Nas Bancas

Mafalda Vilhena e Pepê Rapazote revelam: "Temos tido um casamento maravilhoso"

Casados há oito anos, os dois atores revelam que continuam apaixonados como no dia em que se conheceram. A este amor juntaram-se Júlia e Leonor.

Andreia Guerreiro
19 de julho de 2010, 10:26

Assim que se conheceram, durante as gravações da telenovela Ganância, exibida na SIC, Mafalda Vilhena, de 37 anos, e Pepê Rapazote, de 39, apaixonaram-se de imediato. Casaram-se em Março de 2002, e hoje têm duas filhas, Júlia, de cinco anos, e Leonor, de seis meses. Foi sobre esta união, mas também sobre a forma como encaram a vida e como a paternidade os mudou, que os dois atores conversaram com a CARAS durante um fim de semana passado em família, no troiaresort.

- Como descreveriam estes oito anos de casamento?
Pepê Rapazote -
Péssimos. [risos] Temos tido um casamento maravilhoso, sem reclamações.
Mafalda Vilhena - Se assim não fosse, não teríamos tido outro bebé.

- Qual é o segredo?
-
Não sei se existe, mas o respeito é fundamental.
Pepê - Não quero parecer moralista, mas acho que pode resumir-se a uma questão de formação, mas também de amor e maturidade. O casamento deve ser encarado com seriedade. É algo para a vida, e se não for dessa forma, não vai dar certo.

Pepê Rapazote e Mafalda Vilhena com as filhas, Júlia e Leonor
Pepê Rapazote e Mafalda Vilhena com as filhas, Júlia e Leonor
Nuno Miguel Sousa
- A vossa vida mudou muito desde que foram pais?
-
Imenso, e a todos os níveis. Como casal, conseguir o equilíbrio é muito complicado, principalmente agora, com a segunda filha, pois é preciso gerir outro género de coisas, como ciúmes.

Mafalda -
Quando éramos só os três, funcionávamos como um triângulo, agora, é um quadrado, e quando um está com uma, o outro está com a outra. Reencontramo-nos lá para as quatro da manhã. [risos]

Pepê -
Até na nossa vida profissional as coisas mudaram, tudo tem de ser muito conversado, para que ninguém fique sobrecarregado. E também a nossa vida social e cultural arrefeceu em função de uma prioridade maior.


- E a Júlia, como tem reagido ao facto de já não ser filha única?
Mafalda -
Nós somos muito presentes e o tempo é a melhor cura para tudo. Faz parte da vida e as coisas são mesmo assim. Ela é muito paciente, tem aquela ciumeira normal, mas é realmente uma grande mudança.


- E para vocês, como foi voltar a ter um bebé em casa, cinco anos depois?
-
É como se tivesse sido ontem, não se perde a prática. [risos] Julgo que a maior diferença é que estamos mais tranquilos. Sou um pouco mais stressada do que o Pepê, mas acho que faz parte das mães.


- Sempre quiseram ter mais do que um filho?
-
Nunca tinha pensado em ter filhos, depois, o Pepê queria muito, e tivemos a Júlia. A seguir, andou a convencer-me quase cinco anos e tivemos a Leonor... E realmente é a melhor coisa do mundo.


- De certa forma, esta decisão pode ser considerada como uma 'prova de amor' por parte da Mafalda.
-
Era um grande sonho do Pepê e por ele teria muitos mais. É evidente que se num casal algum dos elementos tem um grande sonho, não há por que não ajudarmos a realizá-lo. Só se eu não quisesse mesmo ter filhos, o que também não era o caso. É óbvio que é também um ato de amor, pois fomos os dois que produzimos estas meninas maravilhosas.

Pepê -
Não tenho nada a acrescentar. [risos]


Mafalda Vilhena e Pepê Rapazote com as filhas, Júlia e Leonor
Mafalda Vilhena e Pepê Rapazote com as filhas, Júlia e Leonor
Nuno Miguel Sousa
- Sentem que o facto de terem a mesma profissão ajuda no bem-estar da relação, pois entendem mais facilmente as ausências um do outro?
Mafalda -
Sinceramente, acho que não tem nada que ver, mas sim com a personalidade.

Pepê -
De facto, esta é uma profissão com muitas tentações, mas tudo isso tem que ver com respeito e com a relação que se tem com a pessoa.


- Quais são os principais valores que querem transmitir às vossas filhas?
-
Gostava que fossem os mesmos que me transmitiram a mim, pois acho que tive uma educação fantástica. Julgo que a principal obrigação dos pais é incentivar os estudos, depois, elas têm de fazer pela vida. Claro que terão sempre os pais à espera, mas têm de trabalhar muito e não esperar facilidades.

Mafalda -
Também é fundamental serem generosas.

Pepê -
Mas não demasiado, pois há quem o confunda com tolice. Devem ser assertivas, mas generosas.


- Como se consideram enquanto pais? Permissivos ou autoritários?
-
Permissivos e muito pacientes. Converso sempre com a Júlia como se ela fosse uma adulta e explico-lhe tudo.

Mafalda -
Também é preciso explicar que a Júlia é muito adulta, a cabeça dela é assustadora. Ela é extremamente compreensiva e se lhe pedir para não fazer alguma coisa, ela entende.


Mafalda Vilhena com as filhas, Júlia e Leonor
Mafalda Vilhena com as filhas, Júlia e Leonor
Nuno Miguel Sousa
- Agora com uma bebé, a logística para sair de casa não deve ser fácil...
-
É muito trabalhoso. É de dar um tirinho na cabeça. [risos]

Pepê -
Até há três meses, a Leonor não tinha regras e era uma desgraça, desde que tem, dorme 12 horas seguidas. Por isso, temos de abdicar de algumas coisas em função dos horários dela.


- Fazem por ter tempo a dois?
Mafalda -
Gostávamos muito de ter mais. Fomos ao Rock in Rio e éramos como dois namorados, até deixei de ouvir a música para olhar para o Pepê. [risos] Momentos como esse fazem muita falta. Tem de haver muito amor entre o casal para lidar com as alterações que os filhos trazem às relações.

Pepê -
Um filho pode realmente destruir uma relação se não houver amor suficiente entre o casal. O afastamento pode surgir devagarinho e quando se acorda já não há volta a dar.


- Todos os clichês em torno da paternidade são verdadeiros?
-
Totalmente. Sonho em ser pai desde os 12 anos e lembro-me que nessa altura pensava que gostava de ter um filho aos 20, para ter um companheiro aos 40. Houve alturas em que pensei ser educador de infância e li imensos livros, e julgo que também é isso que me faz educar as minhas filhas com tanto cuidado, pois sei que mais que bater, as palavras são terríveis.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras