Nas Bancas

Cristina Ferreira fala da união feliz com António Casinhas

A apresentadora desmente qualquer crise na sua relação de 14 anos com o empresário, de quem tem um filho.

Melissa Tavanez
22 de janeiro de 2010, 13:07

Quem vê diariamente Cristina Ferreira no programa Você na TV talvez não perceba que, por detrás do sorriso fácil e da pessoa doce, há uma mulher determinada e assertiva que sabe muito bem aquilo que quer. Talvez seja esta confiança em si própria que a permite desvalorizar o que muitas vezes se escreve na imprensa sobre a sua relação de 14 anos com António Casinhas, de quem tem um filho, Tiago, de 18 meses. Os rumores de que o companheiro é um pai pouco presente e de que troca a companhia da mulher por saídas nocturnas nunca abalaram a felicidade do casal. Aliás, a sintonia de ambos parece aumentar com os anos de vida em comum e Cristina está convicta de que encontrou, logo aos 18 anos, o homem com quem continua a querer partilhar o resto da sua vida.

Foi durante uma conversa franca que a apresentadora, de 32 anos, contrariou rumores e falou sobre aquilo que é essencial na sua vida para ser uma mulher feliz.

- Depois desta produção, pode dizer-se que há uma Cristina assertiva e determinada, bem diferente daquela que se vê na televisão...

Cristina Ferreira - Sou assim nestas fotografias e na vida. O que transparece na televisão é a minha alegria, o gosto que tenho em trabalhar, e isso é natural, espontâneo... Não se consegue enganar as pessoas durante muito tempo. Acho que já perceberam que quem ali está no Você na TV sou eu. Mas depois há um lado muito esforçado e assertivo que tenho na vida, de conseguir concretizar tudo aquilo que planeei, seja a curto ou a longo prazo, e que pode estar no meu olhar nestas fotografias.

- É essa certeza e determinação que lhe permitem ter uma relação de 14 anos?

- É sentir-me bem ao lado da outra pessoa, sentir-me amada, observada, diariamente, e isso faz-me melhorar e apostar tudo. Sei que sou criticada, mas é para que cresça. E, acima de tudo, é amar incondicionalmente. É isso que me faz estar lá.

- O amor cresce com os anos?

- Cresce e muda. Pareço aquelas pessoas já de 60 anos. [risos] Mas tendo uma experiência já tão longa... Ter começado a namorar com 18 anos - era uma criança, não sabia nada - deu para perceber que mudamos, vamos querendo coisas diferentes, mas que há uma base comum, que está lá sempre presente.

Cristina Ferreira
Cristina Ferreira
Mário Galiano
- E de alguma maneira têm mudado juntos...

- Sem dúvida. Temos crescido a dois, cometido erros juntos e em separado. Falámos desses erros, e isso é que é importante. Temos de ver o outro como alguém que falha, que em determinados dias pode não estar bem, mas que isso faz parte da vida, e é ela que nos une.

- A Cristina tem um casamento feliz?

- Claro. Qualquer pessoa tem de perceber isso. Estando segura, nada me abala.

- As notícias que dão a entender que atravessa uma crise no seu casamento devido ao comportamento do seu companheiro nunca abalou a confiança que tem nele?

- Não. É claro que dói, que magoa, ninguém gosta de mentiras e que se digam coisas que não são as correctas. Mas o que fazer quando, neste momento, estamos a passar por uma fase em que algumas pessoas - não em toda a imprensa - gostam de ser incompetentes?

- O António é um pai presente?

- Muito. E não me surpreendeu, porque sabia que ele iria ser assim. E se há coisa que me enche de felicidade é ver os dois a brincarem, a darem 'beijinhos de nariz'. É estarem juntos e chamarem-me, precisarem de mim. É isso que me dá força para acordar às seis da manhã e ter um dia inteiro de trabalho, porque sei que esperam por mim no final do dia.

- Depois de tantos anos juntos sem filhos, foi difícil adaptarem-se a uma criança?

- Não me ajustei em nada. O Tiago já existia em nós há muitos anos, o nome estava escolhido... Nós sabíamos como é que ele iria ser. É impressionante. Se tivéssemos escrito aquilo que queríamos que fosse o Tiago, física e psicologicamente, ele não teria nascido tão perfeito. Ele é aquilo que nós imaginámos durante 13 anos, mas agora está ali, é o nosso filho.

Cristina Ferreira
Cristina Ferreira
Mário Galiano
- E continuam a ter tempo um para o outro?

- Temos, mas é um tempo diferente. De vez em quando temos momentos a dois, mas nesta altura ainda não nos faz muito sentido. O Tiago é tão pequenino que precisa de estar lá. Sentimos que nos falta alguma coisa. Ele tem tempo de, aos 18 anos, sair de casa. [risos] Se ele nos completa tanto, para quê passar já momentos sem ele?

- O casamento faz agora sentido?

- Eu já fui daquelas miúdas que sonhou muito com o vestido de noiva. Quando vinha com a minha mãe a Lisboa, obrigava-a a parar em todas as montras com vestidos de noiva. E ainda hoje tenho um fascínio muito grande por esse mundo. Acho que um dia o casamento vai fazer sentido na minha vida. O Tiago também surgiu de uma forma natural, possivelmente com o casamento há-de ser assim também.

- E quer ter mais filhos?

- Tenho um medo que acho que passa pela cabeça de muitas mulheres: o de não conseguir amar da mesma maneira outro filho. Como é que conseguimos dividir as coisas? Como é que pode ser igual o amor por duas pessoas quando elas são tão diferentes? Claro que o amor vai ser diferente, mas será incomensuravelmente grande. E tenho um companheiro que adorava ter uns cinco ou seis filhos. [risos] Mas penso que vamos ficar por dois, três, até porque acho que neste momento a vida que tenho permite-me criar mais do que uma criança. Se não tivesse de passar de novo pela gravidez, até podia ter outro filho já! [risos] Mas não faço planos. Há coisas que deixo que venham ao sabor do destino. Acredito muito nele.

- O Tiago já reage quando a vê na televisão?

- Reage, e já há muito tempo. Ele até já conhece os anúncios que dão antes do programa. Fica a rir-se em frente à televisão até que eu apareça. E sempre que passa ao pé de uma televisão, diz: 'mamã'. [risos]

António Casinhas e Cristina Ferreira
António Casinhas e Cristina Ferreira
CARAS
- Faz o mesmo programa há cinco anos. Ainda não se cansou?

- Não. Já sinto saudades só de pensar no dia em que o programa terminar. Estou ali numa parceria com o Manel [Luís Goucha], que tem anos e anos de televisão. Sei que este trabalho há-de terminar e dou por mim a pensar no dia em que não tiver o Manel e o Você na TV. Duas pessoas com vinte anos de diferença, como eu e ele temos, serem tão parecidas, acontece uma vez em cem anos.

- Tem medo de se aventurar na televisão sem o Manuel Luís Goucha?

- Não tenho medo nenhum, acredito realmente nas minhas capacidades. E sei que, com trabalho, consigo fazer tudo. Quando vou substituir a Júlia [Pinheiro] no programa da tarde, o Manel não me faz falta, porque é outro registo, e ali não tenho de ser o que sou de manhã. O Manel existe na minha vida há cinco anos e eu tenho 32. E não sou uma boneca que diz o que os outros querem.

- É uma pessoa exigente?

- Comigo e com os outros, e os meus colegas podem queixar-se um bocadinho. [risos] Acho que podemos errar, temos é de aprender com os nossos erros. E há pessoas que não o fazem. Isso bloqueia-me, deixa-me furiosa.

- Tem a mesma atitude na vida pessoal?

- Sou mais exigente no trabalho. Na vida afectiva, dou margem para que se cometam mais erros, para que não se diga a palavra certa, para que não se acorde todos os dias bem-disposto, para que não haja sempre dias perfeitos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras