Nas Bancas

Pilar del Rio é o apoio de Saramago em mais um momento de polémica

"Desejava que os ventos acalmassem e que o livro possa ser uma obra literária." (J.S.)

Melissa Tavanez
1 de novembro de 2009, 18:25

"Desejava que os ventos acalmassem e que o livro possa ser uma obra literária", frisou José Saramago, na conferência de Imprensa que deu no auditório do grupo editorial Leya, em Alfragide, onde apresentou o seu mais recente romance, Caim, perante um vasto número de jornalistas portugueses e estrangeiros. A seu lado, como sempre nos últimos 22 anos, em todos os momentos importantes da sua vida - os bons e os maus -, o escritor tinha a mulher, Pilar del Rio. E este foi, sem dúvida, um momento importante, simultaneamente bom e mau.

José Saramago e Pilar del Rio
José Saramago e Pilar del Rio
Luís Coelho
Bom, porque significa que, aos 86 anos, depois de ter estado gravemente doente em 2007, Saramago conseguiu terminar este romance, uma tarefa que chegou a pensar impossível. Mau, porque, como aconteceu com outras obras suas, esta tem gerado tanta ou mais polémica que aquela que o levou a abandonar Portugal, O Evangelho Segundo Jesus Cristo, em 1991. De facto, ainda Caim não estava à venda e já a Igreja Católica o condenava energicamente, de uma forma que Saramago entende como "
insultos ao autor".
Uma polémica que Pilar del Rio já esperava quando apresentou Caim na Feira do Livro de Frankfurt, no passado dia 14 de Outubro, lembrando que "
a grande literatura é sempre provocatória".
Pilar, que conheceu primeiro a escrita de Saramago, em 86, e só depois de se apaixonar por esta veio a Lisboa de propósito para se encontrar com o autor (de que é há vários anos tradudora oficial para o castelhano), explicou no blogue de Saramago, num texto em que anunciou que este livro estava pronto: "
Não é um tratado de teologia, nem um ensaio, nem um ajuste de contas: é uma ficção em que Saramago põe à prova a sua capacidade narrativa (...), sem medos nem respeitos excessivos." E avisa que não deixará ninguém indiferente: "Provocará nos leitores desconcerto e talvez alguma angústia, porém, amigos, a grande literatura está aí para cravar-se em nós como um punhal na barriga, não para nos adormecer como se estivéssemos num opiário e o mundo fosse pura fantasia."

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras