Nas Bancas

Diana Chaves revela: "Quero ter uma vida estável, mas não sou obcecada por isso"

A apresentadora, que regressou às gravações de 'Salve-se Quem Puder', recorda as férias que passou com o namorado, em Portugal.

Andreia Guerreiro
16 de julho de 2010, 12:54
Diana Chaves
está de regresso às gravações de
Salve-se Quem Puder
, da SIC, depois de ter desfrutado de uns dias de férias com o namorado,
César Peixoto
, que entretanto também já regressou ao trabalho com a equipa do Benfica. A atriz e apresentadora, de 29 anos, confessa o desejo de ser mãe, mas não estabelece prazos. Sabe apenas que já encontrou o pai ideal.


- Como está a ser o regresso a Salve-se Quem Puder?

Diana Chaves -
É um trabalho árduo, com gravações diárias durante várias horas, mas já estava com saudades e soube-me bem voltar. Foram sete meses de paragem e as pessoas já me perguntavam quase todos os dias pelo programa.


- É um programa que vive muito da sua interação com o Marco Horácio...

- Ele é a peça fundamental! Adoro o Marco, é um excelente profissional e uma pessoa maravilhosa. Quando esses dois fatores se juntam, faz o artista perfeito. E penso que temos uma boa cumplicidade a trabalhar. No ano passado, quando fiz o
casting
, perguntaram-me com quem gostaria de apresentar este programa se fosse a eleita, e eu disse:
"O Marco Horácio."
Quando ia a sair, o Marco estava a entrar, e fizemos logo um
casting
juntos, e acabámos por ficar.


- Gravar este programa deixa-lhe muito pouco tempo livre...

- Nem é só o tempo, mas o desgaste físico. Gravamos o dia inteiro, paramos apenas para comer ou trocar de roupa. É muito desgastante, porque não temos um guião ou teleponto, é tudo improviso.


- Consegue reservar algum tempo para a sua vida pessoal?

- Claro, isso tem que haver sempre. Para mim, o mais importante é a estabilidade a nível pessoal. Se a tivermos, tudo o resto corre muito melhor e fazemos tudo com mais energia.


- E tem sido fácil conseguir essa estabilidade?

- Sim. Tenho muita sorte... também procuro essa sorte. Tenho uma família maravilhosa, estou rodeada de pessoas fantásticas que me amam e que eu amo, e que são aquelas que quero que me rodeiem. Isso é essencial, para mim é básico. Sou uma pessoa muito feliz, sempre fui. Sempre tive muito amor e uma família muito unida.


- O facto do César ser futebolista e, como tal, também ter horários fora do comum, facilita a gestão do tempo para namorarem?

- Claro que sim. Mas em todas as relações tem que haver um equilíbrio, que tem de se procurar. Existem sempre formas de superar tudo, até a falta de tempo. Às vezes temos que nos adaptar, que ceder um pouco, tal como a outra pessoa. Mas são coisas naturais. Não sinto nada que tenha de fazer esforços, é tudo tão normal.


- Num ano em que o Benfica foi campeão, as vossas férias devem ter sido maravilhosas...

- Ele está muito feliz, claro que sim. Estamos todos. As férias foram as possíveis, ficámos em Portugal e correu tudo lindamente. Sempre que estamos juntos é muito bom.


- Faz planos para o futuro?

- Sinceramente... não. Tenho vivido sempre assim. Preocupo-me, claro, quero ter uma vida estável, mas não sou obcecada por isso. Sendo uma pessoa saudável e com muita energia, sei que não tenho que ser atriz ou apresentadora o resto da minha vida. Neste momento é o que faço, mas já fiz muitas outras coisas e era feliz. Se tiver que voltar a fazer as mesmas coisas, fá-lo-ei com o mesmo empenho.


- A sua vida atravessa uma fase bastante equilibrada... pensa no próximo passo, ser mãe?

- Claro. Penso nisso... Como quase todas as mulheres e homens, há o sonho de sermos pais. Também sinto isso, mas não é nada de urgente, quando tiver que ser, será.


- Mas sente que encontrou a pessoa certa para dar esse passo? O César é um pai fantástico...

- Sem dúvida. O César é um pai fantástico. Convivo com o César enquanto pai, e não só como meu namorado, e não tenho dúvidas de que ele é o melhor pai do mundo. Encontrei a pessoa certa, o pai ideal para o meu filho...


- A sua profissão exige alguns cuidados com a imagem. Como é que mantém a boa forma?

- [risos] Na verdade, como muito! Sempre que posso, tento fazer exercício, não só pelo corpo, mas porque me faz falta. Mas não resisto a umas batatas fritas. Ao mesmo tempo, também gosto de ter uma alimentação saudável, pelo que não me custa não comer certas coisas. E como sempre pratiquei desporto de alta competição, consigo manter a forma.


- Se soubesse que iria ter uma vida mediática e que a sua privacidade estaria mais comprometida, voltava atrás e continuava no desporto?

- Não me arrependo de nada do que fiz ou do que abdiquei até hoje. Voltava a fazer a minha vida igual em tudo, em especial essa parte do desporto, que foi a melhor que alguma vez vivi. O meu sonho era poder ainda ser atleta de alta competição. Mas nem tudo é possível...


- Quer dizer que esta carreira de atriz e de apresentadora foi um recurso?

- Foi uma oportunidade que surgiu e eu agarrei. E cá estou com muito gosto, adoro o que faço. Mas nunca foi um sonho para mim.


- Como foi atleta, deve compreender bem o trabalho do César e o regime que ele tem que cumprir...

- Claro que sim. Apesar de serem desportos diferentes, eu percebo perfeitamente o que é ter que abdicar de algumas coisas. Apoio sempre o César e percebo tudo o que ele tem que fazer pela profissão. No fundo, esse é o meu dia-a-dia também, porque até aos 22 anos vivi esse ritual e ainda está dentro de mim.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras