Nas Bancas

A mensagem de esperança de Catarina Furtado

A popular apresentadora de televisão é, desde 1999, embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População.

Andreia Guerreiro
31 de dezembro de 2009, 18:42

Não se sabe bem porquê, mas é nesta época que o ser humano tem mais predisposição para pensar nos outros. Por isso, não posso perder a oportunidade de partilhar um bocadinho a espuma que tem feito os meus dias desde que abracei a missão de ser Embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA). Quando, há dez anos, em Nova Iorque, me entregaram esta responsabilidade, também me confidenciaram que o trabalho que me esperava iria ser desafiante e difícil. Nas viagens que tenho feito pelo terreno real, com gente que apenas tenta sobreviver cada dia, sempre como se de uma batalha de suspiros se tratasse, vi, e registei, e não esqueci, que é nas mulheres que assenta a responsabilidade de alimentar a família, através da agricultura, da produção de alimentos, de garantir o abastecimento de água, de tratar dos animais, recolher lenha para cozinhar... enfim, uma casa às costas, que inclui, tantas vezes, a dura e persistente realidade das tradições culturais que obrigam as mulheres a calar, consentir e sofrer. Eu vi, e é esse sofrimento silencioso que me deixa indignada. Numa altura em que o mundo está a viver permanentes alterações climáticas, sabemos que, mesmo em situações de desastres naturais e de migração forçada, as mulheres continuam a engravidar, e são muitos os bebés que nascem.

Catarina Furtado
Catarina Furtado
Ricardo Freitas/Até ao Fim do Mundo
Há dias apresentei o
Relatório sobre a Situação da População Mundial da ONU -
Enfrentando um mundo em transição: mulheres, população e clima
. Este relatório é uma referência incontornável para compreendermos o Mundo tal como ele é, como está e como poderá ser. E nele podemos ler essas mesmas conclusões, ou seja, que não podemos apenas falar da pressão demográfica e das emissões de CO², da subida do nível do mar, dos gelos a derreter, do aquecimento global, das espécies em vias de extinção, das chuvas ácidas; temos de fazer com que os discursos que tenham como objectivo ajudar a salvar vidas, erradicar a pobreza e promover o desenvolvimento sejam, efectivamente, levados à prática, pensando em recursos específicos para a área da saúde materno-infantil. É urgente proteger as mulheres e as crianças, que, por força das circunstâncias, estão mais vulneráveis a todas as situações e, por isso, são sempre as maiores vítimas.


Catarina Furtado
Catarina Furtado
Ricardo Freitas/Até ao Fim do Mundo
São mais de mil milhões as pessoas em situação de fome extrema no mundo. E, como sabemos, é nos países onde há mais bebés a nascer que as taxas de mortalidade materna, neonatal e de crianças até aos cinco anos são mais elevadas. Dar à luz em segurança é um privilégio das mulheres ricas.


Catarina Furtado
Catarina Furtado
Ricardo Freitas/Até ao Fim do Mundo
"Tenho muitos filhos, mas poucos sobreviveram"
;
"Tenho muitos filhos, porque poucos sobrevivem"
. Estas são frases cruelmente comuns que me habituei a ouvir nas minhas viagens ao terreno. Mas nunca ficamos habituados, nem nunca são suficientes as vezes em que dizemos em voz alta:
"Morre uma mulher por minuto, por ausência de cuidados de saúde antes, durante e após o parto."


São mais de 500.000 mortes por ano que seriam EVITÁVEIS! Esta é a minha mensagem de Ano Novo, uma mensagem de alerta que nos pode unir a todos por uma mesma causa. Feliz 2010!


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras