Nas Bancas

Roberto Medina recorda sequestro

Ao lado da mulher e da filha mais nova, o empresário fala dos últimos 25 anos.

Melissa Tavanez
17 de fevereiro de 2010, 10:31

Há 25 anos, Roberto Medina sonhou organizar um evento de música em grande escala. Nesse ano, nasceu o Rock in Rio, que levou um milhão e meio de pessoas à 'cidade do rock', no Rio de Janeiro. Quando trouxe o projecto para Portugal, gerou a mesma onda de sucesso, que alastrou ainda a Espanha e poderá em breve chegar a outros países.

Actualmente, o pai do RiR divide a sua vida entre o Brasil, Portugal e Espanha, onde passa agora a maior parte do tempo. Na sua casa de Madrid, o empresário recordou os melhores e os piores momentos da sua vida, entre os quais o sequestro de que foi alvo no Brasil, há vinte anos, e que quase lhe custou a vida. Revela que a experiência o tornou um homem diferente: redefiniu as suas prioridades e, actualmente, para além do orgulho e da paixão pelos filhos mais velhos, Rodolfo, de 34 anos, e Roberta, de 32, jurada do programa Ídolos e ambos envolvidos no RiR, não esconde ser um melhor pai para a sua filha mais nova, Raíssa, de quatros anos, fruto da relação com Mariana Ferreira, com quem está há mais de dez anos.

- O Rock in Rio tem crescido com o envolvimento de toda a família...

Roberto Medina - Sim. O Rodolfo ainda era criança quando criei o projecto, mas já andava comigo de um lado para o outro no recinto. A Roberta dormia no chão do Rock in Rio, e não havia uma área VIP como há hoje! Mas eu não imaginava essa trajectória do RiR. Nem que hoje iría­mos estar todos a trabalhar neste projecto. Portugal deu-me o impulso para internacionalizar o projecto, e agora já estamos em Espanha, em breve na Polónia, e vamos regressar ao Brasil.

- Como viu os seus filhos transformarem-se nos seus principais parceiros de trabalho? Educou-os para isso?

- Não, foi uma opção deles. Quando eu era pequeno, o meu pai fazia as grandes promoções do Brasil, promoções de rua, de programas de televisão. Convivi sempre com o backstage e não gostava. Mas todo aquele mundo nos influencia. Acho que o Rodolfo e a Roberta se entusiasmaram com tudo isto, mas nunca imaginei que fossem seguir o meu caminho. Mais ainda, pensei que a Roberta ficasse a trabalhar na agência de publicidade, não a fazer eventos. Mas faz, e muito bem.

- Hoje sente-se orgulhoso por terem seguido este caminho?

- Claro que sim. Ontem estava a ver o Ídolos, lá estava a minha filha, linda, a falar muito bem. O Rodolfo é um grande executivo, está a brilhar no Brasil. Tomou conta da agência de comunicação e eventos no Brasil e está a ajudar-me na comercialização de tudo. Fazemos uma grande equipa.

- Como vê a popularidade que a Roberta está a atingir em Portugal?

- É lindo. Qualquer pai é tendencioso ao falar dos filhos, mas tirando isso, acho mesmo que ela é linda, muito comunicativa, e é uma grande profissional. Estou muito orgulhoso dos meus filhos.

- Outro grande apoio é a sua mulher...

- Sem dúvida. Sem a Mariana nunca teria organizado o RiR em Portugal. Porque ninguém me encorajava a fazer este projecto em Portugal e eu não tinha os conhecimentos que tinha no Brasil, sobretudo ao nível de patrocínios. A Mariana foi uma companheira que me deu força e trabalhou sempre comigo. A primeira equipa de trabalho em Portugal fui eu, a Mariana e um advogado.

Roberto Medina com a mulher e a filha mais nova
Roberto Medina com a mulher e a filha mais nova
Campiso Rocha

- Com a expansão para Espanha, decidiu também mudar-se para Madrid. Como tem sido a adaptação da sua família a este país?

- Estamos a adaptar-nos muito bem. A Mariana está óptima, a Raíssa também, está numa escola inglesa, fala inglês e espanhol e já tem amigos aqui. Eu, na verdade, é que ainda estou a adaptar-me. Porque o raciocínio dos espanhóis é mais concreto, nós somos mais românticos. E digo nós porque também sou português. Em Espanha tudo tem que fazer sentido e eu gosto de sonhar.

- Como tem vivido o crescimento da Raíssa, tendo em conta que há quase 30 anos de intervalo em relação à Roberta?

- É tudo muito diferente. Agora consigo criar tempo para estar com a Raíssa. E os problemas são mais complexos do que eram quando tive a Roberta e o Rodolfo. Mas consigo definir essa prioridade, que é a minha filha. Quando se tem 30 anos, um filho é fundamental, é maravilhoso, mas acaba por não ser a prioridade na nossa vida. Naquele tempo pensava que não podia perder uma reunião, hoje troco-a pela minha filha.

- Sente que falhou em algum momento com os seus filhos mais velhos?

- Acho que não. Hoje o Rodolfo e a Roberta são pessoas completas, educadas, informadas, enfim... Claro que toda a gente erra em alguma altura na vida. Mas quando se põe amor na relação entre pai e filho, os obstáculos acabam por ser superados.

- Está em sintonia com a Mariana na educação da Raíssa?

- Na verdade, eu deseduco e ela educa. Com a Raíssa faço mais o papel do pai-avô que permite à criança fazer tudo o que quer. Mas penso que acontece muito isso quando se tem de novo um filho tanto tempo depois de se ser pai pela primeira vez.

- Passou por uma prova muito difícil há cerca de vinte anos, quando foi sequestrado no Brasil. Ainda tem esse episódio presente na sua memória?

- Claro que sim. Não posso dizer que não fiquei com marcas grandes daquilo que me aconteceu. Tento é tirar disso as coisas boas. Estive entre a vida e a morte durante cerca de 15 dos 16 dias de sequestro, e nesse momento tudo o que eu mais queria eram coisas muito simples. Quando não sabia se iria sair dali vivo, queria ver o sol, flores, os meus filhos, coisas que eu tinha todos os dias quando estava livre, mas às quais não dava a importância certa. E isso teve muita influência na minha atitude a partir de então. Foi tão emocionante o momento em que fui libertado! Porque estava vivo, porque podia ver os meus filhos. Isso ajudou-me a superar qualquer trauma.

- Tirou, portanto, uma lição de vida de um momento tão angustiante....

- Tirei uma grande lição de vida que me fez mudar muito. Teve coisas más também, porque ver nos filmes não é a mesma coisa que viver uma situação daquelas. Vi o lado negro da vida bem perto. Mas valeu essa sensação de ter saído dali com vida e de ter a minha família toda comigo.

Roberto Medina com a mulher e a filha mais nova
Roberto Medina com a mulher e a filha mais nova
Campiso Rocha

- O seus filhos sofreram muito?

- Muito. O Rodolfo ficou praticamente seis meses sem falar. A Roberta era um pouco mais nova e ficou extremamente traumatizada, mas o caso do Rodolfo foi mais complicado. Ainda por cima foi o primeiro sequestro naqueles moldes no Brasil, e todos os meios de comunicação se dedicaram ao assunto. Os bandidos fizeram uma combinação com a minha família: se a imprensa falasse no caso, matavam-me. E a minha família conseguiu estabelecer um acordo muito difícil com a imprensa que resultou durante dez dias. Até que a revista Veja decidiu publicar a matéria, e nesse dia quase morri. Foi o momento mais difícil para todos. A partir daí, todos os que se estavam a conter para me proteger começaram a falar também no assunto e isso gerou uma onda de comoção. Lembro-me que não tinha dinheiro para pagar o sequestro, porque eles queriam dois milhões e meio de dólares, e mesmo empresas com as quais não tinha relação comercial deram dinheiro à minha família para ajudar. Foi impressionante. Só assim a minha família conseguiu reunir o dinheiro para pagar o resgate.

- Depois de tudo isso, sentiu, em algum momento, vontade de falar ou confrontar os sequestadores?

- Não. Eram 18 pessoas e acabaram por morrer todos, em confrontos com a polícia. O principal sequestrador foi morto no meio da rua, de dia, por cinco homens da polícia. Esse homem era uma figura muito estranha e quando me soltou deu-me um gavião que me proibiu de dar ou vender. Imagine eu a chegar, a ser solto, com um gavião no braço. Criou uma grande confusão. Fiquei com o gavião, porque ele ameaçou matar a minha família se eu não cumprisse certas condições como guardar o gavião, não revelar o esconderijo onde estivera, entre outras. O engraçado é que esse homem era fã do Rock in Rio e disse-me que eu devia continuar a fazer o evento e que iria lá dar-me um presente. Disse-lhe que se fosse lá seria morto. Respondeu que era problema dele. Acabou por não ir, porque foi morto antes, mas foi à agência de publicidade que eu tinha, no auge da perseguição e quando já sabiam quem ele era, e levou uma caneta para me oferecer. Ligou-me antes, apareceu na agência, eu avisei a segurança, ele deixou a caneta na recepção, fugiu com toda a gente atrás dele, mas cumpriu. Morreu quinze dias depois. E tudo porque, quando fui sequestrado, tinha um cordão de ouro e um relógio, e outros bandidos, não ele, roubaram-me tudo. Quando o chefão viu, perguntou-me onde estavam e tentou recuperar os objectos, mas já não conseguiu e foi aí que me prometeu o dito presente. E levou-me mesmo essa caneta de ouro. Isso é Brasil mesmo, porque é uma loucura. Até nisso somos românticos. E o gavião era a marca dele.

Roberto Medina com a mulher
Roberto Medina com a mulher
Campiso Rocha

- O que fez para que os seus filhos superassem o trauma?

- Foi algo muito natural, com o tempo.

- Mas ainda ficaram algum tempo restritos à vossa própria casa?

- Claro que sim, sobretudo eles. Mas nós também, porque não conseguíamos sair com a imprensa toda na porta. Eu queria muito andar na rua, mas a imprensa fantasiava muito. Lembro-me que tinha uma colecção de bengalas e gostava de as usar, embora não tivesse qualquer problema. No primeiro dia em que vi que não havia imprensa na rua, saí para dar uma volta no condomínio e levei a bengala. Havia um fotógrafo e uma jornalista disfarçados de namorados, tiraram a foto e no dia seguinte o jornal dizia que eu usava bengala porque tinha levado um tiro dos bandidos. Muita gente ainda acredita que eu levei mesmo um tiro.

- Daí ter sentido uma necessidade maior de proteger os seus filhos?

- Sim. Mas também porque eu queria ir para a rua combater aquela onda de crimes que tinham começado com o meu sequestro. Disse à minha família que eles iam viver para Miami e tudo, mas eles não deixaram que assim fosse. Aguentei muito tempo sem falar, mas um dia sequestraram três pessoas no mesmo dia. Foi quando decidi agir. Falei pela primeira vez à imprensa e tentei convocar toda a gente para ir para a rua lutar contra os bandidos. No dia seguinte era capa dos jornais mais importantes, e toda a gente ficou emocionada. Apareceram mais de 700 mil pessoas na rua, vestidas de branco, com todos os artistas do Brasil. Toda a gente a lutar pela mesma causa. Não terá sido só por causa disso, mas num mês, curiosamente, acabaram os sequestros no Rio de Janeiro.

- Hoje, e sobretudo depois de ter sido pai de novo, receia voltar a ser alvo de uma situação parecida?

- As coisas estão muito diferentes. Estranhamente, nunca tive muito medo, não fiquei traumatizado com o sequestro. Só não fui livre na minha vida durante aqueles 16 dias. Hoje saio no Rio para passear sem problemas, sem segurança, e vou a todo o lado.

- Voltando ao presente: o que podemos esperar para o Rock in Rio em Portugal e Espanha?

- Podemos esperar mais do mesmo. Estou a tentar encontrar artistas que se identifiquem com os gostos do país, vou continuar a apostar num dia dedicado aos adolescentes e tentar melhorar um pouco de tudo o que fazemos.

- Madrid vai ser uma aposta maior este ano?

- Este vai ser o ano da consolidação para Madrid, porque as pessoas já perceberam o espírito do RiR. Foi como o primeiro ano em Portugal. Já somos a maior marca de música nos três países, por isso, o que espero é consolidar tudo isso cada vez mais. E aqui em Espanha a 'cidade do rock' foi feita de propósito para o Rock in Rio. Acho que está muito bom.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras