Nas Bancas

Oceana Basílio: "Uma relação para o resto da vida seria o meu ideal"

A actriz falou do fim do seu casamento com o actor e músico Pedro Laginha e da fase feliz que atravessa.

Andreia Guerreiro
16 de novembro de 2009, 11:35
Oceana Basílio
e
Pedro Laginha
estiveram casados menos de dois anos. Desde que tornaram pública a sua separação, o assunto tem originado muita especulação na imprensa, mas a actriz procurou manter-se alheia a tudo isso. O que conseguiu até ver publicada uma matéria em que o motivo da separação era atribuído a um suposto aborto que a actriz teria feito, por não desejar mais filhos. A mesma peça sugeria ainda que a relação de Oceana com a filha,
Francisca
, de cinco anos, seria pouco próxima.

Magoada, a actriz resolveu esclarecer as verdadeiras razões da sua separação nesta entrevista exclusiva à CARAS, na qual falou ainda, pela primeira vez, da relação discreta que mantém com o advogado
Nuno Almas
.


- O fim do seu casamento é um assunto resolvido na sua vida?
Oceana Basílio -
Estamos separados há nove meses, mas isso é algo que para nós está resolvido. Acima de tudo, somos muito amigos e temos um enorme respeito um pelo outro. E foi uma separação muito tranquila, de comum acordo. Somos duas pessoas que gostam muito uma da outra, que se admiram imenso, mas houve coisas no dia-a-dia que já não justificavam haver um relacionamento a dois. E quando gostamos muito de uma pessoa, é importante que a convivência não estrague isso. E acho que isso foi o mais bonito entre nós.


- Então, o casamento chegou ao fim devido ao desgaste natural da relação?
-
A relação terminou porque chegámos à conclusão de que já só éramos grandes amigos. Somos muito diferentes a nível de temperamentos e personalidades. E as diferenças que no princípio, quando estamos apaixonados, pareciam ser coisas com as quais era fácil lidar, depois, com o tempo, verificámos que não era bem assim. Mas sempre nos respeitámos e quisemos manter isso.


Oceana Basílio em produção exclusiva para a CARAS
Oceana Basílio em produção exclusiva para a CARAS
Luís Coelho
- E não houve terceiras pessoas envolvidas?
-
Não houve terceiras pessoas e nenhum dos motivos que as revistas publicaram esteve na origem do fim do nosso casamento. No nosso caso, foi uma coisa muito tranquila a nível familiar, conversada com as crianças... Foi de facto uma coisa natural.


- Como é que tem lidado com tudo o que se tem escrito na imprensa sobre o fim do seu casamento?
-
Fiquei triste. A forma como as coisas foram mostradas não é uma coisa banal. Foi um assunto muito importante e que toca em qualquer ser humano. E quando é mentira, é óbvio que nos magoa. Não costumo ligar ao que se escreve quando é mentira, mas, neste caso, não pude evitar ficar triste a partir do momento em que interfere com a minha família, em particular com a minha filha e a minha irmã. E não entendo como é que pode existir um jornalismo em que se fala com crianças de cinco anos sem a presença dos pais e ir ao sítio onde elas estudam. Isso para mim é revoltante. Tenho de proteger a minha filha.


- Ficou mais magoada com o facto de terem envolvido a sua filha do que com a referência a um suposto aborto que teria posto fim ao casamento?
-
É claro que uma mentira é sempre má, sobretudo neste caso, que é uma difamação. E a partir do momento em que transgride uma linha e as coisas se tornam feias... E, neste caso, por ter mexido na minha família, é impossível deixar as coisas como estão. As pessoas têm de perceber que as atitudes têm consequências e avancei para tribunal.


- Acha que puseram em causa o seu papel enquanto mãe?
-
Claro que não. Nada põe em causa eu ser boa mãe. Não sou perfeita, mas sou uma grande mãe e tenho consciência disso. E só eu e ela é que sabemos o relacionamento que temos.


- Como é que a Francisca lidou com esta mudança?
-
A Francisca lidou muito bem, porque somos pessoas muito saudáveis e que soubemos transmitir as coisas muito bem, tanto à Francisca como ao
Afonso
[filho de Pedro Laginha].


- E a Oceana?
-
É óbvio que o fim de um casamento mexe sempre com as pessoas. É um recomeçar, o criar uma nova estrutura familiar, novas rotinas. Esse lado mexeu comigo. Mas quando as coisas já não estão bem, a partida para uma nova fase da vida traz coisas boas e uma redescoberta. Acima de tudo, tenho estado bem.


- Há alguma possibilidade de se reconciliarem?
-
Neste momento, não há reconciliação possível. Somos grandes amigos e eu estarei aqui para o Pedro como ele para mim.


- E o que é que tem descoberto em si durante esta nova fase?
-
Tenho descoberto várias coisas. Estou a redescobrir o que é estar de novo só com a Francisca... E tenho feito as minhas coisas sem aqueles horários de quando estamos com outra pessoa. É uma fase de reencontro, em que parei e pensei naquilo que quero para mim e o que é que me faz feliz.


Oceana Basílio em produção exclusiva para a CARAS
Oceana Basílio em produção exclusiva para a CARAS
Luís Coelho
- E perdeu alguma esperança em relação ao amor?
-
Não perdi nenhuma esperança em relação ao amor, muito pelo contrário. Os relacionamentos são uma aprendizagem e permitem-nos saber o que é que realmente queremos de outra pessoa. Namorar faz-nos bem e o facto de ter tido outras relações permite-me saber muito bem aquilo que não quero. É óbvio que, por outro lado, fico triste no sentido em que não existem aquelas relações duradouras que imagino. E ainda é isso que procuro. Uma relação para o resto da vida seria o meu ideal. E vou continuar a acreditar nisso.


- E é verdade que namora com o advogado Nuno Almas?
-
O Nuno é uma pessoa que está a ser muito especial nesta fase da minha vida. E estamos a conhecer-nos. Ainda é tudo muito recente para perceber se é a pessoa certa para mim ou não. E eu também estou mais exigente. [risos]


- E está feliz?
-
Estou muito feliz.


- E já sabe o que é que procura num companheiro?

- Isso sei! Uma relação é uma coisa a dois. E, além da paixão, do lado físico, tem de haver um grande companheirismo e temos de gostar das mesmas coisas. Tem de ser alguém com quem vá viajar e me divirta. Tem de ser um bom amigo. E temos de ser leais, haver confiança e nenhum dos dois pode deixar de ser ele próprio. E, apesar de juntos, cada um tem de ter o seu caminho. Claro que existem cedências, mas isso são nas coisas do dia-a-dia e não de personalidade ou de maneiras de estar na vida.

- Sente que no seu casamento perdeu a sua individualidade?
-
Sinto que não éramos felizes o suficiente, porque estávamos sempre a tentar agradar ao outro, por isso, um de nós não estava inteiramente bem. E o amor não é isso. Temos de nos sentir bem e felizes.

- Os 30 trouxeram mesmo uma mudança na sua vida...
-
Para mim, foi! E é giro que sempre ouvi isso e de repente aos 30 acontecem imensas coisas na nossa vida e a nossa segurança também é outra. Eu sou quem sou e não tenho nada a perder, posso dizer o que acho e a minha opinião é válida. Ficamos mais fortes. Continuo a ter as minhas inseguranças, quero sempre fazer melhor e sou exigente comigo. Agora, a nível de decisões e objectivos, não foi só aos 30. Tive de crescer depressa. Sou muito independente a todos os níveis, até desprendida. E pode parecer falta de atenção, mas não é. É apenas a minha forma de ser.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras