Nas Bancas

Joana Balaguer partilha a história de amor que a trouxe para Portugal

Apaixonada pelo piloto de ralis português Bernardo Sousa, a actriz brasileira mudou-se há três meses para Lisboa, onde este ano vai passar o Natal.

Andreia Guerreiro
6 de dezembro de 2009, 16:23

Pode dizer-se que o romantismo está em crise, mas ainda há histórias de amor que contrariam essa teoria. E o romance entre Joana Balaguer, de 25 anos, e Bernardo Sousa, de 22, é a prova disso. A actriz e manequim brasileira e o piloto de ralis português conheceram-se através de um amigo comum - mas Joana não quer dizer onde - e foi amor quase à primeira vista. A distância não foi um impedimento para começarem a namorar e, entre o Brasil e Portugal, o casal foi consolidando a relação. Contudo, em Agosto, a actriz resolveu dar um passo muito importante na sua vida: mudar-se para o nosso país. Feliz por ter tomado esta decisão, Joana vive agora com o namorado e até já está a trabalhar cá. A actriz interpreta o papel de Sofia Pinhão, uma professora de vólei, na série Lua Vermelha, na SIC.
Foi sobre esta história de amor sem fronteiras que a CARAS conversou com Joana, que se prepara para viver o seu primeiro Natal com os sabores, o frio e as tradições portuguesas.

- Vai passar o Natal, tradicionalmente a festa da família, longe do seu país...
Joana Balaguer -
Tinha vontade de ir ao Brasil e passar lá o Natal e a passagem de ano, mas, como estou a gravar, não vou conseguir. Então passo cá, e na passagem de ano o meu pai vem ter comigo.

- Vai ser um Natal muito mais frio do que aqueles a que está habituada...
-
Sim, mas eu gosto muito mais do Inverno do que do Verão. Acho que as pessoas ficam mais bonitas. E o Natal tem mais que ver com o frio. Cresci a ver aqueles filmes como o Sozinho em Casa, que tem muita neve...

Joana Balaguer
Joana Balaguer
Mário Galiano
- Dá muita importância a esta época do ano?

-
Sim. Gosto do Natal, e ainda mais da passagem de ano. Acho que o Natal tem mais graça quando somos novos, quando temos crianças em casa... Depois os pais separam-se, a irmã casa, e então esse espírito começa a perder-se... Mas gosto de ver o Natal nas ruas, parece que todo o mundo está mais amoroso.


- É uma pessoa materialista ou não liga aos presentes?

-
Adoro receber presentes. Gosto muito de comprar para mim, mais do que de receber, porque podemos não gostar. Prefiro chegar e comprar. Sou uma pessoa consumista, mas não sou materialista. Sou desprendida das coisas materiais. Se quebrar, quebrou, se perdeu, perdeu...


- Parece ter uma personalidade forte...
-
Tenho um temperamento forte e gosto que as coisas sejam feitas à minha maneira. Sou um pouco egoísta, penso em mim e depois nos outros. Tenho muito a mania! Ainda bem que encontrei o Bernardo agora, porque se fosse aos 40 anos, acho que não arranjava ninguém! [risos] Na verdade, estou sempre de bem com a vida, adoro falar, estou sempre pronta para tudo. Se eu fosse homem, gostaria de estar com a Joana. [risos]


Bernardo Sousa e Joana Balaguer
Bernardo Sousa e Joana Balaguer
Victor Freitas
- Veio para Portugal por amor. É uma romântica?
-
Zero! O Bernardo é que é. Lá no Brasil há uma expressão que é o homem beta, que é o homem do novo século, que gosta de discutir a relação, que manda flores, que se lembra das datas, cozinha, mas não é
gay
. O Bernardo é um homem beta. E eu adoro que ele faça essas coisas. Mas vir para Portugal foi mesmo uma prova de amor! E estou sempre a dizer ao Bernardo que vim para cá para estar com ele. É o meu maior argumento. Digo que larguei tudo para vir para cá! [risos]


- E como é que tem sido gerir a relação entre uma brasileira e um português?
-
No começo foi difícil, porque havia coisas que para ele eram supernormais e para mim eram estranhas. Penso que o Bernardo se adaptou mais ao meu estilo de vida brasileiro do que eu ao dele. Mas temos conciliado. A única coisa de que sinto mesmo a falta é de não ter uma raiz em comum com ele. Eu não posso falar de músicas da infância, porque ele não conhece. Quando vim a Portugal pela primeira vez, tive de voltar ao Brasil para gravar o programa da
Xuxa
e ele perguntou-me quem é que ela era! Mas ele já sabe muitas coisas. E no dia-a-dia é tudo normal.


Joana Balaguer
Joana Balaguer
Mário Galiano
- E como é que está a correr a sua integração em Portugal?
-
Está a ser óptima! Eu e o Bernardo não temos uma rotina. Ele viaja uma vez por mês e agora eu também comecei a trabalhar. E adaptei-me muito bem. Só tinha um bocadinho de medo de conduzir, mas agora já começo a saber onde é que ficam as ruas. É muito fácil uma pessoa adaptar-se a Portugal. Vocês são pessoas muito simpáticas. É tudo muito parecido com o Brasil.


- Já usa aliança de casada...
-
Sim, e um anel que a minha avó me deu. O Bernardo já não é só meu namorado. Lá no Brasil, morar junto é igual a estar casado. Mas pelo que me vou apercebendo, aqui não é a mesma coisa. Eu até prefiro ser namorada, porque não tem aquele comodismo. Nunca sei como o apresentar... Mas eu sinto-me casada.


- Mas gostava de se casar?
-
Desde pequena que digo que não faço questão de me casar. Sempre achei uma besteira gastar dinheiro em casamento, ainda por cima hoje que se casa e depois se descasa. As coisas estão óptimas como estão, mais vale não mexer.


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras