Nas Bancas

Ana Padrão: "Acho que a melhor fase da mulher começa aos 40"

Actriz de cinema, de teatro e televisão, Ana Padrão organiza ainda 'workshops' de teatro que a levaram a criar uma associação através da qual ajuda terceiros.

Andreia Guerreiro
5 de abril de 2010, 15:32

Mãe de duas filhas, de sete e onze anos, Ana Padrão já fez teatro, cinema e televisão; falta-lhe um musical para experimentar todos os registos. Em casa, devora filmes e lê, embora não tão compulsivamente como vê filmes, por falta de tempo. Considera que tem uma grande abertura em relação a tudo, mesmo a nível de vivências e experiências. Talvez por isso, não gosta de se fechar nem em grupos nem em meios. Reconhece que a grande curiosidade que tem em relação à vida e o interesse pelo ser humano a aproximam mais da sua profissão de actriz. Um interesse que a acompanha sempre, mesmo quando viaja 'em cinco estrelas' ou de mochila às costas.

- A idade preocupa-a?
Ana Padrão -
Não. Penso nisso como todas as mulheres, mas não tenho problemas com a idade. Pelo contrário, acho que a melhor fase da mulher começa aos 40. Só a idade traz a maturidade. Já se passou por muita coisa, já se viveu muito.

- A paixão pelo teatro surge logo de pequenina, quando começou a representar?
-
Acho que não, surgiu naturalmente mais tarde, mas é verdade que comecei a fazer teatro aos nove anos, na escola. Aliás, acho fundamental a disciplina de teatro e expressão dramática. Deveria ser obrigatória desde a primária, como a música, e deveria ter a importância das outras disciplinas.

- Ajuda a formar as crianças...
-
Imenso. Trabalha a auto-estima e desenvolve imensas capacidades. Ajuda, por exemplo, crianças com problemas de socialização, que têm dificuldade em trabalhar em grupo e relacionar-se com os outros.

- Passou por essa experiência?
-
Falo com conhecimento de causa, já que dei aulas durante algum tempo e gostei tanto que, possivelmente voltarei a dar. Os resultados que vi em certas crianças foram impressionantes...

- Não necessariamente para formar actores?
-
Nada disso. É fundamental para qualquer pessoa como uma ajuda, uma arma para a vida. Como a música! As artes são fundamentais para o desenvolvimento do ser humano.

- Por isso faz questão de que as suas filhas tenham aulas de teatro?
-
Felizmente, a mais nova já tem. Na escola onde elas andam não tinham, porque é uma escola semi-pública, mas este ano consegui que uma amiga fosse dar aulas para lá.

Ana Padrão
Ana Padrão
Mike Sergeant
- Alguma das suas filhas manifesta vontade de ser actriz?
-
Não, pelo contrário, já que é uma profissão complicada para quem tem crianças. É difícil conjugar as coisas. Por isso, é uma profissão que elas não vêem com bons olhos...


- Quando a vêem na televisão, o que lhe dizem?
-
Não vêem, porque eu não deixo. As novelas passam muito tarde. E eu gosto que elas se deitem cedo. Claro que por elas, como todas as crianças, se eu não as obrigasse a ir para a cama, não iam.


- Ficou mais sensível às crianças depois da maternidade?
-
Fiquei. Antes de ser mãe não tinha grande relação com crianças. Aliás, acho que a maternidade nos muda completamente; muda as prioridades da nossa vida e a forma como vemos o mundo. Muda tudo!


- Tem organizado workshops de teatro, alguns para crianças...
-
A reciclagem é importantíssima na minha profissão, por isso, e sempre que posso, vou lá fora fazer workshops. Entretanto, como estava sempre a trabalhar e não tinha tempo para me deslocar ao estrangeiro, comecei a trazer professores a Portugal e a organizar workshops com uma amiga que também é actriz.


- Foi aí que surgiu o trabalho com as crianças?
-
Fizemos workshops para crianças e, a certa altura, começámos a montar espectáculos. Entretanto, criámos uma associação. A nossa ideia foi proporcionar esta experiência a crianças que não têm possibilidade de a pagar.



- E o dinheiro?
-
Não temos. Ensaiamos em garagens e parte do dinheiro da bilheteira reverte para bolsas que atribuímos a instituições e associações. O último benemérito que tivemos foi o Casino Estoril, que nos cedeu a sala três dias, e conseguimos montar a peça só com amadores e um professor espanhol. Com o dinheiro da bilheteira deste espectáculo comprámos camas articuladas para um lar e pintámos as instalações do lar.

- Como se contacta a associação?
-
Através do site, www.umsotecto.pt. É um projecto que queremos continuar a fazer: usar a nossa criatividade para ajudar.

- É muito descontraída na forma como se arranja: não usa saltos, anda de jeans...
-
Gosto de me sentir o mais confortável possível. Aliás, para mim é extremamente complicado comprar roupa.

- Também tem cuidados de beleza e sei que trata a sua pele com muito cuidado...
-
Tenho de cuidar, porque tenho uma pele muito difícil. Andei muitos anos em dermatologistas porque desde que comecei a trabalhar, começaram os meus problemas de pele, eventualmente devido às maquilhagens e à luz, mas também às mudanças de clima e hormonais. E stresse. Muito stresse.

- O stresse também se reflecte na pele?
-
No meu caso, sim. Começo a emagrecer e com problemas de pele. Por isso fiz recentemente um tratamento de laser na clínica Corpuslaser, do Dr. Lima Duque, e tive muito bons resultados.

- Nunca usa maquilhagem...
-
No dia-a-dia nunca me maquilho. Já basta a maquilhagem que tenho de usar quando faço televisão ou cinema. Quando não estou a trabalhar, deixo a pele repousar o mais possível. E ainda tem outra vantagem: as pessoas quando me vêem de cara lavada na rua dizem-me que pareço muito mais nova.

- Tem cuidados com o corpo? Pratica desporto, vai ao ginásio?
-
Estou sempre a ir e a desistir. Por um lado, tenho muito pouco tempo por causa dos horários complicados, por outro, sou muito preguiçosa. É muito difícil gerir isto, sobretudo porque é uma profissão muito exigente a nível emocional. É suposto estar sempre bem!

Ana Padrão
Ana Padrão
Mike Sergeant
- O que nem sempre é fácil...
-
Tudo o que não se consegue num sítio onde não há uma indústria. As pessoas não têm noção do que é o trabalho de actor. Vêem as revistas e os eventos sociais e acham que temos uma vida luxuosa, que nos passeamos naqueles vestidos lindos, que temos uma vida extraordinária.


- É um mito?
-
Completamente. Claro que há actores que têm uma vida confortável, mas são seis ou sete... e tiveram um processo de trabalho alucinante para chegar lá. Para o que fazemos, somos muito mal pagos. É muito difícil ter qualidade de vida neste país e não me refiro só ao nível económico.


- A crise também afecta os artistas...
-
E de que maneira. Como há menos dinheiro, trabalhamos cada vez mais e ganhamos cada vez menos. O problema não é só a instabilidade económica, é o esgotamento a que se chega!


- Não há protecção?
-
Nada. Não temos leis que nos protejam, o sistema não está feito para nos proteger. Se estamos a trabalhar, ganhamos, se não estamos a trabalhar, não ganhamos. Todos os trabalhadores têm direito a fundo de desemprego menos nós. A mim choca-me que os anos continuem a passar e nada mude.


- Mas imagino que não trocaria a sua vida de actriz pela de dona de casa e mãe...
-
O papel de mãe é o mais difícil, mas também o melhor da minha vida! De facto, a responsabilidade de organizar uma casa, de ter todos felizes e contentes, de nos preocuparmos com as pequenas coisas e ainda termos tempo para pensarmos em nós e nas nossas carreiras é um esforço enorme.


- Foram as mulheres que se bateram toda a vida por isso...
-
E ainda bem, conquistámos o nosso lugar no mundo e estamos ao lado dos homens, com todo o direito, mas não há dúvida de que complicámos a nossa vida! Continuamos a fazer exactamente a mesma coisa, com a agravante de termos de ser excelentes profissionais e de provarmos que somos tão boas ou melhores do que os homens, porque entrámos no mundo deles, e isso é altamente desgastante.


- A solidão e o desmembramento das famílias também têm que ver com isso?
-
Estou convencida que sim. Poucos homens têm capacidade para aguentar uma mulher poderosa em casa. Num casal, quando há duas pessoas com grande capacidade de decisão e independência económica, as coisas começam a complicar-se. Por um lado, conquistámos o mundo, por outro, teremos de viver num mundo diferente.




Siga a CARAS no
e no
!


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras