Nas Bancas

Cristina Malhão-Pereira: "De consumismo, cá em casa não há nada"

Foi ao lado de dois dos seus netos, Margarida, de dez anos, e Pedro, de oito, que a escritora partilhou connosco as memórias de uma vida cheia de aventuras pelo mundo inteiro.

Melissa Tavanez
24 de dezembro de 2009, 11:39

É fácil ficar a ouvir as 'venturas' e aventuras de Cristina Malhão-Pereira. Casada há 42 anos com o comandante José Malhão-Pereira, a antiga professora já fez das muitas histórias da sua vida livros que relatam as alegrias e dificuldades vividas pela família de um oficial da Marinha. Foi em África que Cristina e o marido viveram os seus primeiros anos de casados. Os três filhos, Miguel, Marina e João Tiago, também partilharam com os pais esta aventura, onde a realidade de todos os dias era sempre nova e tão diferente da de Portugal. Depois, regressaram a terras lusas e, após reformar-se da Marinha, José Malhão Pereira começou a viajar pelo mundo para aprofundar os seus estudos na área dos Descobrimentos portugueses. Do Brasil à Índia, Cristina foi sempre a companheira ideal nestas descobertas pelo mundo fora, podendo dar asas à sua alma de viajante. As viagens levaram-na à escrita, onde perpetua memórias e conta histórias sobre um Portugal de outros tempos e seus heróis. Mas não é só enquanto viaja que Cristina é feliz. Mãe e avó, a escritora tem nos netos, Margarida, de dez anos, Pedro, de oito, Vasco, de quatro, Duarte, de três, e Francisco, de um ano e meio, a sua grande prioridade.

Foi sobre uma vida de peripécias e emoções que a CARAS falou com a escritora na sua casa em Caxias, onde já se vivia em pleno o espírito natalício.

- Passam sempre esta época em família...

Cristina Malhão-Pereira - Sim, para nós, esta festa representa a comemoração da família de Jesus. Aqui em casa, as comemorações começam com um auto de Natal, que é feito pelos meus netos. E tão depressa um é o burrinho do presépio como é o São José. Normalmente, eu sou o pastor. E todos os anos são diferentes. Geralmente temos cá em casa três presépios e passeamos pela casa para irmos ver cada um deles. Cantamos e representamos. Depois, abrimos os presentes da família e jantamos. E temos tido imensa sorte, porque, até aos dias de hoje, estamos todos sentados à mesa, ouvimos barulho, e pela chaminé aparecem mais presentes.

- Dá muita importância aos presentes?

- Acho que os presentes têm de ser, ou algo com que as pessoas sonharam, ou o nosso amor transformado em qualquer coisa que faço com as minhas mãos.Há muitos amigos a quem ofereço trouxas-de-ovos e toucinhos-do-céu feitos por mim. As vésperas de Natal são de muito trabalho e de muitas horas na cozinha.

- E consegue passar esses va­lores mais espirituais aos seus netos?

- Sou uma avó muito presente na vida deles e, de consumismo, cá em casa não há nada. Os presentes são um por pessoa. O Natal é partilha, amor e magia. E isso não passa pelo dinheiro. Passa por outras coisas mais do coração. O que a minha neta Margarida diz desde pequenina, quando lhe perguntamos o que quer para presente de Natal, é: "Ó avó, já pensou no Menino Jesus, toda a gente a pedir-lhe coisas? Eu não vou pedir nada!"

- E tem muitas memórias dos Natais em África?

- Tenho, mas são memórias muito estranhas. Em primeiro lugar, era Verão. Os presentes das crianças eram bóias, sapatilhas e t-shirts. Passávamos na praia, e sempre senti muitas saudades de cá, da família e dos amigos. Como não tínhamos família lá, passávamos o Natal sozinhos. Não foram Natais que perpetuassem o sonho desta época. Mas o primeiro Natal de que me lembro foi muito especial. Na cozinha da casa dos meus pais havia um cordão que estava atado à porta do fogão e tinha muitos presentes pendurados. Fui seguindo os presentes e entrei na casa de jantar, onde havia o presépio mais bonito que alguma vez vi. Era um presépio descomunal, com muito musgo verdadeiro, e havia um pinheiro todo enfeitado. E esse Natal foi mágico para mim. Ainda tenho esse presépio.

- E ainda hoje tem hábitos ou traços de personalidade que se formaram em África?

- Sim. Por exemplo, não vejo a cor das pessoas. Não criei o hábito de olhar para o outro e reparar nisso, porque via pessoas de tantas etnias e com diversas formas de vestir e de estar. Todas as culturas têm valor e todos os povos são importantíssimos. E quando viajo, gosto de estar com as pessoas e evito os sítios turísticos. Estas viagens são de um grande enriquecimento, porque vejo que sou uma privilegiada, quase sem nada, porque na verdade não tenho muito.

Cristina Malhão-Pereira com os netos
Cristina Malhão-Pereira com os netos
Mike Sergeant
- Qual é o balanço que faz destes 42 anos de aventuras ao lado do seu marido?

- Neste momento, somos inseparáveis. Somos um casal que já não precisa de grandes conversas para saber o que é que o outro pensa ou quer. Somos muito companheiros e gostamos muito de estar sozinhos, adoramos viajar os dois ou com os netos. E rimo-nos imenso! Temos uma grande cumplicidade. O meu marido teve de aceitar aquelas coisas das quais não sou capaz de me despir e eu tive de aceitar aquelas que fazem parte da natureza intrínseca dele.

- O que é que tem sido mais saboroso nesta vida ao lado de um marinheiro?

- O mais saboroso é o meu marido. Tive a sorte de ter pescado um marinheiro fantástico, que é mesmo saboroso. [risos] Gosto imenso de viajar, de sair, de brincar, e isso foi-me tudo facilitado com esta vida sempre em mudança. No fundo, sou uma cigana. Não gosto de estar no meu local. E tive essa vida exactamente à minha medida. Andei sempre com a casa às costas, com a família atrás, e tive a sorte de ter a vida que se adapta à minha maneira de ser.

- Nessa forma de estar na vida, os netos têm um papel muito importante...

- Gosto muito de ser uma avó presente na vida dos meus netos. E eles adoram ir, durante as férias, para o barco com o avô e a avó. Os meus netos são óptimos companheiros e eu e o meu marido, quando estamos com eles, tornamo-nos duas crianças. De facto, a minha carreira sempre foi ser mãe. E agora é ser avó. Isso está acima de tudo e só escrevo nos intervalos.

- E como é que surgiu o seu interesse pela escrita?

- O meu marido passa o dia inteiro a estudar e a escrever. E eu tinha duas opções: ou ia fazer outras coisas ou via televisão. Mas optei por ficar ao pé dele, também a escrever. Quando regressámos da Índia, o meu marido publicou um livro sobre Vasco da Gama, mas é uma coisa muito erudita. E comecei a pensar: se eu fiz as mesmas viagens, se tive as mesmas vivências, poderia fazer uma coisa que fosse fácil de ser entendido e que aumentasse a auto-estima dos portugueses. Escrevo como falo e consigo que as pessoas sorriam enquanto lêem. E, assim, os leitores podem aprender História. Os meus livros fazem-lhes companhia. E foi assim que surgiu o meu mais recente livro, Um Espião nas Descobertas, que é o primeiro de uma trilogia.

- E depois desta trilogia, há mais livros para serem escritos?

- Francamente, não me apetece escrever mais livros. Escrever é uma coisa muito solitária, muito penosa. Exige muita força de vontade, um horário, esforço para as coisas saírem. Mas em termos de vida, ainda quero fazer muitas coisas. E sempre com entusiasmo.

- Ainda tem muitos sonhos por realizar?

- Sim, tenho imensos projectos. Recentemente, apareceu-me cá um fã que veio da América. Vinha com uma guia que tinha sido activista em relação ao caso de Timor. E pensei que estava na altura de me envolver em mais um projecto. Sempre quis conhecer todos os antigos territórios de Portugal e falta-me Timor. E gostava muito de dar um tempo da minha vida à missão. Trabalhar com as pessoas e ensinar-lhes o que for preciso. A minha ideia é dar-me aos outros. E Timor é um território excelente para isso.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras