Nas Bancas

Um retrato breve e informal do Papa Bento XVI

O Papa mostra-se adepto das novas tecnologias: navega na internet e gosta de ser ele a responder aos 'e-mails' pessoais.

Melissa Tavanez
10 de maio de 2010, 21:47

O sentido de humor, a simplicidade e a pontualidade são algumas das características de Bento XVI, que adora ler, escrever e ouvir música. Por isso, não foi de estranhar que quando, ao mudar-se para o Palácio Apostólico, a cerca de 50 metros da casa onde vivia antes, tenha feito questão de levar os seus milhares de livros e o piano. Aliás, Ratzinger tem um ipod - que lhe foi oferecido em 2006 por um grupo de funcionários da Rádio Vaticano -, em que ouve certamente Mozart, Bach e Beethoven, compositores que muito aprecia, sendo o primeiro o seu preferido. Além do uso desse gadget musical, o Papa, que completou recentemente 83 anos, mostra-se também adepto das novas tecnologias: navega na internet e gosta de ser ele a responder aos e-mails pessoais.

O Papa Bento XVI
O Papa Bento XVI
Feriaque

Mas voltemos atrás na história de Bento XVI. Joseph Alois Ratzinger nasceu num sábado de Aleluia, a 16 de Abril de 1927, em Marktl am Inn, na Baviera, filho de um comissário da polícia e de uma cozinheira. Em 1939, com 12 anos, entra para um seminário em Traunstein. Dois anos depois, é obrigado a integrar a Juventude Hitleriana e, em 1941, a interromper a formação eclesiástica para cumprir o serviço militar obrigatório no Exército Nazi Alemão. Terminada a II Guerra Mundial, Ratzinger regressa ao seminário, sendo ordenado padre a 29 de Junho de 1951, juntamente com o seu irmão, Georg. Doutora-se em Teologia, disciplina que acaba por leccionar. Em 1977, é nomeado arcebispo de Munique e Freising e, nesse mesmo ano, elevado a cardeal. E, sem nunca o ter ambicionado, é eleito Papa pelo Colégio dos Cardeais, a 19 de Abril de 2005, num conclave que durou apenas 24 horas. Toma posse cinco dias depois, com o nome de Bento XVI, numa cerimónia na Basílica de São Pedro, em Roma.

O Papa Bento XVI
O Papa Bento XVI
Reuters
Desde essa altura, Joseph Ratzinger tem os olhos do mundo postos nele. Alguns amigos dizem que é de uma simplicidade extrema, paciente e sereno. Segundo
Aura Miguel
, a única jornalista portuguesa que acompanha o Papa sempre que este viaja para fora de Itália (como já fez com
João Paulo II
), e autora do livro
As Razões de Bento XVI
, Ratzinger é "
acutilante: desfaz as ambiguidades e confusões com uma clareza e lucidez impressionantes".

Mas a verdade é que também tem suscitado duras críticas, nomeadamente por ser contra o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, por condenar o uso do preservativo ou pela sua postura neutral em relação ao escândalo dos padres pedófilos. E o nome do Sumo Pontífice também já suscitou controvérsia por razões bem mais fúteis: diz-se que Bento XVI terá preterido a equipa que confeccionava as vestes papais desde 1792, a favor do seu alfaite particular, Alessandro Cattaneo. E até os seus sapatos já foram tema de conversa, pois há quem garanta que o Papa calça... Prada. O Vaticano já desmentiu.

O Papa Bento XVI
O Papa Bento XVI
Feriaque

Quanto a outras curiosidades, segundo algumas informações retiradas do livro de Aura Miguel, as refeições de Bento XVI são confeccionadas com pouco sal e o único vinho que bebe é Porto. Às refeições, prefere limonada ou sumos. Gosta de doces, principalmente dos de ovos e de chocolate. Entre os seus amigos, contam-se três portugueses: D. Amândio José Tomás, bispo-coadjutor de Vila Real, D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, e o teólogo Henrique Noronha Galvão.

Portugueses esses que certamente o acompanharão na visita ao nosso país. O Papa chega no dia 11 de Maio a Lisboa, onde vai celebrar uma missa ao final da tarde, no Terreiro do Paço. A 12 segue para Fátima, onde fará a bênção das velas, na Capelinha das Aparições, e assistirá à Procissão das Velas. A missa internacional na esplanada do Santuário e a procissão do adeus serão os pontos altos do 13 de Maio. Dia 14 é a vez do Porto receber a visita do Santo Padre, que celebrará uma missa na Avenida dos Aliados.

Naturalmente, a segurança da visita papal será apertada, pois foi em Fátima que João Paulo II foi vítima do segundo atentado. Recorde-se que os únicos incidentes que envolveram Bento XVI se deram em Roma: o primeiro, em 2007, quando um alemão tentou entrar no Papamóvel; o segundo, em 2009, durante a missa de Natal, quando uma mulher passou uma barreira de segurança e conseguiu derrubar o Papa.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras