Nas Bancas

Pedro Moutinho: Fadista 'adia' vida pessoal para investir na carreira

"Estou numa fase em que estou mais comigo, não tenho ninguém e também não ando à procura, mas casar-me e ter filhos é algo que quero para a minha vida."

Andreia Guerreiro
16 de janeiro de 2010, 15:38

Cresceu a ouvir e a conviver com alguns dos mais importantes intérpretes do fado e, aos 33 anos, Pedro Moutinho é já um nome incontornável da nova geração de fadistas, tendo sido galardoado com o Prémio Amália Rodrigues em 2008. Filho de fadistas, Luísa e Manuel Paiva, e irmão de fadistas, Camané e Hélder Moutinho, Pedro tem conseguido demarcar o seu caminho da restante família. Foi no dia anterior ao do seu aniversário, e antes de partir para Istambul, onde celebrou a data, que o fadista conversou com a CARAS e contou como tem sido este percurso e como houve uma altura da sua vida em que tentou "fugir" ao fado, através de uma banda de covers com a qual cantava rock.

- Quando é que sentiu que o fado lhe dizia alguma coisa?
Pedro Moutinho -
Acho que desde criança, pois acompanhava os meus pais para as casas de fados e adormecia em cima das mesas a ouvir grandes nomes a cantar fado.

- Sempre sentiu que o fado era o seu caminho?
-
Não. Houve uma altura em que o fado era uma brincadeira. Em criança, já gostava muito de cantar, mas era uma coisa muito leve. Comecei a cantar com sete anos, com letras próprias para crianças, a brincar, nos fados tradicionais, e só mais tarde, aos 16 anos, é que percebi que era o fado o caminho que gostaria de seguir. Na minha adolescência afastei-me um pouco do fado e estive virado para o rock, tinha uma banda de covers, mas o bichinho já lá estava. Lembro-me que foi a fase da minha vida em que mais saí com o meu pai e ansiava pelo fim-de-semana, que era a altura em que percorríamos as casas de fados.

- Foi difícil perceber isso? Travou alguma luta interna para aceitar o seu caminho, ou sempre soube que seria assim?
-
No fundo, sempre soube que seria esse o meu caminho, apesar de saber que iria correr alguns riscos e que seria algo que teria de construir.

- Apesar de ser filho e irmão de fadistas, conseguiu delinear um caminho distinto. Foi um percurso difícil?
-
Nada é fácil, tive de crescer enquanto fadista, criar o meu próprio estilo e ir à procura do meu próprio caminho. E acho que fui ganhando maturidade ao longo dos anos, o que também me distinguiu numa família de fadistas.

- Considera que são muito diferentes uns dos outros?
-
Sim, bastante. Cada um tem o seu estilo, as pessoas identificam-nos facilmente, mas os genes são os mesmos, há coisas que não podem fugir muito disso.

- Segundo sei, vocês são muito unidos e cultivam realmente o sentido de família. Isso é importante para si?
-
Muito. Com a minha família sinto-me mais seguro, é a minha base emocional. Se qualquer coisa corre mal, sei que enquanto os tiver perto de mim, tudo será pelo melhor.

- Já recebeu alguns prémios bastante importantes. Cada vez que isso acontece, sente o peso da responsabilidade aumentar?
-
Claro que sim, mas também me dá força para querer fazer mais e melhor. Gosto muito de cantar, mas também gosto muito de escolher o reportório, os compositores de que gosto e que depois escrevam para mim, é também um trabalho que me dá imenso prazer. Sinto vontade de fazer coisas boas para mim.

Pedro Moutinho
Pedro Moutinho
Mike Sergeant
- Há muito bons fadistas que não se tornam conhecidos do grande público. Alguma vez teve receio que isso lhe acontecesse?
-
Acho que sim, invisto muito na minha carreira. Claro que as casas de fado ainda hoje são importantes e são uma escola, mas acho que quando começamos a investir e a ir em busca do grande público, há sempre aquele medo de que isso não aconteça. Trabalho muito para que isso aconteça e, devagar, tem dado certo.


- Há quem diga que o fado é um estado de alma, concorda com isso?
-
Concordo. O fado tem muito que ver com o meu modo de vida, com o que tenho aprendido. Tem sido um percurso de crescimento, e acho que isso é muito importante para quem interpreta fado. Só canto coisas com que me identifico, mas também é muito importante que passe uma verdade para as pessoas. Para mim é um modo de vida, mas também um estado de alma.


- Em 2009 lançou o seu terceiro álbum, Um Copo de Sol. Em que diverge dos outros?
-
O meu segundo disco, Encontro, correu muito bem e recebeu o Prémio Amália Rodrigues em 2008. Era um disco mais fechado, com temas mais tradicionais e com poemas desde
Fernando Pessoa
a
António Botto
,
António Lobo Antunes
... Foi um disco que marcou um pouco a minha vida e, desta vez, tive de pensar bem no que iria fazer, pois já tinha uma maior responsabilidade. Quis contar em pequenos fados o que foram os meus últimos 15 anos. Tentei que este fosse um disco muito pessoal, com histórias que se passaram na minha vida. Este disco tem uma linguagem muito simples e directa, o que também procuro sempre para conseguir chegar às pessoas.


- Foi um processo moroso?
-
Muito. Demorei dois anos a ter o reportório todo. Arrisquei muito nos compositores, alguns que nada têm que ver com o fado, como é o caso da
Amélia Muge
e do
Tiago Bettencourt
.


- Quando está em palco, canta para si ou para o público?
-
Este é um disco muito pessoal. Canto sempre para mim e acho que dessa forma chego ao público.


- Com uma vida tão realizada a nível profissional, não sente vontade de investir mais na vida pessoal? Não faz parte dos seus planos casar-se e ter filhos?
-
Claro que faz parte dos meus planos para um futuro, mas por enquanto não tenho como pensar nisso. Estou numa fase em que estou mais comigo, não tenho ninguém e também não ando à procura. Mas é claro que é algo que quero para a minha vida, com a idade já começo a sentir isso, mas acho que é algo que não se procura e que se encontra quando menos se espera.


- Mas assim também pode dedicar-se mais à carreira...
-
Sim, a verdade é que tenho estado realmente mais virado para mim e com vontade de investir na minha carreira, pois preenche-me muito.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras