Nas Bancas

Patrícia Bull: "Gosto de amar, não tenho medo de procurar o amor nem de o sentir"

Com uma atitude serena e humilde perante a vida, Patrícia Bull não esconde defeitos ou dificuldades, mas acredita que tudo pode ser superado com optimismo e um certo poder para retirar o que cada momento pode trazer de melhor.

Melissa Tavanez
1 de março de 2010, 10:27

O espírito aventureiro e alguma destreza física levaram Patrícia Bull a aceitar o convite para participar na Seat Snow Cup e passar alguns dias nas montanhas de Andorra. A CARAS esteve lá e falou com a actriz, que, aos 31 anos, continua a ser um exemplo de humildade e profissionalismo. Fiel aos seus princípios, mas sempre com uma janela aberta para o horizonte e para tudo o que a vida lhe possa trazer, Patrícia mostra-se mais madura, assume a vontade de formar família, ter filhos, mas com a mesma serenidade de sempre. Tanta quanta a vontade de sonhar, que faz questão de manter presente.

- A personagem que interpreta em Perfeito Coração, Vera, é algo controversa e importante para a história...

Patrícia Bull - A personagem é fechada, insegura no campo social e relacional. Ao contrário daquilo que revela no trabalho, que é um total profissionalismo e dedicação. A partir do momento em que desperta a paixão pelo Pedro, claro que isso vai interferir na relação dos protagonistas.

- Vê semelhanças com o seu carácter?

- Sou sem dúvida mais extrovertida e gosto de amar. Não tenho medo de procurar o amor nem de o sentir.

- Mesmo que isso ponha em causa a sua independência?

- A minha individualidade não é posta em causa. Sou independente em muitos aspectos, mas não vivo sem amor. São coisas diferentes! E já cresci mais um bocadinho, já tenho outras ambições...

- Que passam por uma relação mais estável, por constituir família?

- Daqui a pouco começa a ser altura. Se a vida mo permitir...

Patrícia Bull
Patrícia Bull
João Lima
- Essa vontade de ter filhos tem que ver com a idade, pensa nisso, sente que pode estar a perder tempo?

- A vontade de ter filhos tem que ver com aquilo que eu prezo na minha vida, que é partilhar afectos, emoções, experiências. É gostar de ver crescer quem se ama e adorava ter filhos, cuidar deles, vê-los crescer, partilhar o que sou.

- É fácil conciliar a profissão que tem com esse lado mais familiar?

- Não sei ainda. Mas pelo que vejo em meu redor, tudo é possível! Emociona-me sempre ouvir aquelas histórias de pais que fazem tudo e dão tudo pelos filhos. Histórias de amor incondicional.

- E que têm muito que ver com a sua família, à qual continua muito ligada...

- Fico mais feliz se os vejo felizes. Nesse aspecto, sinto alguma dependência, claro! E, para mim, a família deve ser presente.

- Continua a fomentar muito o seu lado espiritual e a sua serenidade... É essa atitude que a faz combater as adversidades?

- A minha serenidade às vezes é arrebatada por acontecimentos exteriores que me ultrapassam, mas a tendência é para acalmar no fim e seguir em frente, olhando ternamente para o que vivenciei, tenha sido bom ou mau... Mas também tenho uma certa impulsividade!

- Sente que o passar dos anos lhe traz maior equilíbrio e harmonia?

- Deveria. Às vezes acho que sim. Almejo isso mesmo. Centro. Equilíbrio. Harmonia. Mas também tenho um espírito inquieto...

Patrícia Bull
Patrícia Bull
João Lima
- Há aí alguma rebeldia?

- Há desejo de encontrar mais, não tem necessariamente de ser rebeldia. Gosto de conquistas, gosto de ir mais longe. Não só fora, mas dentro de mim. E a vida é tão curta! Gostava de ter a sabedoria para não me desviar desse caminho... Mas às vezes distraio-me.

- O que mais a distrai?

- Coisas simples, banais. Se eu fosse um jardim, diria que gostaria de erradicar toda a erva daninha... mas não sou um jardim, nem sou perfeita.

- Depois de Perfeito Coração, o que se segue?

- Quero aproximar-me mais do cinema. É um desejo recorrente de todo o actor, e quero voltar a pisar o palco, sem dúvida! Talvez faça ambos! Espero... O cinema exorcisa e o teatro inspira, ou vice-versa!

- Sair de Portugal em busca de um sonho alguma vez foi um objectivo?

- Já realizei o desejo de estudar lá fora, quando tinha 17 anos. As metas vão-se criando, conforme as fases e as oportunidades. Neste momento sabe-me tão bem viver aqui... Mas se tivesse uma proposta, também não hesitaria. Gosto de partir à aventura!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras