como tem vivido estes tempos pós-divórcio?
- Ao princípio estive muito mal. Tive anorexia e depressão, que para mim nada mais era que um acumular de tristeza. Depois, comecei a acordar e renasci.


-
Sente-se disponível para voltar a partilhar a sua vida com outra pessoa?
- Sim, não hei de acabar sozinha, mas tornou-se mais complicado, porque ao primeiro sinal de alguma parecença ao meu ex-marido fujo. Sou extremamente terna, adoro mimar, e para me apaixonar tenho de encontrar um homem educado, bem formado, sensível, alguém que entenda a minha linguagem, divertido, e que seja sensível à arte. E, acima de tudo, que seja fiel.


-
Apesar da sua principal profissão ser animadora cultural da Câmara de Matosinhos, as suas joias são o seu principal cartão de visita. Como se divide?
- Adoro o que faço na Biblioteca de Matosinhos, porque trabalho muito com crianças, mas o que me realiza e satisfaz é trabalhar as minhas joias e pintar. Trabalho com o brilho do ouro e a beleza das pedras preciosas e faço peças lindas. Sou completamente fã de mim mesma e reconheço que as minhas joias são fantásticas.


-
As suas clientes são, acima de tudo, amigas, porque ficam com parte de si sempre que lhe compram uma joia. Sente-o assim?
- Logo depois de conhecer as pessoas, faço amizade. Adoro dar de mim, seja numa joia ou numa conversa. Aliás, a primeira vez que trabalhei, tinha 17 anos, foi como voluntária da Liga dos Amigos do Hospital Santo António. Formei uma biblioteca para os doentes e de tudo o que fiz até hoje foi o que mais gostei. E hoje digo que gostava de voltar a um hospital. Adoro o meu trabalho e não penso deixar nada, mas quando for mais velha hei de voltar a ser voluntária.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras