Nas Bancas

Emmanuelle Pereira: "Não costumo pedir nada, mas gostava que tudo corresse bem com o bebé"

O maior desejo da arquitecta, que está grávida de quatro meses, é que o filho que espera nasça com saúde.

Melissa Tavanez
25 de dezembro de 2009, 11:34

Nasceu em França e veio para Portugal com 14 anos, altura em que os seus pais se divorciaram e passou a viver com os avós. Filha de uma angolana e de um madeirense, Emmanuelle Pereira deve o seu nome à fé da avó materna, que o escolheu por ser este o nome de Jesus e por querer dizer 'Deus connosco'. "Cá em Portugal, Emmanuelle não é muito comum e até já tive alguns problemas em relação a isso. A maioria das pessoas julga que é um nome de homem e não de mulher, e tenho quase sempre de apresentar todos os documentos que o comprovem", conta a arquitecta, divertida. Estas 'dificuldades' levaram a que os amigos e a família passassem a tratá-la por um diminutivo bastante mais fácil, Emma.

A arquitecta, que aceitou o convite da CARAS para fazer uma decoração de Natal que pudesse ser inspiradora para os nossos leitores, contou-nos como vive esta quadra, que associa sempre à família.

Emma partilhou também connosco que este ano o seu Natal terá ainda mais magia, pois está grávida de quatro meses, fruto da sua relação de quatro anos com o músico e realizador João Marques, de 31 anos.

- Este Natal vai ter um sabor especial, visto que está grávida...

Emmanuelle - É verdade, e espero que corra tudo bem!- Era algo que já desejavam há muito tempo? - Sim, há bastante tempo. Já estive grávida duas vezes, mas essas gestações não foram bem- sucedidas. Felizmente, esta tem estado a resistir e espero sinceramente que resulte.

- E não querem saber o sexo do bebé. Há alguma razão para isso?

- Somente porque queremos preservar o factor surpresa, pois achamos que tem mais piada. As pessoas concentram-se muito em saber se é menino ou menina, e nós não achamos que isso seja o mais importante. O que importa é que corra tudo bem e que o nosso filho venha com saúde.

- Sente algum tipo de receio por ir ser mãe?

- Nenhum. Sempre quis ter filhos, só não os tive mais nova porque a vida não o permitiu, primeiro, devido ao meu curso, que era de seis anos, depois, pelo início da carreira... Agora vivemos uma situação que nos permite ter filhos e espero que tenhamos muitos. [risos]

Emmanuelle Pereira
Emmanuelle Pereira
Clara Azevedo

- Tanto a Emmanuelle como o João têm profissões muito exigentes. Como conseguem conciliar as vossas agendas?

- Temos profissões muito exigentes, mas não temos que respeitar horários, o que nos permite muitas vezes estar mais tempo em casa. Temos picos de muito trabalho e outros em que tudo acalma, e aí aproveitamos bastante. Se calhar, se tivéssemos trabalhos ditos normais, não estaríamos tanto tempo juntos.

- Percebe-se que está a viver uma fase muito feliz...

- Sem dúvida. Neste momento, sinto-me muito realizada e concretizada. Diria que estou a chegar a um patamar em que posso considerar-me feliz em toda a plenitude.

- É uma mulher romântica?

- Tem dias. [risos] O João é muito mais romântico do que eu, prepara tudo com muito cuidado. Ao contrário da maioria dos casais, é ele que se lembra mais facilmente de datas significativas para nós. Ele é muito calmo, sereno, pacífico, e eu sou o oposto, sou muito explosiva.

- Então, são o complemento um do outro...

- Exactamente, completamo-nos na perfeição. Não consigo conceber estar com mais ninguém, ele é mesmo a pessoa que me complementa e sinto realmente que encontrei a pessoa certa.

- Mudando um pouco de assunto, e porque nos está a propor uma decoração natalícia, gosta do Natal?- Muito. Principalmente porque fui educada com os meus avós e eles têm uma quinta em Viana do Castelo, onde nos reunimos sempre em família. Tenho família em França e reunimo-nos todos em casa dos meus avós nessa altura, e é maravilhoso. O Natal, para mim, é sinónimo de família.

Emmanuelle Pereira
Emmanuelle Pereira
Clara Azevedo

- O que é que para si é fundamental numa decoração de Natal?

- A árvore de Natal e a utilização de brilhos. O resto, com alguma imaginação e engenho, consegue-se fazer. Pode ser com pinhas, com elementos naturais... Não precisamos, necessariamente, de usar bolas, nem grinaldas, nem luzes. O brilho pode ser pelos dourados da louça, dos talheres, de um ou outro pormenor. E uma iluminação ambiente, com a utilização de velas, também faz a diferença.

- Parece ligar muito aos pormenores...

- Sim, os detalhes são muito importantes e podem realmente fazer toda a diferença. E aquilo que tentei mostrar é que existem imensas formas de decorar sem ser com as cores habitualmente associadas a esta época, como o vermelho. Tento sempre fugir ao convencional, ao estipulado.

- Todos os anos muda a sua decoração de Natal, ou aproveita para reciclar objectos?

- Vou remodelando, adaptando e reciclando. Não compro tudo de novo, mas nunca faço a mesma decoração.

- Tem algum desejo especial para este Natal?

- Não costumo pedir nada... A verdade é que tenho evitado estar concentrada nesta gravidez, pois já tive duas decepções, e de alguma forma tenho de me proteger, mas gostava muito que tudo corresse bem com o bebé.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras