Nas Bancas

Roberta Medina: "Nunca tive problemas com isso de estar a namorar ou não. Se namoro, namoro e não digo que não"

Roberta é hoje uma empresária de sucesso, mas que continua a levar a vida com alguma leveza. E apesar de não ter vivido em pleno a sua adolescência, garante que não se importa de o fazer agora, aos 30 anos.

Andreia Guerreiro
21 de outubro de 2009, 16:05

Chegou a Portugal com 25 anos e desde então adoptou o País. Juntamente com o pai, Roberto Medina, com quem sempre trabalhou, é o rosto do Rock in Rio. Chama-se Roberta Medina, tem 30 anos, e confessa que foi no nosso país que descobriu a sua independência profissional e pessoal. Entretanto, a empresária brasileira aceitou outro desafio: ser jurada do programa Ídolos, na SIC. Uma experiência que está a adorar, como revela nesta entrevista.

- Este ano, para além de estar já a organizar o Rock in Rio 2010, é jurada do programa Ídolos. Como tem corrido?
Roberta Medina -
É um grande desafio que tem várias coisas boas. Primeiro, porque me divirto bastante, depois, porque as pessoas são fantásticas, a equipa é muito boa. Temos uma grande sintonia entre todos. O facto de eu ser brasileira ainda leva as pessoas a brincarem mais comigo, o que é engraçado.

- E é fácil ter o poder de dizer que alguém não tem valor para seguir aquele que sempre foi o seu sonho?
-
Não, nada. Existem concorrentes que vão ali para se divertir, outros que vão para fazer amigos e pela piada e outros que acham mesmo que podem seguir a carreira. E é mesmo muito difícil dizer a alguém a quem os amigos, a família ou a namorada dizem que sabem cantar, que, afinal, não canta. Que talvez um dia venha a cantar, mas naquele momento não. É difícil lidar com as emoções dessas pessoas. Apetece sair a correr atrás deles para explicar a decisão.

- Então, além de um desafio, este trabalho é também uma lição de vida...
- Sim. Cada trabalho que fazemos na vida tem um desafio que nos faz crescer enquanto seres humanos. E uma das coisas que o Ídolos me trouxe foi aprender a dizer não sem ficar a sofrer depois. Porque aqui não tem mesmo forma de resolver.

- Apesar de estar habituada à exposição mediática, esta é uma forma bem diferente de encarar o público português...
-
É. Sobretudo porque deixo de ser a Roberta que fala pelo Rock in Rio e passo a ser a Roberta. Por um lado, é muito mais leve, porque falo por mim só, mas acarreta também outro tipo de exposição que por vezes não agrada tanto. Mas é muito mais pesado falar por uma organização tão grande e importante como é o Rock in Rio. E porque é uma empresa familiar, que torna tudo ainda mais difícil e aumenta a responsabilidade.

- É complicado ter o seu pai como chefe?
-
A responsabilidade é muito maior. O meu pai é muito exigente, e com a família, com os filhos, é ainda mais exigente. E ele sempre fez uma coisa: delegar-nos responsabilidades. O que se tornou uma vantagem, porque hoje nada nos assusta. O que for preciso fazer, nem que seja carregar uma caixa, nós fazemos. Somos determinados. Também porque queremos mostrar que não somos só filhos daquela pessoa, que valemos o trabalho que temos. E demora alguns anos a sair da sombra.

- E acha que já conseguiu sair da sombra?
-
Vai aos poucos. Acho que consegui mostrar, de alguma forma, o que sei fazer. E vir para Portugal solidificou muito isso, sem dúvida, porque assumi muito a liderança do festival. Sobretudo no ano em que o meu pai não estava porque nasceu a minha irmã.

- Começou muito cedo e logo com alguma pressão... Perdeu tempo precioso da sua adolescência?
-
Comecei a trabalhar aos 17 anos e não vivi muito a minha adolescência, mas tenho uma característica boa, que é o facto de não me importar de viver aos 30 anos coisas que deveria ter vivido na minha adolescência. Desde que vim para Portugal e passei a morar sozinha, tudo mudou bastante.

Roberta Medina em produção exclusiva para a CARAS
Roberta Medina em produção exclusiva para a CARAS
João Lima
- Acabou por ter um crescimento algo atípico...
-
Sim, mas tem uma vantagem: acho que vou ser criança para sempre. E fico muitas vezes feliz com coisas tão pequenas... Gosto mais de receber uma flor, uma simples flor, do que um presente sofisticado, por exemplo.


- Às vezes não lhe apetece largar tudo, deixar de ter responsabilidades e simplesmente viajar pelo mundo, curtir a vida?
-
Sempre tive dois grandes privilégios na vida, um deles foi poder viajar por todo o mundo fazendo o meu trabalho, outro foi poder fazer um trabalho que adoro. Isso foi muito bom. E aprendi muito com tudo isso.


- Há pouco falou da idade. Ter 30 anos pesa nalgum aspecto?
-
Não. Eu tenho uma história com a idade: queria ter parado nos 17, como não parou, vou seguir em frente sem olhar para trás.


- Mas não começa a sentir o apelo da família, alguma vontade de estabilizar?
-
Sim, tenho essa vontade. Se bem que não é fácil para mim, talvez por ser muito independente. Existem pessoas que nasceram para casar e ter filhos, eu não. Mas há-de chegar esse momento. Agora não existem pressas, estratégias ou planos. É demasiado sério para ser planeado.


- E a acontecer, parece-lhe que será em Portugal, a sua segunda casa?
-
Nos últimos seis anos, Portugal tem sido a minha primeira casa. A verdade é que adoro Portugal e estou a gostar muito de viver cá. Nunca me senti como uma estrangeira. E houve uma coisa boa, que foi ter começado a fazer amigos no escritório cá, depois comecei a namorar com o
Raul
[
Azevedo
] e fiz ainda mais amigos. Só alguns anos mais tarde voltei a ter amigos brasileiros.


- A certa altura foi muito falada na imprensa por questões pessoais, nomeadamente quando correram rumores de que mantinha uma relação com Francisco Penim. Isso perturbou-a?
-
Odeio esse tipo de coisas. Porque são relações irreais. E odeio que falem desses assuntos assim. Nunca tive problemas com isso de estar ou não a namorar com alguém. Se namoro, namoro e não digo que não. Agora, se estou a sair com alguém, isso não interessa, porque só vai interessar se realmente eu começar a namorar com essa pessoa. As pessoas falam e inventam histórias incríveis. Uma vez ligaram-me e garantiram-me que me viram aos beijos com o Francisco Penim, e eu não o via há mais de seis meses. Dei uma gargalhada enorme. E o pior é que ele poderia ter namorada, que não iria achar graça nenhuma à história.


- Então, o melhor é perguntar directamente: tem namorado?
-
Neste momento não namoro com ninguém e estou feliz da vida.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras