Nas Bancas

Ruy de Carvalho: "A minha mulher está sempre comigo e ainda tenho muito presentes a sua voz e o seu cheiro"

"A palavra 'saudades' é muito bonita, mas a dor de as ter é que é pior. Quando se mata as saudades, é muito bom."

Andreia Guerreiro
15 de abril de 2010, 10:29

Desde que perdeu a mulher, Ruth, há dois anos e meio, Ruy de Carvalho, de 83 anos, vive rodeado de histórias e memórias que o fazem manter-se junto dela e continuar a recordá-la. Deste amor nasceram dois filhos, Paula, agora com 50 anos, e João, de 55, dos quais tem três netos, João Ricardo, de 27 anos, Diogo Henrique, de 23, e Henrique, de 19.
Há dias, o actor foi convidado do programa Depois da Vida, de Júlia Pinheiro, no qual foi surpreendido pela médium inglesa Anna Germain com informações que só a sua mulher poderia saber. No dia a seguir à emissão do programa, o actor recebeu a CARAS na sua casa, para uma conversa onde, mais uma vez, a sua simpatia, generosidade e humildade sobressaíram.

- Faz três anos em Setembro que a Ruth morreu. Como tem vivido desde então?
Ruy de Carvalho -
Sozinho... E acompanhado.

- São mais as vezes que se sente sozinho ou acompanhado?
-
Procuro as companhias que há por aqui, espalhadas pela casa, e olho para elas.

- As memórias também são uma companhia?
-
Claro que sim. Tenho a imagem da minha companheira sempre que quero e me apetece. Penso nela e pronto. Mas isso acontece-me com todas as pessoas que já partiram. Penso nelas e estão presentes, como eu quero, mais novos, mais velhos...

Ruth e Ruy de Carvalho
Ruth e Ruy de Carvalho
Arquivo CARAS
- E como recorda a Ruth?
-
Com 63 anos de convívio. Em todos os sítios, em todas as posições, mais doente, cheia de saúde... Tenho esses momentos todos gravados, e depois há coisas que recordo com as fotografias, olho para elas e vejo o que estava a acontecer.


- Há quem fuja dessas memórias por sofrer mais com a ausência, mas com o Ruy isso parece não acontecer...
-
Antes pelo contrário. Não me faz sofrer, mas sim viver melhor e mais acompanhado. As memórias, para mim, são úteis, são a história da vida.


- E a saudade também não diminui com o passar dos anos?
-
Nem pensar, até porque nos vamos aproximando daquilo que perdemos.


- Mas não sente necessidade de aproximar esse 'reencontro'...
-
Não. Sei que vou morrer, por isso vou vivendo o melhor que posso e sei até ao segundo em que esta coisa que me anima me abandonar e deixar o resto, que será cremado.


- Sei que ontem assistiu ao programa Depois da Vida na companhia do seu filho mais velho. Como é que ele reagiu?
-
Também chorou. É claro que ele deve ter sentido que era realmente a mãe, com as coisas que estavam a acontecer, pois ele também sabe delas, pois tudo o que a médium foi dizendo era verdade.


- Foi um momento difícil para si?
-
Não. Senti-me até muito bem. Senti que talvez quando lá chegar acima encontre uma pessoa extremamente satisfeita por lá estar.


Ruth e Ruy de Carvalho
Ruth e Ruy de Carvalho
Arquivo CARAS
- Isto porque houve uma altura em que a médium referiu que a Ruth lhe estava a dizer que estava no paraíso. Isso tranquiliza-o?
-
Claro que sim. Não sei se ela vai aparecer outra vez, mas a mim aparece-me todos os dias. Dedico-lhe todo o trabalho que faço e desta forma ela está sempre presente. Não sou um crente absoluto e nem acredito em espiritismos, mas nisto acredito. A médium tem um dom, como há pessoas que têm outros dons, para a música, para a ciência...


- Não duvidou, então, da 'presença' da Ruth no programa?
-
Não. Ela era uma mulher muito culta, ligada às artes, estava muito perto de mim e tocou em quase tudo o que está nesta casa. Desde os móveis às loiças, talheres, tudo tem uma história.


- Houve coisas que foram ditas no programa que só a família poderia saber, como o terço que está no jazigo, os crucifixos que a Ruth coleccionava e o Ruy guarda...
-
Esse crucifixo foi-lhe dado por uma amiga muito jovem, que a visitava muito quando ela já estava doente e muitos dos crucifixos estão no meu quarto...


- Foi ainda feita referência de que a tratava por 'princesa'.
-
E ela a mim por 'príncipe'. Fui pseudonamorado da Zezinha [
Maria José Ribeiro
], mãe da Rita Ribeiro, e como elas eram amigas, a minha mulher foi dizer um dia que namorava um principezinho, e só depois chegaram à conclusão de que era eu, e ficou assim desde então. Foi princezinha toda a vida, não sei se não será rainha onde está. [risos]


- A médium disse também que o Ruy protegeu muito a Ruth quando ela esteve doente e que sofreu muito com isso...
-
É natural que sim. Foram nove anos de sofrimento. Tive de me separar dela quando foi para a Casa do Artista e eu só não ia lá quando o meu trabalho não me permitia, e mesmo assim cheguei a ir lá muitas madrugadas.


Ruth e Ruy de Carvalho
Ruth e Ruy de Carvalho
Arquivo CARAS
- Para uma pessoa que vive uma vida inteira com outra, passar por isso é como ver uma parte de si partir.
-
Exactamente, mas essa parte que partiu qualquer dia terá a que lhe falta. A razão que me leva a pensar que há mais qualquer coisa para além desta vida é a interrogação sobre o destino disto que nos anima, o espírito, a alma... Tem de regressar a qualquer lado!


- Não será mais fácil, para alguém que passa por uma perda como a sua, acreditar que no dia em que partir irá estar com a pessoa que perdeu?
-
Acho que é melhor fazermos isso, pois ajuda-nos a viver melhor, talvez até por egoísmo. Mas tento acreditar que realmente há mais qualquer coisa e que de vez em quando regressa noutro corpo. Um menino com cinco anos a tocar piano maravilhosamente, o que é que ele terá sido antes? Por que toca tão bem? Por que temos tantas vezes a sensação de
déjà-vu
?


- A médium referiu ainda que a Ruth o considera muito corajoso desde que a perdeu.
-
Julgo que sim. Antes tinha mais o apoio dela. Ela não me dava só améns, também ralhava quando era preciso. [risos] Sinto muito o apoio dela.


- Está sempre a pensar na Ruth?
-
Sempre não, mas maioritariamente, sim. Vivo no meio que ela mais ou menos criou. Ela veio a esta casa três vezes, mas tudo o que está aqui fazia parte da nossa casa, e isso tem uma influência muito grande. Sentar-me nas cadeiras onde ela se sentava, fazer festas na cadela de que ela tanto gostava...


- Como é que se lida com as saudades?
-
Acho que é uma palavra muito bonita, mas a dor de as ter é que é pior. Mas quando se mata as saudades é muito bom, e eu faço-o com as minhas recordações, e cada vez que cumpro alguma coisa, fiz uma oferta, matei uma saudade.


Ruth e Ruy de Carvalho com os netos, João Ricardo, Henrique e Diogo Henrique
Ruth e Ruy de Carvalho com os netos, João Ricardo, Henrique e Diogo Henrique
Arquivo CARAS
- Imagino que a voz da Ruth lhe faça especial falta...
-
A minha mulher está sempre comigo e ainda tenho muito presentes a sua voz e o seu cheiro.


- Qual foi o segredo para a longevidade do seu casamento?
-
Não sei, mas houve muito amor, amizade, respeito, liberdade sem libertinagem, e tudo isso faz as pessoas serem felizes, e eu fui.


- Mudando um pouco de assunto: está de férias e vai entrar proximamente numa novela da TVI. Não consegue, realmente, estar parado?
-
Não consigo, nem posso. A minha reforma não me permite descansar, teria de abdicar de tudo o que tenho. Não poderia ter este carro, a minha casa... Valeu bem a pena trabalhar 63 anos para ter uma reforma como tenho, mas enfim...


- Se pudesse parar, teria essa vontade?
-
É melhor não, só gostava de ter mais liberdade, para ter mais tempo para ler, para passear. Às vezes apetece-me ficar na cama, mas não fico, faz mal à saúde. [risos]


- Ao longo da sua carreira tem sido reconhecido com diversas homenagens, e ainda o mês passado foi condecorado como Grande Oficial da Ordem de Sant'Iago da Espada, pelo Presidente da República.
-
Já tenho três condecorações grandes, parece que estou a falar de um grande senhor, que não sou, mas os outros é que me julgam. Tenho muitos defeitos... É claro que é bom ser reconhecido, mas não altera em nada a minha maneira de ser, de estar, nem a minha capacidade. Continuo a ser a mesma pessoa desde o início da minha carreira.




Siga a CARAS no
e no
!


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras