Nas Bancas

Vicky Fernandes confessa ser uma mãe permissiva com o filho, Manuel Maria

A pretexto do Natal, a CARAS convidou a consultora para uma produção com o filho, de 22 anos, fruto do seu primeiro casamento. Actualmente, Vicky está casada com o empresário João Fernandes.

Andreia Guerreiro
25 de dezembro de 2009, 18:35

Cumplicidade é a palavra que melhor define a relação de Vicky Fernandes com o filho, Manuel Maria, de 22 anos, a quem agradece o facto de lhe ter "ensinado o sentido da vida".
Nesta entrevista, que teve como pretexto o Natal, a consultora conta que é uma mãe permissiva, daquelas que preferem explicar as regras em vez de impô-las, e que desmarca qualquer programa só para estar com o filho.

- A Vicky é apenas mãe ou também amiga do Manuel?
Vicky Fernandes -
Uma mãe é diferente de uma amiga, um filho é uma continuação de nós, queremos o melhor para ele, demos-lhe vida e damos a vida por ele se necessário for. No entanto, podemos, também, partilhar segredos, desabafos, dar conselhos... Um filho pode sempre contar com uma mãe em todas as circunstâncias.

- Têm, portanto, uma relação muito próxima?
-
É uma relação de grande cumplicidade. Adoro partilhar ideias com o meu filho e desde cedo que nos respeitamos mutuamente. Sempre tentei transmitir-lhe os valores certos. Enquanto mãe, tento fazer o melhor que sei. Aprendo, engano-me e volto a tentar. Desmarco qualquer programa para estar com o meu filho, sozinhos, a conversar.

- Deixou-o crescer em liberdade e aprender por si mesmo, ou impôs-lhe muitas regras?
-
Mais do que impor, prefiro mostrar e explicar as regras, mas sempre fui bastante permissiva, dando incentivos para que se desenvolva a personalidade na verticalidade e na humanidade.

- Com que idade foi mãe?
-
Tinha por volta dos 27 anos quando fui mãe. Foi uma maternidade muito desejada, não tive logo filhos quando me casei, esperei pela altura em que achava estar preparada.

- Acha que foi cedo de mais? Ou já se sentia preparada?
-
O meu filho nasceu na altura certa, foi das coisas mais importantes que me aconteceram na vida, adorei ser mãe, humanizou-me. O meu último livro, Chic em Qualquer Ocasião, foi dedicado ao meu filho, onde lhe agradeci o facto de me ter ensinado o sentido da vida.

Vicky Fernandes
Vicky Fernandes
Luís Coelho
- O facto de ser uma mãe nova ajuda-a a compreender melhor a geração do Manuel?
-
Não só compreendo, como acho que todos temos a obrigação de deixar a esta geração um legado que lhe permita ter um futuro num mundo melhor, onde haja mais bondade, compreensão e oportunidades entre os homens. O futuro chega sempre mais depressa do que se julga e é precisamente aquilo com que nos devemos preocupar hoje. Temos obrigações para com esta geração de jovens a que este país, transformado na terra do desemprego, teima em não dar solução. O futuro está muito complicado para os nossos filhos, e isso preocupa-me imenso. Mas quando as mães deixarem de acreditar no futuro, aí teremos motivo de alarme, mal estará o mundo.


- Como passam o Natal?
-
Dezembro é o mês para celebrar a vida e a família. É absolutamente a minha altura do ano favorita. Tem de ser vivido e sentido como festa de família, é das poucas festas em que estamos todos reunidos. Gosto da partilha dos momentos vibrantes vividos com alegria no conforto duma sala, onde os sabores das rabanadas e do pão-de-ló se misturam com as luzes e o cheiro das velas, da madeira e das pinhas na lareira. Gosto de observar o abrir dos presentes, de ver o que cada um escolheu para os outros, não pelo valor, mas pelo afecto demonstrado.


- São uma família que cumpre todas as tradições?
-
É preciso manter as tradições no Natal, passá-las aos nossos filhos, são os rituais que mantêm a família unida. Não dispenso cultivar o sonho e a magia desta época, desde o hábito de enfeitar a casa, de fazer a árvore de Natal, o presépio, de preparar a mesa, até o colocar da coroa de azevinho na porta de entrada... Em termos gastronómicos, também somos muito tradicionais, não dispenso, na consoada, o bacalhau com batatas, passando pelo peru ou perdizes, e terminar com os doces conventuais, como as filhós, azevias, formigos e pão-de-ló. Temos como tradição, já dos tempos de casa dos meus avós, além da Missa do Galo, de deixar a mesa posta, nessa noite, para os anjos e o Menino Jesus virem cear.


Vicky Fernandes com o filho, Manuel Maria
Vicky Fernandes com o filho, Manuel Maria
Luís Coelho
- E é a Vicky quem prepara a ceia de Natal?
-
Em relação à cozinha, tenho a ajuda preciosa da minha mãe, a matriarca da família, com as suas receitas muito bem guardadas.


- Mas acredito que decore a casa sem ajudas...
-
Aí faço questão de ser eu a fazer! No Natal, gosto que aconteça magia, gosto de arranjar uma mesa no limite da realidade, entrar nos contos de fadas, usar e abusar das decorações natalícias.


- Que boas recordações guarda dos Natais da sua infância?
-
Natal é época de memórias e alegrias que nos trazem à lembrança os momentos de infância, como o tempo passado a comer bolos e bolachas e a desembrulhar os presentes que apareciam, às 12 badaladas, milagrosamente, nos nossos sapatinhos, na chaminé. Havia sempre uma boneca, que era o meu presente favorito.


- Fora desta época, é também uma dona de casa? Como concilia o trabalho com as festas e o papel de mãe e de mulher?
-
Fora do trabalho, tento gerir e partilhar o meu tempo livre com afectos, com a minha família e amigos. As festas que menciona estão, definitivamente, fora das minhas prioridades. O tempo é um presente sagrado, mas o nosso bem mais precioso, para além do tempo, é a qualidade do momento. Gosto de viver o quotidiano ritualizando os meus momentos mais simples, como passar uma tarde sentada num sofá com a lareira acesa a ler ou a ver um filme na televisão.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras