Nas Bancas

Aos 30 anos, Lourenço Beirão da Veiga confessa que os carros são a sua paixão, mas que é junto da sua família que se sente completo

O piloto de automóveis recebeu-nos em sua casa com os sobrinhos, Martim Morais, de dez anos, e Vera Bullosa, de dois.

Andreia Guerreiro
6 de junho de 2010, 17:26

Lourenço Beirão da Veiga poderia ter sido jogador de futebol não fosse a mãe, Helena Guedes, o ter tirado dos relvados por causa das más notas na escola. Passou a dedicar-se aos karts, porque não lhe roubavam tanto tempo aos estudos, mas nunca mais largou os carros e fez disso a sua profissão. Hoje, com 30 anos, é um dos corredores mais promissores do País.

A CARAS foi conhecer melhor este piloto, que nos recebeu na sua casa, em Lisboa, com os sobrinhos Martim Morais e Vera Bullosa, de dez e dois anos.

- Como é que surgiu esta paixão pelos carros?
Lourenço - Aos 12 anos, quando um primo me levou ao kartódromo de Évora. Experimentei e adorei. Na altura jogava futebol, no Belenenses, e como as notas não eram as melhores, a minha mãe tirou-me do futebol. Mas para não me tirar tudo de uma vez, achou melhor deixar-me os karts, visto que era uma coisa que me roubava menos tempo, pois só praticava aos fins-de-semana. Mal ela sabia que iria tornar-se uma coisa séria e que as corridas acabariam por me tirar mais tempo do que o futebol...

- Suponho que a sua mãe se tenha arrependido dessa decisão...
- Arrependeu-se. Quanto mais não seja, porque é um desporto mais perigoso. Acabou por não ter sido a melhor opção para ela. Mas para mim foi. Acabei por seguir aquilo de que mais gostava, que são as corridas. E tudo começou por uma brincadeira...

Lourenço Beirão da Veiga com os sobrinhos, Martim Morais e Vera Bullosa
Lourenço Beirão da Veiga com os sobrinhos, Martim Morais e Vera Bullosa
João Lima
- Apesar do Martim ainda só ter dez anos, já o influencia ou incentiva a correr também?

- Houve uma altura em que tentei que ele começasse a correr. Tinha uns quatro ou cinco anos quando o levei a um kartódromo, só que não havia kart disponível para o tamanho dele. Há uns dias voltei a levá-lo lá, ele experimentou e adorou. Portanto, acho que vamos ter mais um corredor na família.


- A sua irmã é que não deve achar muita piada a isso...

- [risos] Não, mas ela já viu por mim que não é assim tão perigoso.


- É muito próximo dos seus sobrinhos?

- Sim. A minha irmã
Marina
mora aqui ao lado, por isso, tenho uma óptima relação com o Martim e a Vera. A
Carlota
[
Gião
] não mora muito longe e também consigo estar com os meus sobrinhos
Manuel e Camila
... Sempre fui um tio presente, tenho sempre tempo para eles. Com o Martim e a Vera estou mais vezes, porque janto muitas vezes na casa da Marina... Somos muito unidos.


- E quando é que pensa ter os seus filhos?

- Penso nisso, quero ter os meus filhos, mas primeiro tenho de arranjar namorada. [risos] Enquanto não encontrar a pessoa certa, não vale a pena. Por enquanto, vou tirando partido dos meus sobrinhos.


- Será o facto de passar tanto tempo fora, nas corridas, que o impede de arranjar namorada?

- Acho que não. Simplesmente, ainda não calhou encontrar a pessoa certa. Eu sei que a minha profissão me ocupa muito tempo, mas dá perfeitamente para estar com alguém, para conciliar as coisas, até porque eu moro cá em Portugal e é aqui que tenho a minha vida. E quando se quer muito, tudo acontece. Ainda não aconteceu, mas quando aparecer a tal pessoa, quero ter filhos e constituir a minha família.


Lourenço Beirão da Veiga com o sobrinho Martim Morais
Lourenço Beirão da Veiga com o sobrinho Martim Morais
João Lima
- Voltando às corridas. Começou muito novo. Que implicações é que isso teve na sua vida? Deixou a escola?

- Na altura dos karts conseguia conciliar facilmente com a escola, mas depois, quando passei para os automóveis, aos 19/20 anos, foi mais complicado. Mas como tinha estatuto de autocompetição, uma maneira de poder anular os exames, fui fazendo e formei-me. O que também complicou mais os estudos foi o facto de eu ter vivido uns meses fora, em Itália e Espanha, por causa das corridas. Demorou um bocadinho mais, mas consegui formar-me.


- Essa foi uma das contrapartidas que os seus pais exigiram para poder manter-se nas corridas?

- Sim... Fiz uma promessa à minha mãe. Na altura em que eu lhes disse que já não havia hipótese, que ia seguir mesmo os automóveis, tive de prometer que pelo menos acabava os estudos. E tirei Comunicação Empresarial e Relações Públicas.


- O que é que o atrai nas corridas? A velocidade?

- É um bocadinho de tudo. É a parte mecânica, o desafio de tentar arranjar a melhor afinação para o carro ser o mais rápido possível, é a velocidade, a competição directa... quando vamos a 200/300 km/hora e estamos muito perto uns dos outros, a adrenalina é grande. O fim-de-semana das corridas fascina-me. Chegar lá e pensar no que vou ter de fazer para as coisas correrem a 100 por cento, ver o carro a desenvolver, os tempos a melhorarem, os resultados...


- É uma profissão de risco...

- É e não é. Andar na estrada é que é perigoso. Já tive acidentes grandes dos quais saí ileso, se fosse na estrada, não sei. Lá, eu sei que o piloto que está à minha frente sabe o que está a fazer, tal como eu.


Lourenço Beirão da Veiga
Lourenço Beirão da Veiga
João Lima
- E como é que conduz na estrada? Exagera na velocidade?

- Já exagerei mais. Quando tinha os meus 18 anos, achava que a estrada era uma pista, mas depois de umas batidelas acabei por perceber que mais vale andar devagar. Já não sou de loucuras na estrada. Descarrego a adrenalina nas corridas. Acho que devia ser obrigatório todos os condutores irem a um kartódromo descarregar a adrenalina para andarem mais calmos na estrada.


- Qual é o seu objectivo? Onde gostaria de chegar?

- No início, sonhava com a Fórmula 1, mas acho que temos de sonhar com o passo a seguir, é o mais lógico. Quando uma pessoa quer muito uma coisa e se torna uma obsessão, acaba por ser negativo. Eu sempre sonhei com o passo a seguir. Neste momento, é o Europeu, e depois, quem sabe, Le Mans. Vivo um ano de cada vez. Não sonho muito alto, porque depois a queda pode ser maior. Por isso, mais vale ser realista, para as coisas irem acontecendo com naturalidade.




Siga a CARAS no
e no
!


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras