Nas Bancas

Artista há 34 anos, Carlos Quintas garante: 'Não me arrependo de nada'

Depois de sete meses no Porto com "A Gaiola das Loucas", o actor vai agora fazer a peça em Lisboa.

Melissa Tavanez
9 de novembro de 2009, 13:23

Depois de ter estado no Porto com o musical Música no Coração, Carlos Quintas voltou com A Gaiola das Loucas, também de Filipe La Féria, e diz que na Invicta se sente "de férias". A dias de regressar a casa - agora que a peça vai estrear no Teatro Politeama -, o actor, que conta já com 34 anos de carreira, falou à CARAS de como foram estes meses que o obrigaram a ficar longe do filho, Hugo Miguel, de 33 anos, e do neto, Bernardo, de 16.

- Como foi mais uma adaptação ao Porto?

Carlos Quintas - Já faço este percurso há muitos anos e estou habituado. A primeira vez que vim cá foi em 1975, com o Gospel, e continua a ser obrigatório trazer o teatro ao Porto, porque somos recebidos de uma forma extraordinária e eufórica.

- Em 34 anos de carreira, já se habituou a uma vida itinerante?

- Costumo dizer que vir ao Porto são as minhas férias. Como só temos períodos de descanso entre as peças, quando saio de casa são férias.

- Mas agora que a estada no Porto terminou, não está feliz por regressar a Lisboa?

- Claro! Fo­ram sete meses fora de casa e tenho saudades das minhas coisas, de ver os meus amigos e de estar mais próximo do meu filho e do meu neto. Desejo voltar a casa e que o público de Lisboa veja esta peça, porque acho que vai ser um tremendo sucesso, ainda maior do que no Porto.

Carlos Quintas
Carlos Quintas
Joaquim Norte Sousa

- Em teatro já interpretou personagens bastante machistas, mas em A Gaiola das Loucas é homossexual. Como reagiu quando lhe atribuíram a personagem do Armando del Carlo?

- Foi um desafio muito grande e uma mudança radical. Obrigou-me a um estudo cuidado, para não cair no exagero. Estes papéis têm sempre uma mensagem e é nossa obrigação dignificar estes assuntos. Caso contrário, continuamos a ver de forma negativa as opções sexuais das pessoas.

- Como é que o seu filho e o seu neto reagiram ao vê-lo neste papel?

- O meu filho veio à estreia e adorou! Para o Hugo, eu sou o maior. [risos] Ele é o meu fã n.º 1! O meu neto ainda não viu, por causa da escola, verá em Lisboa. Vai ser uma grande surpresa para ele.

- Já pensou em dar aulas, passar o seu conhecimento e experiência à nova geração?

- Faz parte dos meus planos. Estreei-me há pouco tempo como encenador, em Marlene, protagonizada por Simone de Oliveira, e foi uma experiência muito boa, que gostava de continuar. Aliás, em miúdo, quando me perguntavam o que queria ser quando crescesse, respondia sempre artista ou professor. Estou no bom caminho...

- Que balanço faz de 34 anos de carreira?

- Comecei como cantor e como actor e, quando tive de optar, escolhi o teatro. Felizmente, com os musicais, hoje tenho a sorte de poder juntar as minhas duas paixões. São 34 anos bastante positivos, em que não me arrependo de nada do que fiz até hoje.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras