Nas Bancas

Manuel e Carlota Gião: Casal fala das dificuldades e alegrias da vida familiar

Num fim-de-semana no Algarve com os filhos, Camila e Manuel, o piloto e a mulher falaram dos seus nove anos de casamento.

Melissa Tavanez
26 de maio de 2010, 13:28

Construir uma família feliz exige empenho e um trabalho constante. Contudo, no meio deste esforço, Manuel e Carlota Gião, de 38 e 37 anos, têm sabido desfrutar ao máximo do maior projecto que têm na vida: educar os filhos, Manuel, de seis anos, e Camila, de três. Entre as corridas de automóveis, as viagens e todo o trabalho burocrático que tem de fazer para arranjar patrocinadores, o piloto tem sido um pai presente. Mas reconhece que a mulher tem sido o seu principal apoio na concretização dos seus sonhos, como nos contou durante um fim-de-semana passado no Grande Real Santa Eulália Resort & Hotel Spa, em Albufeira.

- Escapadelas de fim-de-semana fazem parte da vossa rotina?

Manuel Gião - Sim, muito, embora eu tenha muitos fins-de-semana ocupados com as minhas provas. E temos muitos amigos em Lisboa que organizam jantares e que não nos permitem fazer mais vezes fins-de-semana destes.

- E quando têm essa oportunidade, o que gostam de fazer?

Carlota Gião - Eu acho que tentamos aproveitar os fins-de-semana mesmo quando estamos em Lisboa. Primeiro, porque gostamos imenso de praia, depois, também fazemos passeios por Monsanto, Sintra... Até porque agora temos um cão e temos de o cansar.

- E é melhor passear com os filhos ou sem os filhos?

Manuel - Não temos muitas hipóteses de fazer este tipo de programas sem os filhos. [risos] Já tentámos, mas depois acabamos sempre por levá-los.

- Na última entrevista que nos deram, disseram que a vossa vida mudou muito depois de terem sido pais. Já se adaptaram totalmente à nova realidade?

Carlota - Exige uma permanente adaptação às diversas fases por que passam as crianças. Agora, eles começaram a crescer e estão sempre connosco.

Manuel e Carlota Gião com os filhos
Manuel e Carlota Gião com os filhos
Salvador Colaço

- Sentem que a partir do momento em que foram pais têm de fazer um esforço maior para não se esquecerem de que continuam a ser marido e mulher?

- Lembramo-nos muitas vezes disso, mas levá-lo à prática é que é mais difícil.

Manuel - Eu queria namorar mais com a Carlota, mas há sempre outras coisas que também são importantes na nossa vida e ficamos sem tempo. A Carlota tem sido um apoio muito importante na minha carreira e tem compreendido muito bem os sacri-fícios que temos de fazer para que eu tenha bons resultados nas corridas. Obviamente, falamos muitas vezes de precisarmos de estar os dois sozinhos, namorar... Temos é de conciliar tudo.

- É fácil ser-se feliz numa profissão que exige muitos sacrifícios?

- Não é fácil, não. É uma profissão linda, mas que exige muita dedicação e que me obriga a arranjar maneiras de a sustentar. E hoje dedico-me muito a essa parte. As corridas são o melhor, o que vem antes, as burocracias, é mais complicado. Felizmente as corridas compensam tudo.

Carlota - As viagens que o Manuel faz por causa das corridas não são assim tantas, mas ainda há os treinos... É complicado, porque nunca sabemos o que vai acontecer no ano seguinte, e isso é desgastante. Nunca sabemos como vão ser os patrocínios.

- E como lidam com essa instabilidade?

- Bem, ele já faz isto há muitos anos e é uma sorte poder ter esta profissão. Quem dera toda a gente poder fazer o que gosta.

Manuel - Como tenho vários anos de carreira, as portas abrem-se mais facilmente.

Manuel e Carlota Gião com os filhos
Manuel e Carlota Gião com os filhos
Salvador Colaço

- Pela forma como falam, parece que trabalham em equipa. Há espaço, na vossa vida, para a individualidade de cada um?

Carlota - É superimportante, mas as coisas estão muito misturadas e acabamos por viver tudo muito a dois. Partilhamos muito o dia-a-dia, e isso faz-nos perder um pouco a individualidade. Acho que deveríamos ter mantido esse espaço, mas, mesmo assim, tem corrido tudo bem.

Manuel - Temos conciliado bem as coisas e a Carlota tem sido muito compreensiva.

Carlota - Estou num momento de transição. Há uns anos comecei o curso de arquitectura, mas deixei-o a meio. Agora estou a fazer um curso de design de interiores. Apetece-me imenso. Os meus filhos já estão mais crescidos e, por isso, é a altura certa para pensar em mim.

- O que é que se ganha com os anos de vida em comum?

- Ao fim de vários anos e dos ajustes que uma relação exige, ou se "recasa" ou se separa. Se se "recasa", as coisas saem reforçadas. Os anos trazem-nos a certeza daquilo que queremos, do que valorizamos.

Manuel - Os anos fortalecem-nos. Conhecemo-nos bem, te-mos dois filhos lindos, e isso faz par-te do amor. Cada vez mais nos esforçamos pela nossa família. É um desafio, mas o nosso amor dá-nos força para encararmos a vida.

- Querem ter mais filhos?

- A Carlota gostava, mas estes dois já dão muito trabalho... Para já, não faz parte dos planos.

Carlota - Torna-se cada vez mais difícil. Eles estão em fases diferentes, mas já começaram a crescer, e acho que também temos de pensar mais em nós.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras