Nas Bancas

Ana Moura: "Tenho tido pouco tempo para a minha vida pessoal"

Ana Moura e Diana de Cadaval encontraram-se para uma conversa franca e informal que decorreu à mesa, enquanto partilhavam um chá. Nela, a fadista revela-se uma pessoa simples, a quem o sucesso não subiu à cabeça, e que orienta a sua carreira pela naturalidade e a honestidade.

Melissa Tavanez
6 de julho de 2010, 10:29

Ana Moura, grande voz do fado e vencedora do Globo de Ouro de Melhor Intérprete Individual na categoria de Música de 2009, uma distinção que a deixou "muito feliz", aceitou o meu convite para um encontro e uma conversa. Com 31 anos, tem quatro discos editados: Guarda-me a Vida na Mão, Aconteceu, Leva-me aos Fados e Para Além da Saudade. Já cantou com os Rolling Stones no Estádio de Alvalade perante 30 mil pessoas e está a trabalhar num projeto com Prince. Neste momento, passa mais tempo no estrangeiro do que em Portugal.

- O fado parece estar na moda. Acha mesmo que os jovens deste tempo ouvem fado, compram discos de fado e vão às casas de fado?

Ana Moura - Nos meus concertos vejo cada vez mais gente nova. O fado não é uma questão de moda. Há uma geração nova que o canta e que dá a sua interpretação nova ao fado. E não só os intérpretes, mas também os músicos trazem uma abordagem nova. Isso tudo faz com que os jovens se identifiquem com o fado e o procurem.

- A Ana cresceu com o fado ou foi o fado que foi crescendo na Ana?

- Foi o fado que foi crescendo em mim. Eu tive um primeiro contacto com o fado através dos meus pais, só que, como qualquer jovem, comecei a ter interesse por outros géneros de música. Mas sempre com um carinho especial pelo fado.

- Quem são as suas grandes referências?

- Amália Rodrigues. Ela reunia todas as qualidades que eu acho necessárias para um intérprete de eleição. Tinha um timbre único, uma extensão vocal enorme. E a alma e o bom-gosto com que interpretava, tudo de uma forma muito natural, nada exibicionista...

- Em que se inspira quando começa um novo álbum ou uma nova turné?

- Depende... Os meus álbuns não têm tido um conceito comum. Vão-me oferecendo músicas, poemas... Tudo vai sendo recolhido por paixões do momento. O fado vive muito disso, da espontaneidade, daquilo que se sente no momento. Eu vou procurando as minhas inspirações nas minhas experiências do dia-a-dia.

- Há um lugar especial?

- É engraçado, porque esse lugar especial é um lugar muito simples. É o jardim onde passeio a minha cadela. Eu tenho uma cadela que adoro. Esses passeios nesse 'meu' jardim inspira-me muito.

Ana Moura
Ana Moura
Salvador Colaço

- Já cantou nos quatro cantos do mundo. Qual foi o país que a marcou mais?

- Todos me têm marcado de diferentes formas. Adoro sentir que viajei mesmo, sentir que estou num sítio completamente diferente. E a viagem à China marcou-me muito pela diferença cultural, que é muito grande. Na China, fui aos templos e fiz os rituais todos. Já Cuba marcou-me muito pela essência das pessoas, as pessoas são muito bonitas, muito afectuosas e são naturalmente cultas.

- E qual foi o público mais acolhedor?

- Cada público tem a sua maneira de se exprimir. O público para quem canto mais é o do Norte da Europa, em países como a Holanda, a Finlândia e a Suécia. Eles de facto são muito tímidos, durante os concertos não se expressam muito, mas depois, no final, não nos deixam sair do palco. Gosto muito do público norte-americano, é muito comunicativo.

- Passa mais tempo em Portugal ou no estrangeiro?

- Neste momento, com todas as minhas digressões, é no estrangeiro.

- Qual é o lugar onde mais gosta de estar depois de Portugal?

- Depende do meu estado de espírito, mas provavelmente escolheria Amsterdão, porque é como uma segunda casa para mim. Quando faço digressões à volta da Holanda, fico sempre em Amsterdão, e depois vou viajando. É uma cidade muito bonita e com imenso charme.

Ana Moura
Ana Moura
Salvador Colaço

- O que faz nos seus tempos livres?

- Quando os tenho, aproveito para estar com a minha família. Sobretudo com a minha sobrinha, que vive na Madeira. Gosto muito de ler, de ouvir música. A música é muito importante para mim, tem um poder enorme na minha vida. Por vezes estou triste e sei qual é o CD que vou pôr para me fazer mudar de estado de espírito.

- O que é que lhe falta fazer?

- O que me falta é dedicar-me a mim própria! Tenho tido pouco tempo para a minha vida pessoal. Há muito tempo que não tenho férias, há quase seis anos! Tenho o problema de não saber dizer não na minha vida profissional. À conta disso, vivo a um ritmo alucinante.

- Qual foi a sensação de ter cantado com o Mick Jagger no Estádio de Alvalade?

- Indescritível! Quando subi ao palco, vi logo o Ron Wood e o Keith Richards, que são muito brincalhões e começaram logo a brincar comigo. Eu estava muito nervosa, e aquilo fez com que me sentisse mais à vontade. Caminhei em direcção ao Mick Jagger e o público começou a gritar o meu nome, e isso acarinhou-me. Muitas vezes não tenho a oportunidade de usufruir dos momentos na plenitude, porque quero dar o meu melhor, mas nesse momento fui feliz. Foi mágico!

- O que aprendeu com os Rolling Stones?

- Conhecê-los pessoalmente permitiu-me perceber que estrelas planetárias podem ser tão humanas e tão simples... Digo isto porque no início da minha carreira, eu, que sou introvertida e um pouco tímida, trabalhava com pessoas que achavam que eu devia adotar uma personagem, mas nunca encarei a música dessa forma. Queria ser natural e honesta. O facto de ter "lutado" contra essas pessoas, que queriam o meu bem, e depois conhecer os Stones e perceber que eles não precisam de personagens foi muito importante para mim.

- Em que consiste o Rolling Stones World Music Project, projecto do saxofonista Tim Ries em que participou?

- São vários artistas que cantam músicas dos Stones, mas com o seu próprio estilo e interpretação. Estou acompanhada da guitarra portuguesa e da viola, canto metade da música em português, com o meu jeito de fadista, e a outra metade em inglês e como os Stones a tocarem. Gravei Brown Sugar e No Expectations. São artistas de todo o mundo, conta com 65 cantores e músicos provenientes de 13 países e é cantado em nove línguas. O disco foi gravado nos quatro continentes, em seis cidades, no espaço de 18 meses.

Diana de Cadaval a entrevistar Ana Moura
Diana de Cadaval a entrevistar Ana Moura
Salvador Colaço

- Sente que de uma certa forma promove a cultura portuguesa no estrangeiro?

- Sim, sem dúvida, sinto essa responsabilidade, esse peso. Porque cantar fado não é como cantar outro tipo de música. Sinto que exporto uma parte da cultura portuguesa.

- Quem lhe faz os seus vestidos de palco?

- O José António Tenente, há quase dois anos. Identifico-me muito com a personalidade do Zé.

- O que faz para se manter em forma?

- Bebo muita água. E tenho que comer bastante para manter o meu peso, senão emagreço de mais e não fico bem.

- Há alguma causa humanitária a que gostasse de se dedicar?

- Gostava muito de me associar a Ale-
xandra de Cadaval
nos seus projetos em Moçambique, contribuir para o seu trabalho com as crianças com sida.

*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras