Nas Bancas

Luís e Besma Aranha defendem: "Somos a ponte entre dois mundos"

O presidente do grupo Ana Salazar e a engenheira tunisina conheceram-se em Tóquio, a caminho da Alemanha. Casaram-se há três anos e têm um filho de dois, Francisco. As diferenças culturais e de idade em nada atrapalham o romance.

Andreia Guerreiro
4 de janeiro de 2010, 10:27

Há histórias assim, em que nem a diferença cultural e linguística trava um grande amor. Que o digam o português Luís Aranha e a tunisina Besma, de 54 e 39 anos, respectivamente. Ele é CEO e presidente do grupo Ana Salazar, nasceu em Lisboa, viveu em Goa dos cinco aos 11 anos, morou em Tóquio durante dezasseis anos e esteve casado durante 25. Dessa relação, tem três filhos, Maria, de 37 anos, Luís Maria, de 31, e António, de 24. Ela é engenheira electrotécnica, nasceu na Tunísia e nunca tinha pensado casar-se ou ter filhos, pois o trabalho era a sua prioridade. A vida de ambos mudou totalmente no dia em que se cruzaram no aeroporto de Tóquio, a caminho da Alemanha. Em Abril de 2006, casaram-se, na terra natal de Besma, e hoje têm um filho, Francisco, de dois anos. Em Setembro, vieram para Portugal, e é aqui que pretendem ficar. Uma história que nos contaram durante uma conversa na casa de ambos, em Cascais.

- Conheceram-se num aeroporto...
Luís Aranha -
Em Tóquio, no business lounge. Íamos viajar para a Alemanha e ficámos sentados ao lado um do outro. Não havia mais ninguém no lounge e começámos a conversar casualmente.

- Houve uma empatia imediata?
-
Sim, penso que da parte de ambos. Julguei que a Besma estivesse ligada ao mundo da moda, pois é alta, bonita e estava vestida de preto. Quando me disse que era engenheira, até fiquei um pouco desiludido. [risos] Trocámos cartões e cada um seguiu o seu caminho.
Besma - Só mais tarde, já depois de estarmos juntos, é que percebemos que nos tínhamos apaixonado naquele instante.

- Nessa altura, a Besma morava na Alemanha e o Luís em Tóquio. Tinham uma relação à distância?
Luís -
Nos primeiros tempos, depois do primeiro encontro, não nos voltámos a ver, embora falássemos. Depois, encontrámo-nos algumas vezes, pois a Besma tinha um cliente em Tóquio, acabámos por nos conhecer melhor e decidimos casar-nos.

- Foi um pedido formal?
-
Muito. [risos] A Besma é árabe e tive de ir à Tunísia falar com o irmão mais velho dela. Discutimos e acordámos tudo o que seria necessário em relação ao futuro. Nessa primeira vez, não conheci a mãe da Besma, só na segunda visita é que conheci a família. Foi um pouco como voltar aos 20 anos. [risos] Mas depois acabei por ser muito bem aceite.
Besma - Agora posso mesmo dizer que o Luís é o genro favorito da minha mãe. Ela adora-o e já ultrapassou totalmente o facto de ele ser um estranho e português.

- O facto de o Luís já ter sido casado e ter filhos, trouxe-lhe algum tipo de constrangimento?
-
No início, acho que pesava mais o facto de ele não ser tunisino e não o facto de já ter sido casado. Assim que se conheceram, todas as barreiras foram postas de parte e as pessoas passaram a ser somente pessoas. Somos a ponte entre dois mundos.

- Casaram-se em 2006, na Tunísia. Foi uma cerimónia árabe?
-
Completamente, e muito bonita. Foi um casamento de quatro dias, e a minha mãe foi a maior dançarina daquelas festas todas. [risos] Foi toda a família, e ainda imensos amigos da Alemanha e do Japão. Tenho a sensação de que nunca aquela aldeia terá recebido tantos estrangeiros. Existiam alguns preconceitos em relação aos estrangeiros que acho que deixaram de existir desde esse dia.

Luís e Besma Aranha em produção para a CARAS
Luís e Besma Aranha em produção para a CARAS
Luís Coelho
- Adaptaram-se bem aos hábitos um do outro?
-
A cultura europeia não me era desconhecida, até porque fui para a Alemanha aos 18 anos.

Luís -
Eu também vivi quase sempre fora de Portugal e sempre me habituei a outras culturas e a conviver com pessoas diferentes. Para mim, a cultura não é uma barreira. Somos um pouco cidadãos no mundo. Claro que há coisas no dia-a-dia que devem ser geridas mais racionalmente, mas a maior parte das diferenças encaramos com naturalidade, respeitando a cultura um do outro.


- Depois de se casarem, foram finalmente viver juntos...
-
Sim, primeiro em Tóquio, depois na Alemanha, onde estivemos um pouco mais de dois anos. Depois estávamos indecisos entre vir para Portugal ou ir para a Tunísia, e com a oportunidade de trabalho que me surgiu, acabámos por decidir vir. Hoje em dia, a Besma está a fazer uma pausa no seu trabalho para estudar português e adaptar-se ao País. O nosso sonho é morar entre Portugal e Tunes.


- O facto da Besma ter deixado a sua carreira pode ser considerado uma grande prova de amor...
Besma -
Foi uma decisão de família. O Francisco é muito pequeno e queríamos estar mais perto dele e transmitir-lhe as nossas raízes, que estão em Portugal e na Tunísia. Precisamos de viver em ambos os países para que ele desenvolva essas raízes e se sinta em casa em ambos os locais. Claro que para o Luís é mais fácil, por razões óbvias, e eu encaro tudo como um investimento.


- E em que língua falam com o Francisco?
-
Eu falo em árabe, os três falamos em inglês, e ele frequenta a escola alemã. Recentemente começámos a falar também em português.

Luís -
Ele entende perfeitamente as três línguas e fala um pouco de português.


- O Luís acaba por ser agora um pai mais presente do que quando viviam na Alemanha, com viagens constantes...
-
Muito mais. Aliás, a minha experiência com o Francisco é especial, pois com os meus primeiros filhos não tive tempo. Nunca tinha mudado uma fralda na minha vida. Tenho uma boa relação com os meus filhos, mas tenho gozado mais o Francisco enquanto pai. Antes de nos mudarmos para cá, viajava todas as semanas e estávamos pouco tempo juntos, agora até isso mudou.


- A sua filha mais velha tem 37 anos e o mais novo dois. São experiências totalmente diferentes...
-
Sempre tive uma relação muito próxima com os meus filhos, com o Francisco, além disso, tenho acompanhado o seu crescimento. Penso que ser-se pai mais velho, e quando se é mais maduro e se tem confiança na vida, é mais interessante. Também vivemos muito para os três e gozo muito o Francisco.


- E a Besma, como se dá com os filhos do Luís?
Besma -
Muito bem. Claro que a princípio estava um pouco preocupada, mas correu tudo muito bem. Eles tornaram muito fácil para mim pertencer a esta família.


- Sentem a diferença de idades?
Luís -
A única coisa é que algumas vezes ela não tem energia para mim. [risos] De outra forma, não. Nunca sentimos essa diferença.


Luís e Besma Aranha em produção para a CARAS
Luís e Besma Aranha em produção para a CARAS
Luís Coelho
- Sentem que o amor vive somente dele próprio?
-
Nem pensar, o amor é uma relação íntima de dentro para fora, mas depois também deve ser gerida de fora para dentro. O amor é uma relação. Para mim, é a razão para justificar tudo, mas depois é preciso gerir a relação, tem de haver cedências.

Besma -
Cedemos naturalmente e, para mim, o fantástico é que sempre que chego a casa e vejo o Luís, fico tão feliz e sinto-me tão apaixonada... O Luís costuma dizer que está mais apaixonado agora do que quando se apaixonou.


- A sua vida mudou por completo por causa do Luís...
-
Nunca pensei que seria assim. Sempre achei que teria uma vida de maria-rapaz... Os estudos sempre estiveram em primeiro lugar, depois o trabalho, e de repente vi-me com outra vida. Só quando conheci o Luís é que percebi que poderia haver algo mais e acabei por também gostar dessa sensação. Quando estávamos juntos, até cozinhava, o que era impensável antes. Realmente, a minha vida mudou muito e para melhor.


- E para o Luís, foi como uma lufada de ar fresco?
Luís -
Penso que sim. Foi completamente diferente de tudo o que tinha vivido antes, temos uma boa química e acho que esse é o elemento-chave. A minha vida recomeçou.


- Vão deixar o Francisco optar entre a religião católica e a muçulmana?
Besma -
Em termos de religião, não há grandes diferenças entre nós, pois o que interessa são os princípios. Os valores são os mesmos, e isso é que é importante.


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras