Nas Bancas

Rita Ribeiro, de volta a Lisboa: "A vida é um eterno recomeçar"

Numa fase de mudança, a actriz aproveita todos os momentos para reflectir sobre o seu futuro.

Melissa Tavanez
17 de outubro de 2009, 16:21

Ainda era uma jovem actriz e já Vasco Morgado falava dela como "uma grande vedeta". Aos 54 anos, Rita Ribeiro vive uma fase de mudança e, depois de ano e meio no Porto, em palco com O Violino no Telhado e A Gaiola das Loucas [em cena até meados de Outubro], prepara-se para regressar a Lisboa. Certa de que se está a fechar um ciclo na sua vida, a actriz e cantora partilhou com a CARAS os seus desejos e projectos, numa escapadela até Melgaço. Grata pelo desafio de integrar as grandes produções de Filipe La Féria, Rita Ribeiro espera agora voltar à televisão e conseguir um grande papel em teatro, "o grande papel da minha vida". E gostaria que fosse pela mão de La Féria - "o meu encenador por excelência" -, de João Lourenço, João Mota ou Luís Miguel Cintra. A actriz sente-se "mais jovial que nunca" e está disponível para voltar a amar, apesar de estar cada vez mais exigente a esse nível.

- Está há um ano e meio no Porto, com sessões quase diárias no Rivoli. Sente-se realizada com uma vida itinerante?

Rita Ribeiro - Foi isto que a vida me pediu para aceitar. Uma das maiores virtudes do trabalho de actor é termos a inteligência de sabermos aceitar o que a vida nos dá. Mas a minha felicidade não passa por fazer teatro todos os dias. Tenho uma essência muito livre, não gosto de amarras nem dependências. A vida é um eterno recomeçar e estar em permanente mudança.

- E antevê-se mais uma fase de mudança...

- Mudei de casa no final de Agosto, de Alcochete para Lisboa, e, quando terminar A Gaiola das Loucas, vou mudar-me de Gaia para Lisboa. E também vou ter de mudar o camarim do Rivoli para o Politeama. É a vida de um actor! Mas tenho parado para reflectir. Tenho 34 anos de teatro, 37 a cantar, e por vezes ambiciono outro género de vida. Mas deixar de ser actriz não é sequer uma hipótese, porque já está no meu propósito de vida.

Rita Ribeiro
Rita Ribeiro
Joaquim Norte Sousa
- Com o regresso a Lisboa, fecha-se um ciclo?

- Tenho pensado muito no futuro e no que quero fazer daqui para a frente. Estou com muitas saudades de fazer televisão e também tenho projectos na produção. Estes últimos tempos têm sido reveladores e sem dúvida nenhuma que se está a fechar um ciclo. Sempre senti que a minha vinda para o Porto era um patamar para novas coisas e que poderia ser uma espécie de retiro de introspecção, de reestruturação da minha vida.

- Sente-se que a sua passagem pelo Porto foi construtiva...

- Muito. Estou absolutamente grata por aquilo que a vida me deu, mas estou a desejar novos voos.

- Vai deixar A Gaiola das Loucas quando for para Lisboa?

- Penso que vou continuar, mas os projectos é que mandam. Neste momento, ambiciono fazer um grande papel no teatro. Amo a minha profissão e quero a excelência. Os maiores papéis da minha vida ainda estão para vir, por isso não me posso acomodar. Aos 54 anos, estou pronta a receber e sei que mereço.

Rita Ribeiro
Rita Ribeiro
Joaquim Norte Sousa
- Com uma vida tão atribulada e preenchida, é importante fugir da rotina?

- Muitíssimo. As pessoas mais fortes são as mais vulneráveis. E, para poder viver em serenidade, tenho de ter os meus momentos de silêncio. A vida tem de ser feita de equilíbrio entre o trabalho, o lazer, o divertimento... Este é o meu profundo objectivo na vida.

- Está disponível para amar?

- Sim, mas com um grau de excelência muito grande. [risos] Neste momento, não tenho um companheiro, mas sinto-me a viver em plenitude. Pela primeira vez, aprendi a gostar de mim.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras