Nas Bancas

Joana Solnado: "Sinto que é um privilégio enorme ter este apelido"

A actriz passou três semanas em Nova Iorque, onde aproveitou para recuperar energias.

Melissa Tavanez
22 de março de 2010, 10:27

Foram fortes e desgastantes as emoções que Joana Solnado viveu no último ano com a morte do avô, Raul Solnado. Talvez por isso, a actriz, que mantém uma relação com André Cerqueira, director de uma produtora audiovisual, tenha decidido viajar sozinha para Nova Iorque, onde passou algumas semanas de férias e aproveitou para se reencontrar consigo própria. Já regressada, Joana falou-nos sobre o orgulho que tem no avô, e revelou alguns dos seus sonhos. Entre os mais imediatos está a vontade de ser mãe.

- Como correu esta visita a Nova Iorque?

Joana Solnado - Adorei Nova Iorque. A movimentação da cidade, a energia, a variedade... Existe de tudo lá, a qualquer altura.

- E sentiu vontade de ficar a viver lá?

- Nem por isso. Fui mesmo em lazer, nem vi muitas peças de teatro. 'Varri' quase todos os museus, exposições, passei muito tempo na rua, falei com pessoas, tentei perceber a cultura e tentei encontrar um americano, o que não foi fácil... [risos] Foram duas semanas muito rápidas, muito intensas, mas regressei a casa no momento certo. A confusão da cidade deixa-me muito ansiosa.

- Viajou sozinha...

- Sim. Fui ter com amigos e fui ao aniversário de um familiar. Houve momentos em que passeei sozinha pela cidade, mas porque queria viver aquele momento assim.

- Sente, por vezes, essa necessidade de se isolar?

- Normalmente gosto de viajar sozinha. A companhia e a partilha são incríveis, mas, por outro lado, quando estamos sozinhos não estamos condicionados pelos timings de outras pessoas.

- Nova Iorque pode ser uma cidade bem românti­ca. Nunca equacionou fazer esta viagem com o seu namorado?

- Desta vez não podia ser, por variadíssimos motivos. Mas de qualquer forma, é uma cidade para a qual apetece levar uma companhia mais próxima, sem dúvida.

- Entretanto, regressou a Portugal, mas as férias continuam...

- Vou entrar numa nova fase. Já não são férias, estou a reciclar-me. Não vou começar a trabalhar já porque quero estudar mais, rever algumas coisas, ler muito, e ainda quero viajar mais um bocadinho.

Joana Solnado
Joana Solnado
Jayme Carvalho Jr.

- Consegue abstrair-se do trabalho, tendo em conta que mantém uma relação com uma pessoa do meio?

- Falamos muito pouco de trabalho. Chego a casa e tento ao máximo desligar o botão. Tanto que tenho um espaço em minha casa, o escritório, que não é bem um escritório, é uma sala ampla para eu poder trabalhar, dançar, fazer o que quiser... É ali que trabalho.

- E ajudam-se no que toca a trabalho, pedem conselhos um ao outro?

- Não gosto muito de falar do que acontece dentro da porta de minha casa, mas são muito raras as vezes em que comunicamos em relação ao trabalho. Muito raras mesmo. E quando acontece, é porque é mesmo necessário. Não é fácil, mas tem que ser assim. E não viver em Lisboa ajuda-me muito a sair daquele ambiente, quase sinto que estou a vir de férias quando chego a casa.

- O ano passado foi de emoções fortes?

- O ano passado foi um daqueles muito marcantes mesmo e por variadíssimos motivos, profissionais e pessoais. Fiz uma coisa que nunca tinha feito: uma novela e uma peça ao mesmo tempo, entrando nas duas com grande incidência. É uma experiência que não vou repetir. Ensinou-me imenso, mas foi muito desgastante, foram três meses de grande angústia, seguidos de um choque emocional muito forte e que trago comigo sempre, até pelas pessoas que me abordam. E ainda bem que me acompanha, mas é uma emoção para a qual não tenho verbo, adjectivo, palavra para descrever.

- Como é que superou esse momento, a morte do seu avô?

- É a vida, não é? Como o nascimento, a morte também faz parte da vida.

- O mais difícil foi encarar as pessoas que todos os dias a abordavam?

- Não sei explicar como foi o processo, porque ainda estou um pouco dentro dele. Se calhar daqui a uns anos vou conseguir olhar para trás, mas agora ainda não consigo. Ainda está ao meu lado, tão próximo...

- Sente muito a ausência...

- Sem dúvida, sinto muito, mesmo. Fico, por vezes, com a sensação de que não aconteceu nada, mas depois percebo que aconteceu mesmo. É uma montanha-russa de emoções.

Joana Solnado
Joana Solnado
Jayme Carvalho Jr.

- Não é fácil...

- É disso que se faz o luto, lidar todos os dias com esta linha muito ténue entre a vida e a morte. Se bem que deveríamos viver a vida toda assim, como um momento em que temos de estar sempre atentos.

- Entretanto, surgiu a notícia de que serão leiloados alguns bens do seu avô para a construção de um museu e desenvolvimento de uma escola...

- Não sei muito acerca disso. Esse assunto está com os meus tios, não interferi nesse processo e sei muito pouco. Está na mão de quem devia estar, são as pessoas certas para fazerem o que entenderem, são os filhos dele. A escola já existe há alguns anos e o meu avô deu aulas lá várias vezes e era uma felicidade muito grande para ele fazer isso. Sentia uma felicidade enorme ao olhar para aqueles miúdos e ver o efeito que as suas palavras produziam. A continuidade dessa escola seria algo que ele, seguramente, adoraria que acontecesse.

- Recorda aquilo que o seu avô lhe deixou?

- Sem dúvida, mas não consigo verbalizar nada sobre o meu avô. Parece que tudo ficará aquém daquilo que ele foi, é e será sempre. Não existe ainda uma palavra que me ajude a expressar o que sinto. É uma emoção grande...

- Sente-se muito influenciada por ele?

- É um privilégio enorme ter Solnado no nome, e sinto que faço mesmo parte dessa família. Tal como é um privilégio ter Madeira no nome, e fazer parte da família do lado do meu pai, que é gigante e está no Brasil, na Alemanha, em todo o lado. Não podia ter nascido noutra família, de todo. A influência que a minha mãe, o meu pai e o meu avô tiveram na minha vida foi brutal. Todos me educaram, os meus avós, os meus pais, os meus tios, a nossa família é muito coesa, e isso é um privilégio do outro mundo. O meu avô teve uma influência gigante em mim, como homem culto e muito interessante que era. Ele dizia-me que eu tinha que aprender pelo menos uma coisa interessante por dia. Chegava ao fim do ano e estava satisfeito. Se fosse mais, melhor.

- Sente responsabilidade por ter esse apelido?

- Sinto um grande orgulho. Responsabilidade não muita, talvez por não perder muito tempo a pensar no que as pessoas pensam, mas mais naquilo que eu penso. Fui habituada desde muito nova a ouvir comentários acerca de tudo. Por isso, desde muito nova percebi que as pessoas têm sempre algo a dizer, mas é uma escolha de cada um. Pretendo ser eu própria e a partir daí está tudo certo.

- Existe algum momento passado com o seu avô que recorde com maior carinho?

- Muitos. É uma vida... Sempre fomos muito próximos. A minha relação com os meus avós, todos eles, sempre foi muito intensa.

Joana Solnado
Joana Solnado
Jayme Carvalho Jr.

- Tem valores familiares muito fortes.

- Tenho. Faço questão disso. Aliás, acho que constituir família vai ser dos grandes momentos da minha vida. Dou imensa importância à família, à educação...

- Vejo que começa a pensar mais nisso, em ter filhos...

- Tenho vontade de ser mãe há uns anos. Tenho adiado um pouco as coisas, até porque não queria ser mãe muito nova. Acho que a partir dos 25 anos é deixar de controlar e a vida que decida.

- Sente que já reuniu os elementos certos para que isso aconteça?

- Já. Tenho as circunstâncias ideais, dizem que isso não existe, mas existe. Por isso, o que vier, virá, e será muito desejado. Ser mãe vai ser das coisas mais importantes da minha vida, que me vai realizar mais do que qualquer peça, qualquer papel, qualquer coisa que eu faça a nível profissional.

- Sente-se preparada?

- Acho que nunca vou estar. Acabei agora de ser filha, e ainda nem sei bem sê-lo, quanto mais... Nunca acreditei que o relógio biológico existisse, mas agora acredito. Acredito que o corpo da mulher, independentemente do que a cabeça pense, chega a uma certa altura em que começa a dizer que está na hora. E é muito bonito ouvir a Natureza e senti-la em nós.

- Planeia muito a sua vida?

- Sonho muito e muito alto para, se chegar a metade, já ficar feliz, mas planos não faço muitos. Tenho coisas que quero fazer, mas tento deixar perceber se a vida acompanha.

- Algum grande sonho por cumprir?

- Sim. Tenho uma pancada muito grande pelo Tim Burton. Gostava imenso de um dia participar num filme dele, nem que seja a fazer adereços. Adorava. É um grande sonho.

- E a nível pessoal?

- Filhos, filhos, filhos... [risos]

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras