Nas Bancas

Pedro Granger: "Todos nós choramos, seja com ou sem lágrimas, e eu não fujo à regra"

O actor, de 30 anos, 'vestiu' o papel do famoso aviador de 'O Principezinho' - agora editado em audiolivro com a sua voz - e falou-nos de emoções e experiências de vida.

Melissa Tavanez
30 de março de 2010, 10:28

A propósito do lançamento do audiolivro O Principezinho, de Antoine de Saint-Exupéry, ao qual Pedro Granger 'emprestou' a sua voz, a CARAS marcou encontro com o actor num cenário que remete para a fantasia criada pelo famoso aviador, e nele se falou de sonhos, ambições, laços de amizade e familiares, e de projectos profissionais e pessoais. Três anos depois da última entrevista que deu à CARAS, Pedro Granger revela ainda que foi 'obrigado' a crescer quando decidiu apostar numa formação em Nova Iorque, onde acabou por viver durante dois anos e meio. Uma época que marcou um ponto de viragem da sua vida.

- Como correu a experiência de viver nos EUA?
Pedro Granger -
Foi uma grande experiência, não só do ponto de vista de aprendizagem, mas principalmente de vida. Aconselho a toda a gente a ir viver para fora, nem que seja para Badajoz. E Nova Iorque é uma cidade muito boa para o fazer, porque há muita coisa a acontecer, há pessoas vindas de todo o mundo... E, depois, claro, tinha que lavar roupa, cozinhar, limpar a casa...

- Foi obrigado a crescer?
-
Fui obrigado a dar valor a uma data de coisas, a ser muito mais responsável e organizado, coisa que não era absolutamente nada, ou seja, foi uma experiência muito importante e boa, da qual tenho imensas saudades. Por isso já decidi que quero lá voltar a curto/médio prazo, nem que seja só por três meses.

- Não se sentiu frustrado por ter lá estado tanto tempo e não ter conseguido nenhum papel de relevo?
-
É óbvio que qualquer pessoa gostaria de estar como a Daniela [Ruah]. Além de ser gira, tem um talento enorme, é uma pessoa muito bem formada... Por isso, se há pessoas que merecem essas oportunidades, a Daniela será sempre uma delas. Como é óbvio, qualquer actor gostaria de estar fazer o que ela está a fazer. Quem disser que não, ou está a mentir ou é tonto. Mas na altura fui para lá estudar, por isso, nem enveredei por esse caminho da procura. Poderia tê-lo feito, mas não o fiz. Se adorava ter essa oportunidade? Sim, adorava, mas não me esforcei nesse sentido.

- Da próxima vez, vai-se esforçar?
-
Não ponho as coisas nesses termos, não vou lá para isso. Mas os exemplos de pessoas que o conseguiram fazem-nos pensar até que ponto não deveríamos tentar ser mais ambiciosos.

- Já vivia sozinho quando foi para Nova Iorque, ou foi nessa altura que 'cortou o cordão umbilical'?
-
Foi nessa altura, sim. Em Nova Iorque não há máquinas de lavar roupa em todas as casas, usam-se as lavandarias, e claro que tingi a roupa toda de cor-de-rosa na primeira máquina que fiz, porque tinha peças encarnadas misturadas... Mesmo à maçarico! E a quantidade de vezes que queimei bifes e massas, e acabei a fazer ovos mexidos e a comer uma tablete de chocolate para não me irritar? Mas é assim, é a tal experiência que é boa.

Pedro Granger
Pedro Granger
João Lemos
- Quando regressou a Portugal, sentiu necessidade de ter o seu próprio espaço?
-
Foi nessa altura que deixou de fazer sentido ficar em casa dos meus pais, mas sem sentimentos de ruptura, porque continuo a ter uma vida familiar muito boa.


- E continua a ser mimado pela mãe?
-
Acho que nunca o fui. Tenho uma relação óptima com a minha mãe. Aliás, nós somos três irmãos, eu sou o do meio, e o do meio não tem muita fama de ser o menino da mamã! Mas nos primeiros anos ainda levei muita comida congelada de casa dos meus pais, e levava a roupa para lavar lá. Confesso que ainda hoje lhes levo umas camisas, porque passar a ferro não é de todo a minha especialidade!


- Mas já deve conseguir fazer uns ovos sem os queimar?
-
Já, mas sou mais de fazer massas e saladas, que são mais práticas de fazer. Ou de ir a um supermercado encomendar comida...


- No seu último trabalho, a série 37, aparece de gravata. Serviu para se desmarcar da imagem de menino?
-
Não sei, eu tenho 30 anos! Têm-me dado sempre papéis de jovens, e há certo tipo de papéis que já começam a deixar de fazer sentido...


- Já não se identifica com essas personagens?
-
Acho que, por mais diferentes que sejam os papéis e a abordagem na construção da personagem, estamos a trabalhar sempre sob o mesmo universo de assuntos, de temas, e acaba por não ser tão interessante, quer para mim, em termos profissionais, quer para o público, que está sempre a ver mais do mesmo. Como é óbvio, para um actor, o ideal é diversificar o mais possível, isso é o 'esquizofrénico-saudável' da profissão. Nessa série fiz de advogado, e a gravata fazia sentido. Aliás, seria o que estaria a fazer neste momento, caso tivesse terminado o curso de Direito.


- É também mediador do programa Rédea Solta, da TVI24, que, apesar de ser descontraído, aborda assuntos muito sérios, o que também o deve ajudar a desconstruir essa eterna imagem de adolescente...
-
Esse programa já teve várias evoluções. Começou há três anos, com jovens de escolas, e nesta 3.ª edição é com juventudes partidárias. Todas as semanas abordamos um tema e, por vezes, é bastante difícil moderar, mas é bom perceber que há pessoas que, não só acreditam na política, como têm ideias e lutam por elas.


Pedro Granger
Pedro Granger
João Lemos
- Continuando na política, concorda com o casamento entre homossexuais?
-
Não nos podemos esquecer que, seja em relação ao aborto, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, ou ao que for, temos direito a ter a nossa opinião. Temos que saber viver em sociedade e, acima de tudo, temos que nos respeitar uns aos outros, e isso é o essencial.


- Tem o hábito de avaliar as pessoas pela primeira impressão que lhe causam? Este era um dos temas que chocava muito o Principezinho...
-
Acho que quando conhecemos alguém fazemos logo um juízo de valor, que pode nem sempre ser o mais correcto. Depois, ou nos ficamos por aí ou tentamos conhecer a pessoa, e só depois percebemos se vale a pena cativar ou sermos cativados.


- Costuma enganar-se com as suas primeiras impressões?
-
Acho que tenho uma intuição que, na maior parte dos casos, funciona bem.


- Mas o essencial é invisível aos olhos dos homens...
-
É mesmo! Temos que ouvir com o coração, temos que conhecer as pessoas, ver o que está para lá da aparência, e isso só se faz com a convivência.


- Saint-Exupéry diz que quando nos deixamos prender a alguém arriscamo-nos a chorar de vez em quando. Costuma chorar?
-
A representar farto-me de chorar, amar e morrer! Todos nós choramos, seja com ou sem lágrimas, e eu não fujo à regra... É impossível viver sem chorar.




Siga a CARAS no
e no
!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras